Kang Daniel, astro do k-pop, suspende performances por causa da depressão e de ataques de pânico
Entretenimento

Kang Daniel, astro do k-pop, suspende performances por causa da depressão e de ataques de pânico

A estrela de k-pop Kang Daniel interrompeu todos os shows devido ao agravamento de seu quadro de depressão e ataques de pânico. A agência do artista anunciou, nesta quinta-feira (5/12), o cancelamento imediato da agenda do cantor e compositor sul-coreano, afetando os planos de gravar, por exemplo, para o programa "Show!Champion" da MBC. Os eventos de promoção da nova música "Touchin'" também foram suspensos. "Descanso e estabilidade são a maior prioridade para a saúde e segurança do artista", declarou a agência, em um comunicado.

Kang é ex-membro do grupo Wanna One, que ganhou fama em 2017 ao ser um dos ganhadores do reality show "Produce 101". Em janeiro de 2019, ele estabeleceu um recorde mundial no Guinness pela rapidez com que ganhou um milhão de seguidores no Instagram. O recorde anterior, de 12 horas, era do Papa Francisco, que Kang venceu por 24 minutos.

O cantor sul-coreano sofre com a depressão e ataques de pânico. Crédito: Getty Images
O cantor sul-coreano sofre com a depressão e ataques de pânico. Crédito: Getty Images

O ano de 2019 não tem sido fácil para Kang, que se envolveu em uma disputa legal com sua antiga agência, a LM Entertainment, quando saiu do grupo que o lançou para iniciar sua carreira solo. A disputa por contratos exclusivos terminou com uma decisão a favor de Kang.

A Konnect Entertainment, sua agência atual, disse que os problemas com a saúde mental do jovem astro começaram no início do ano, com sintomas de fraqueza no sistema imunológico e ansiedade. Na época, ele foi diagnosticado com depressão e transtorno do pânico. A saúde frágil de Kang é outro golpe para a indústria do k-pop, que foi abalada no ano passado por escândalos de drogas e sexo, além de suspeitas de suicídio de artistas.

Embora Kang esteja sendo acompanhado e medicado desde o diagnóstico, sua agência disse que nos últimos meses ele começou a apresentar "sintomas mais graves de ansiedade". "Lamentamos profundamente aos fãs, emissoras, meios de comunicação e todo o pessoal por preocupá-los com essas notícias repentinas", diz o comunicado. O texto tem um pedido para que o público se abstenha de "fazer especulações e causar mal-entendidos" sobre a saúde e os planos futuros do jovem.

Em seu site, no início desta semana, Kang publicou uma mensagem que dizia: "Desde que eu fazia parte de um grupo, passo por situações injustas e todo tipo de boato... Estou realmente muito cansado. O fato de eu ser eu é muito difícil."

2019: um ano de tragédias e escândalos para a indústria de k-pop da Coreia do Sul

Março
Lee Seung-hyun
— ou Seungri, seu nome artístico — da banda Big Bang foi acusado de fornecer prostitutas a investidores estrangeiros em seu clube privado.

Junho
Yang Hyun-suk
, fundador da YG Entertainment, que administrava Seungri e outros artistas, deixou suas funções de produtor-chefe por causa da sequência de escândalos envolvendo drogas e sexo.

Outubro
Choi Jin-ri
, ex-integrante do grupo feminino f (x), conhecida pelo nome artístico de Sulli, morreu em um aparente suicídio. Ela denunciou o cyberbullying que sofria, depois de ser criticada quando falou publicamente que não usava sutiã. A indústria do k-pop é muito conservadora.

A cantora Sulli sofreu cyberbulling e, aparentemente, se suicidou. Crédito: Getty Images
A cantora Sulli sofreu cyberbulling e, aparentemente, se suicidou. Crédito: Getty Images

Novembro
A cantora Koo Hara foi encontrada morta em sua casa e a polícia achou um bilhete no qual ela aparentava estar desesperada. Ela foi submetida a ataques violentos online sobre seus relacionamentos afetivos.

O músico Jung Joon-young foi condenado a seis anos de prisão por estuprar uma mulher e distribuir um vídeo mostrando o ato. Choi Jong-hoon, 30, ex-membro da FT Island, foi condenado a cinco anos de prisão pelo estupro da mulher. Os dois eram membros de grupos que compartilhavam vídeos sexuais secretos e faziam piadas sobre drogar e estuprar mulheres, disse o tribunal.

Dezembro
Lee Jae-ho
, um ator sul-coreano de 27 anos que se chamava Cha In-ha, foi encontrado morto em sua casa. A causa não foi divulgada. O cantor e ator deixou um post no Instagram um dia antes de ser encontrado morto, dizendo aos fãs para se cuidarem no inverno.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest