10, 9, 8, 7... Contagem regressiva para os 50 anos do homem na Lua — e do lançamento de 'Space Oddity', de David Bowie
Entretenimento

10, 9, 8, 7... Contagem regressiva para os 50 anos do homem na Lua — e do lançamento de 'Space Oddity', de David Bowie

Há 50 anos (menos dez dias), mais precisamente no dia 20 de julho de 1969, o homem pisava pela primeira vez na Lua, graças à bem-sucedida missão espacial Apollo 11. Em 11 de julho de 1969, nove dias antes do foguete da NASA permitir que Neil Armstrong, Michael Collins e Buzz Aldrin vivessem essa histórica aventura, David Bowie lançou sua canção “Space Oddity”, inspirada no filme de 1968 de Stanley Kubrick, "2001 - Uma Odisseia no Espaço".O trocadilho banal entre “oddity” (“estranheza”) e “odissey” (“odisseia”) insinuava haver mais coisas entre o céu lunar e a Terra do que sonhava a vã exegese pop.

Música e filme falavam sobre exploração do espaço, com desfechos em tons pessimistas, imaginando um destino fatal, em queastronautas eram fadados a vagar para sempre na imensidão do cosmos. Nada disso, porém, foi capaz de impedir que a emissora britânica BBC fizesse a infeliz escolha de usar “Space Oddity” como trilha sonora para a cobertura televisiva da missão Apollo 11.

Na época, o próprio Bowie não aprovou a seleção de sua música, mas ficou feliz pelo marketing gratuito que conseguiu. “Tenho certeza que eles sequer prestaram atenção na letra”, disse ele. “Não foi nada agradável ouvir ‘Space Oddity’ durante um pouso na lua. O produtor responsável por essa ideia é maluco e deu azar de ninguém avisá-lo que isso não seria uma boa ideia.”

A letra de “Space Oddity” foi escrita do ponto de vista de um personagem, Major Tom, cuja missão espacial começa com uma decolagem perfeita, mas, à certa altura da viagem, sucumbe a uma espécie de melancolia ou impulsos autodestrutivos, e se desconecta do controle da nave e de seus contatos na Terra. No vídeo promocional, ele aparece com duas mulheres a seu lado, em imagem que dá margem a várias leituras: alucinação, sonho ou mesmo ménage à trois...

Histórias dessa época são narradas no livro “Strange Stars: David Bowie, Pop Music, and the Decade Sci-Fi Exploded”, de Jason Heller. Na obra, o autor fala um pouco mais sobre a inspiração de Bowie para escrever “Space Oddity”. Claramente impressionado por “2001”, o músico revelou que assistiu ao filme diversas vezes chapado e teve uma espécie de revelação. Então, teria decidido compor o “primeiro hino para a Lua”, ainda que não estivesse especialmente contente com a missão Apollo 11.

“O programa espacial se transformou em algo desumanizado”, avaliava Bowie. Portanto, “Space Oddity” seria uma resposta à ganância humana em arriscar tudo em nome da corrida espacial, que representava a rivalidade entre EUA e União Soviética.

Mas, para o jornalista Paul Trynka, autor da biografia "Starman", as intenções de David Bowie também não eram das mais puras: "Típico da carreira dele: foi uma mistura de inspiração e marketing. Ele tinha essa música e se deu conta de que, com a missão espacial chegando, teria uma incrível oportunidade de promoção. Ele soube usá-la, acelerando a produção do compacto, na esperança de que seria a virada em sua carreira".

"Space Oddity" chegou ao quinto lugar nas paradas musicais do Reino Unido, mas não fez qualquer sucesso nos EUA até meados dos anos 1970. E David Bowie, que até então lutava para se firmar como cantor, precisou esperar mais alguns anos para finalmente estourar e ter o devido reconhecimento. Mas isso já é uma outra aventura, estrelada por outro personagem espacial, né? Um certo Ziggy Stardust.

Registro histórico do homem pisando na lua/Getty Images
Registro histórico do homem pisando na lua/Getty Images

Cinco décadas desde o lançamento da canção e da missão Apollo 11, o mundo parece ainda não ter compreendido a mensagem crítica de “Space Oddity”. Tanto que, na comemoração da chegada do homem à Lua, no Kennedy Center, em Washington, vai acontecer uma espécie de “festa de aniversário em dupla”, com a divulgação de um novo vídeo para “Space Oddity”, que cruzará imagens da Apollo 11 com registros de Bowie tocando no Madison Square Garden.

A saga do Major Tom teve várias sequências na obra de David Bowie: a mais famosa delas veio na canção “Ashes To Ashes”, de 1980, cuja letra revela que o personagem era um viciado em drogas, passando por síndrome de abstinência durante a missão espacial.

Canais de Marcas

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest