7 instrumentos de uma orquestra que talvez você não conheça
Entretenimento

7 instrumentos de uma orquestra que talvez você não conheça

0

Publicidade

Os instrumentos de uma orquestra são divididos em quatro naipes: cordas, madeiras, metais e percussão. Dentro deles, os instrumentos se dividem de acordo com suas especificidades. Nas cordas, estão os que são tocados utilizando um arco para extrair sons. Nas madeiras e nos metais estão os instrumentos de sopro, separados pelo material que os compõem. Por fim, a “cozinha da orquestra”, a percussão. 

VIOLA

Quem é leigo no quesito música clássica pode achar estranho, mas viola não é apenas um nome carinhoso para "violão". Ela é um instrumento do naipe das cordas, da família do violino. Os dois instrumentos se parecem, mas a viola é um pouco maior e tem cordas mais grossas. Seu som é um pouco mais grave, situando-se sonoramente entre o violino e o violoncelo. 

CLARONE

É provável que você já tenha ouvido falar em clarinete (isso, o instrumento do Lula Molusco). O clarone é uma espécie de "irmão" do clarinete: ambos são instrumentos de sopro da mesma família, mas têm formatos diferentes, sendo o clarone visivelmente maior (ele chega a encostar no chão) e atingindo notas muito mais graves. 

OBOÉ 

O oboé costuma ser chamado de “líder dos sopros” e é o responsável pela afinação de uma orquestra, dando ao spalla (nome dado ao primeiro violino de uma orquestra, que senta ao lado esquerdo do maestro) a nota para afinar o resto dos músicos. Ele exige uma técnica muito bem apurada e firme para produzir sons em sua palheta dupla. O nome do instrumento vem do francês haut bois, que quer dizer “madeira alta”. 

FAGOTE

O fagote é, entre as madeiras, um dos instrumentos mais graves. Ele é dividido em quatro partes: dois tubos - um baixo e um tenor -, uma campana e o tudel. Seu som lembra o de um oboé e é produzido através da vibração da palheta dupla localizada no tudel. Na época barroca, Vivaldi foi um compositor que se dedicou a escrever diversas partes para para fagote. Curiosidade: são os próprios músicos que produzem as palhetas, assim como as do oboé. 

TROMPAS

Uma mão vai nas válvulas e a outra, na campana. Assim se toca a trompa, instrumento de metal que tem sua origem na utilização de chifres e presas de animais para emitir sons. É ela que faz a ponte entre os instrumentos da família das madeiras e os semelhantes do metal. A colocação de uma das mãos no cone do instrumento (chamado de campana), ajuda o objeto a atingir uma variedade enorme de timbres. 

TÍMPANO

Os tímpanos foram o primeiro instrumento de percussão a entrar na orquestra sinfônica. Os instrumentos podem ser tocados com baquetas e fazem notas com extrema precisão graças ao bojo - a “panela” do instrumento, ou melhor, sua caixa de ressonância - e aos pedais. Sua origem está em um tambor de origem asiática chamado nakara, e ele é considerado uma espécie de segundo regente já que, depois do maestro, é quem dita o ritmo da orquestra. 

CORNE-INGLÊS

Apesar do nome diferente, o corne-inglês é uma espécie de oboé grave. A relação dele com o “oboé comum” é semelhante à do clarinete com o clarone. Entre as diferenças dos dois objetos, estão a campana - a do corne é fechada e abaulada, diferente da do oboé, que é aberta - e há no corne-inglês a presença de um tudel, uma espécie de tubo de metal onde se coloca a palheta. Além disso, o corne-inglês é maior.

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais