A designer que inventa @bandasquenaoexistem
Criatividade

A designer que inventa @bandasquenaoexistem

0

Publicidade

 “Quem se depara com os shows do Taiwan Que Dança, ironicamente, não consegue se mover. O pop-trágico (forma que eles definem seu som) te pega pelos pés e te mantém inerte enquanto as luzes neon piscam no ritmo dos sintetizadores”. Essa descrição pode até parecer de uma banda real, mas na verdade é uma das criações da designer paulistana Anna Brandão para seu projeto @bandasquenaoexistem: uma conta no Instagram cheia de capas e perfis imaginários de artistas inventados. 

Além de apaixonada por música, Anna, de 22 anos, é designer, tatuadora e ilustradora. “Sempre tive essa necessidade de mostrar as coisas, de me expor, de expor o que eu estava sentindo”, ela conta, em entrevista ao Reverb. Foi então que, em 2013, ela e alguns amigos criaram a página de ilustrações e textos “Desenhos óbvios por pessoas clichês”, que alcançou mais de 166 mil likes no Facebook e foi o empurrão para a jovem artista começar a compartilhar as próprias criações. 

Instagram URL not provided

LEIA MAIS: Conheça banda que faz shows embaixo d’água com instrumentos especiais 

E TAMBÉM: 'Tinder musical': Apps para encontrar integrantes para sua banda ou companhia para um show

A ideia para o “Bandas que não existem” surgiu fevereiro de 2018, quando Anna percebeu que ficou conhecida por suas pinturas digitais e tatuagens, mas que não era associada a outros tipos de trabalhos gráficos, como, por exemplo, criação e concepção de capas de álbuns musicais. “É um trabalho que eu acho massa: criar a identidade visual banda inteira”, ela explica. E foi aí que bateu: “É isso, eu quero trabalhar com bandas”. 

Instagram URL not provided

Com o projeto, Anna estuda e treina diversos tipos de linguagem, graças à liberdade criativa de ser a própria “cliente”. “As inspirações geralmente vêm das coisas que eu ouço, mas eu estou tentando ir na contramão disso, porque eu não gostaria de entrar numa bolha de fazer capa só de banda no estilo que eu curto”, diz ela, fã de lofi hip hop, shoegaze e surf rock.

Por isso, Anna quer fazer de tudo: de capa de CD de dupla sertaneja à identidade visual de grupos de heavy metal. “Quero muito experimentar esses lados”, ela diz. De trabalhos para bandas nacionais (de verdade), Anna fez as capas dos álbuns “Dive”, dos mineiros da Miêta, “Marambaia”, das paulistas da Marujos, "Gatos Voadores e uma Corrida de Capivaras", das cariocas da Unicórnio Maravilha e “Debute”, dos também cariocas da Ventilador de Teto.

Instagram URL not provided

Ah, e se você gosta de historinhas de músicos, vai amar as descrições das tais bandas, como Cenoura em Lata e Läpro, e dos discos que não existem, como “Canetas Bic e Outras Decepções”, “Pop Clichê Que Se Acha Conceitual” e “VSF”. São t-o-d-a-s criadas por Anna para acompanhar suas artes imaginárias. Uma artista é uma artista, não é mesmo?

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais