Aprender música melhora atenção e diminui ansiedade em crianças, diz estudo
Tecnologia

Aprender música melhora atenção e diminui ansiedade em crianças, diz estudo

0Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do Pinterest

Publicidade

Desenvolver habilidades musicais pode ajudar na manutenção da concentração de crianças, bem como no controle de suas emoções e na diminuição de ansiedade. É o que diz um estudo feito por psiquiatras da University of Vermont College of Medicine. De acordo com os pesquisadores, esse é o maior trabalho que mostra a ligação entre o aprendizado de um instrumento musical e o desenvolvimento do cérebro. Ele foi publicado no "Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry". 

LEIA MAIS: Projeto escolar leva equipamentos de primeira geração para estudantes criarem músicas

ENTRE O LUTO E A ESPERANÇA: Música une duas famílias desconhecidas em hospital

Utilizando uma base de dados de um instituto de ressonância magnética, a equipe analisou os estímulos cerebrais de 232 crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos. A pesquisa mostrou que, na medida em que a criança cresce, o córtex (a camada externa do cérebro) muda de espessura. O objetivo era analisar se uma atividade positiva, como o aprendizado musical, poderia interferir nesses indicadores. 

Os resultados da pesquisa indicam que tocar música altera as áreas motoras do cérebro. Isso porque a atividade requer controle e coordenação de movimentos. A prática dela também acarretou em mudanças nas áreas reguladoras do comportamento da mente.

De acordo com o estudo, a prática musical influenciou a espessura na parte do córtex que se relaciona com o "funcionamento executivo, incluindo a memória ativa, o controle de atenção, bem como organização e planejamento para o futuro", escrevem os autores. A formação musical de uma criança também parece se correlacionar com o espessamento do córtex em "áreas do cérebro que exercem um papel importante no controle inibitório e também em aspectos do processamento de emoções".

O estudo se baseia em um modelo de estudo criado por James Hudziak, pesquisador principal do projeto, que entende que o ambiente social dos jovens — sua relação com a família, professores, amigos, animais e atividades extracurriculares — interfere diretamente em questões de saúde mental.  

Com informações do "PsychCentral".

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest