Aprender música melhora atenção e diminui ansiedade em crianças, diz estudo
Tecnologia

Aprender música melhora atenção e diminui ansiedade em crianças, diz estudo

Publicidade

Desenvolver habilidades musicais pode ajudar na manutenção da concentração de crianças, bem como no controle de suas emoções e na diminuição de ansiedade. É o que diz um estudo feito por psiquiatras da University of Vermont College of Medicine. De acordo com os pesquisadores, esse é o maior trabalho que mostra a ligação entre o aprendizado de um instrumento musical e o desenvolvimento do cérebro. Ele foi publicado no "Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry". 

LEIA MAIS: Projeto escolar leva equipamentos de primeira geração para estudantes criarem músicas

ENTRE O LUTO E A ESPERANÇA: Música une duas famílias desconhecidas em hospital

Utilizando uma base de dados de um instituto de ressonância magnética, a equipe analisou os estímulos cerebrais de 232 crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos. A pesquisa mostrou que, na medida em que a criança cresce, o córtex (a camada externa do cérebro) muda de espessura. O objetivo era analisar se uma atividade positiva, como o aprendizado musical, poderia interferir nesses indicadores. 

Os resultados da pesquisa indicam que tocar música altera as áreas motoras do cérebro. Isso porque a atividade requer controle e coordenação de movimentos. A prática dela também acarretou em mudanças nas áreas reguladoras do comportamento da mente.

De acordo com o estudo, a prática musical influenciou a espessura na parte do córtex que se relaciona com o "funcionamento executivo, incluindo a memória ativa, o controle de atenção, bem como organização e planejamento para o futuro", escrevem os autores. A formação musical de uma criança também parece se correlacionar com o espessamento do córtex em "áreas do cérebro que exercem um papel importante no controle inibitório e também em aspectos do processamento de emoções".

O estudo se baseia em um modelo de estudo criado por James Hudziak, pesquisador principal do projeto, que entende que o ambiente social dos jovens — sua relação com a família, professores, amigos, animais e atividades extracurriculares — interfere diretamente em questões de saúde mental.  

Com informações do "PsychCentral".

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest