2019 no pop africano: 10 faixas que ainda estão em tempo de ser escutadas
Entretenimento

2019 no pop africano: 10 faixas que ainda estão em tempo de ser escutadas

Tem das românticas às dançantes, do rap apimentado ao pop que agrada o grande público. Muitos artistas da África ultrapassaram os limites de seu continente e alcançaram sucesso em várias partes do mundo.

O jornal "The Guardian" fez uma lista das 10 músicas de artistas de diferentes países do continente africano que foram destaque no ano passado. E que merecem ser ouvidas. A recompensa a ouvidos e quadris é evidente.

A cantora, rapper e atriz Sho Madjozi está na lista das músicas de destaque de 2019 na África. Foto: Getty Images
A cantora, rapper e atriz Sho Madjozi está na lista das músicas de destaque de 2019 na África. Foto: Getty Images

1) 'Soapy' — Naira Marley

Em maio, o rapper de 25 anos foi preso por um suposto crime cibernético após o lançamento de uma música controversa sobre os Yahoo Boys (termo nigeriano para fraudadores da Internet). Ao ser libertado no final do mesmo mês, ele causou mais tumulto com a faixa "Soapy", uma afronta às autoridades. A dança do videoclipe que se passa numa prisão imita métodos de masturbação. Ousadia que ajudou o rapper de Peckham, nascido em Lagos, a alcançar status de ícone nacional. Suas letras obscenas e ritmo ágil o estão levando a um reconhecimento internacional.

2) 'Parte After Parte' — Big Tril

O mais recente bordão da cultura pop africana foi cunhado pelo rapper Big Tril, nome artístico do ugandense Rowland Raymond Kaiza. Ele diz que a batida da música foi inspirada em um vídeo do pastor Ssempa, conhecido pelo conservadorismo, em que falava como os jovens vivem frivolamente e só sabem festejar. O vídeo acumulou alcançou mais de 1 milhão de visualizações em três meses, uma vitória significativa para o novo rei de Kampala.

3) 'Power Rangers' — Teni

Escrevendo para si e para outros artistas mais conhecidos, Teniola Apata tem alcançado um maior reconhecimento desde 2017, quando lançou o sucesso dentro e fora da Nigéria com "Power Rangers". No videoclipe, ela faz referências à cultura pop do Universo Marvel, Bollywood e até David Beckham para criar uma imagem de um amor que nunca existiu. O resultado é uma balada romântica com visual que lembra uma novela brega.

4) 'Yo Pe' — Innoss'B

Apesar de ser ligado à tradição da música rítmica congolesa e movimentos de dança intrigantes para o resto do continente, Innoss'B, 22 anos, está traçando seu próprio caminho, acumulando sucessos. O de maior repercussão, "Yo Pe", teve mais de 16 milhões de visualizações em menos de seis meses. O cantor e compositor toca djembe, canta e dança enquanto entrelaça Afrobeats típicos de seu país.

5) 'Baby' — Joeboy

O novato Joeboy parece prestes a se tornar um dos líderes da nova cena musical da Nigéria. Recentemente, ele foi apontado pela "Billboard" como a próxima grande novidade do país. "Baby", o primeiro single de seu EP "Love and Light" lançado em novembro, já é um sucesso nas playlists de casamentos. Com milhões de visualizações do vídeo, há motivo de sobra para ele se tornar o próximo grande sucesso da África.

6) 'Amantombazane ft Kabza De Small, Samthing Soweto, MFR Souls' —DJ Maphorisa

Antigos e novos subgêneros da elegante house music da África do Sul colidem com grande efeito nessa música agradável. Uma faixa que remete ao surgimento em 2016 do "amapiano", estilo de música eletrônica no underground de Pretória, embasada pelos vocais suaves de Samthing Soweto, conhecido pelo hit "Akanamali".

7) 'Anybody' — Burna Boy

Os dois últimos anos foram ótimos para Burna Boy, que se tornou uma super estrela nigeriana, recebendo, inclusive, uma indicação ao Grammy por seu álbum "African Giant". Uma mistura sobrenatural de dancehall e Afrobeat, o álbum canaliza o espírito rebelde do criador do Afrobeat Fela Kuti (cujo primeiro empresário foi o avô de Burna). Na joia "Anybody", ele se apresenta como alguém que instiga loucamente seu público a cair no chão e contaminar seus companheiros relutantes com a mesma paixão - por meios extremos, se necessário.

8) 'John Cena' — Sho Madjozi

Indiscutivelmente uma dos melhores artistas do continente, a rapper, cantora e atriz sul-africana de 27 anos tem energia para valer. "John Cena", uma referência ao lutador e ator americano, tem elementos de hip-hop misturados ao gqom, um subgênero da house music sul-africana. O apelo transcontinental da música vem de letras em inglês, suaíli e tsonga.

9) 'Tettema ft Diamond' — Rayvanny

O astro tanzaniano Diamond Platnumz surgiu como uma espécie de Midas no leste da África, transformando tudo o que toca em ouro. "Tettema" é outro grande sucesso criado por ele e pelo protegido Rayvanny. No vídeo (que tem mais de 35 milhões de visualizações), a dupla empresta a dança zanku da África Ocidental com uma pitada de suaíli, onde os dançarinos vibram como um gerador ou como alguém que acabou de ser baleado. "Tettema" ganhou impulso depois que o Conselho de Classificação de Filmes do Quênia proibiu a música por sua letra "adulta".

10) 'Risky ft Popcaan' — Davido

O nigeriano Davido e o jamaicano Popcaan se reuniram para gravar a contagiante "Risky", faixa do segundo álbum de estúdio de Davido, "A Good Time" - repleto de estrelas como Chris Brown, Summer Walker, Wurld e o pioneiro do zanku Zlatan. O hit grudou rapidamente nas pistas de dança em todo o mundo, das boates de Lagos e esquinas de Nairobi às ruas Kingston e bares do Harlem.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest