A playlist da vida de Laura Jane Grace, do Against Me!
Especial

A playlist da vida de Laura Jane Grace, do Against Me!

0Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do Pinterest

Publicidade

Tom Gabel tinha cinco anos quando teve "um encontro com Madonna" que mudou sua vida. Enquanto assistia televisão com os pais, observava a rainha do pop, ainda no começo da carreira, se movimentar diante de seus olhos. O ano era 1985 e, naquele momento, Tom percebeu que queria ser como a mulher que via na TV. Líder da banda de punk rock Against Me!, em 2012 Tom passou a ser conhecido como Laura Jane Grace ao anunciar que passaria pela transição de gênero. Seis anos depois, vem ao Brasil com o grupo pela primeira vez para fazer três shows neste fim de semana — Curitiba (19), São Paulo (20) e Natal (21) — e lançar "Tranny - Confissões da Anarquista mais vendida e infame do punk rock" (Powerline Books), biografia que escreveu com o jornalista Dan Ozzi. 

LEIA MAIS: Sebastião Biano, da Banda de Pífanos de Caruaru, passou fome até viver da música

ESPECIAL: A vida dupla de Eliza Schinner, que já tocou músico dos Rolling Stones

"Ao assistir Madonna majestosa, dançando no ritmo, fiquei completamente hipnotizada", escreve no livro. "'Ela sou eu', pensei com total certeza. Eu queria fazer aquilo. Eu queria ser daquele jeito", conta, em "Tranny". "O livro é uma versão condensada da minha vida. Ele tem 80 mil palavras, mas quando comecei a transcrever meus diários (escritos ao longo de toda a vida), eu tinha por volta de um milhão e meio de palavras", contou Laura em entrevista ao Reverb, por telefone. 

Laura desde cedo mostrou que tinha um ouvido eclético. Nasceu em uma casa não muito cheia de música. Se inspirava em Madge, enquanto o pai gostava de country e a mãe ouvia Diana Ross. Por ser filho de militar, aprendeu a conviver com culturas diferentes o tempo todo — o que talvez a tenha ajudado a construir um gosto musical tão variado. 

Mais tarde, encontraria no Guns 'N' Roses de Axl Rose o modelo estético que procurava. O visual o deixou empolgado já que Axl parecia andrógino. Com a separação dos pais, depois de viver anos na Itália, foi morar com mãe e o irmão na casa da avó, Grace, na Flórida. Foi quando o punk entrou em sua vida.

Uma amiga, dona de uma loja de discos, a apresentou "Dookie", álbum de uma banda — à época — iniciante chamada Green Day. A descoberta fez Laura encontrar alívio para todo desequilíbrio emocional em que se encontrava (e que tentava conter com drogas e sexo).  

Instagram URL not provided

"Eu cresci com sentimentos e emoções que eu achava que deveria guardar para mim por medo de ser julgado. Ter a música como válvula de escape salvou minha vida. Se eu não tivesse isso eu acho que poderia ter acabado na cadeia", reflete a vocalista do Against Me!

O visual do punk a conquistou da mesma forma que Madonna: pela televisão. Ao assistir a um programa da MTV apresentado por Tim Armstrong e Lars Frederiksen, do Rancid, ficou admirado pelos moicanos, tatuagens e jaquetas de couro. Dali retirou algumas de suas maiores influências musicais: Clash X, NOFX e Ramones entre elas. Mas nem tudo é rock na vida dela. 

"Outro dia, enquanto estava levando minha filha para a escola, coloquei algumas músicas para ela ouvir. Eram faixas de quando eu tinha oito anos: MC Hammer, Paula Abdul e New Kids On The Block. Além, é claro, de Vanilla Ice", diverte-se a cantora, hoje com 37 anos. 

A filha, aliás, é ponto sensível na vida de Laura. Evelyn tem oito anos e é fruto do casamento dela com Heather Hannoura, designer de quem se separou em 2013. A menina parece ter herdado da mãe roqueira o gosto variado pela música. 

"Ela gosta de Nine Inch Nails, The Cure e ama muito The White Stripes e Taylor Swift. Ela é muito eclética. Eu gosto de ouvir música o tempo todo e de ouvir coisas diferentes. Espero que eu consiga passar isso para ela”. 

Laura encontrou na música um caminho para canalizar toda repressão infringida ao próprio corpo ao longo de tantos anos. A composição e as performances a ajudaram a se reerguer de um quadro de desespero. “Compor músicas e fazer apresentações ao vivo realmente te dão uma forma de se comunicar quando as palavras lhe faltam. Quando você sente que não há algo que você não consegue relacionar com outras pessoas ou algo que você não consegue falar sobre, é uma forma de te fazer colocar aquilo para fora. Não é saudável deixar coisas guardadas dentro de você”.

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS DO LIVRO

Rio de Janeiro 

Data: 22/10 

Horário: 19h às 22h

Endereço: Blooks Botafogo - Praia de Botafogo, 316 - Botafogo

São Paulo

Data: 25/10

Horário: 19h às 21h

Endereço: CCSP - Rua Vergueiro, 1000 - Paraíso

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest