Argentina inspira nova canção de mestres do reggae Sly & Robbie e Ken Boothe
Entretenimento

Argentina inspira nova canção de mestres do reggae Sly & Robbie e Ken Boothe

O percussionista argentino Hernan "Don Camel" Sforzini, que trabalha com reggae há 25 anos, visitou a Jamaica pela primeira vez em 2017. Morando em Buenos Aires, Hernan voltou do berço do reggae com numerosos livros sobre o gênero. Foi a partir dessas páginas que ele aprendeu que, no final da década de 1970, a banda Roots Radics e a dupla Sly e Robbie's Taxi Gang eram os artistas mais solicitados nos estúdios de gravação de Kingston e também para tocar em bandas de apoio ao vivo.

O baterista Sly Dunbar e o baixista Robbie Shakespeare começaram sua parceria em 1974. Eles tocaram e produziram inúmeros álbuns para diversos artistas, incluindo Bob Dylan, Grace Jones, Joe Cocker, No Doubt e Sinead O'Connor. Como banda de apoio do falecido ícone do reggae Peter Tosh, eles fizeram uma turnê pelos EUA com os Rolling Stones. No início dos anos 80, eles criaram um poderoso som de reggae com tonalidade rock, como a seção rítmica e produtores do trio Black Uhuru, vencedores da categoria inaugural de melhor álbum de reggae no Grammy em 1985 por "Anthem".

Sly Dunbar & Robbie Shakespeare. Foto: Getty Images
Sly Dunbar & Robbie Shakespeare. Foto: Getty Images

Já o Roots Radics foi formado em 1978 pelo baterista Lincoln "Style" Scott, o guitarrista Eric "Bingy Bunny" Lamont e o único membro fundador sobrevivente, o baixista Errol "Flabba" Holt. O seu som e sua propulsão mudaram o reggae para o estilo de dancehall que dominaria as gravações jamaicanas nos anos seguintes. O Roots Radics foi responsável por inúmeros sucessos de artistas, além de álbuns influentes, como "Bounty Hunter", estreia de Barrington Levy, "Rock 'N' Groove", clássico de Bunny Wailer, e "Night Nurse", a obra-prima de 1982 de Gregory Isaacs.

Errol Flabba Holt, único integrante vivo do Roots Radics. Foto: Getty Images
Errol Flabba Holt, único integrante vivo do Roots Radics. Foto: Getty Images

Ao ler sobre a competição saudável entre esses músicos inovadores, Hernan teve a ideia de produzir um álbum que os reunisse para um "confronto" amigável. "Enviei a Sly e Robbie uma proposta de álbum e a resposta foi 'essa é uma excelente ideia'", disse Hernan à "Billboard". "Enviei uma mensagem para Flabba e ele disse: 'Suponho que este álbum possa acontecer porque faz parte da história da música, mas nunca pensei que você faria isso.' Então ele perguntou: 'quando você vem para a Jamaica para nos gravar?'", completou.

Gravado no Afro Recording Studios de Hernan em Buenos Aires e em vários estúdios de Kingston, incluindo o famoso Tuff Gong da família Marley, "Sly and Robbie vs. Roots Radics: The Final Battle" foi indicado a melhor álbum de reggae no Grammy 2020. O álbum tem 12 faixas requintadamente criadas - seis de Sly e Robbie and Taxi Gang e seis de Roots Radics. Cada banda é auxiliada por uma formação estelar de vocalistas. Os Roots Radics tiveram Toots Hibbert, Freddie McGregor, Max Romeo, o grupo vocal The Congos, Pablo Moses e Brinsley Forde.

Com Sly e Robbie estiveram Horace Andy, o trio The Mighty Diamonds, Luciano, Lee "Scratch" Perry e Mykal Rose, ex-lider do Black Uhuru, que canta na faixa de abertura "This Morning".

"Nunca houve um álbum como 'The Final Battle', por isso é uma boa promoção para a música. Ter uma indicação para o Grammy em 2020 significa que as pessoas ainda estão nos ouvindo e isso é uma sensação agradável", disse Sly Dunbar à "Billboard" no final de janeiro em seu Kingston Studio.

Logo depois da gravação de Sly e Robbie, foi a vez de Scratch, que estava em turnê na América do Sul; que concordou prontamente em "abençoar" o projeto. O veterano Ken Boothe foi à Argentina no mês seguinte e estava igualmente entusiasmado. "Ken me disse: 'Esperei 50 anos para vir aqui, então quero escrever uma música sobre este país, como se ele fosse uma mulher por quem me apaixonei.' Essa é a faixa dele, 'Argentina'", disse Hernan.

Filmado em locais famosos de Buenos Aires, o vídeo "Argentina" justapõe cenas vibrantes de rua com trechos de Sly, Robbie, Ken e Hernan (na percussão) ao lado do resto da Taxi Gang — o pianista Siahvash Dowlatshawi, o guitarrista Marcus Uranis, o tecladista Franklyn "Bubbler" Waul e Kim Pommel — gravando no Afro Studios.

"The Final Battle" é o lançamento inaugural do Controlled Substance Sound Labs (CSSL), fundado pelos irmãos Jon e Matt Phillips, do Silverback Management. Os Phillips são uma força significativa na ascensão do reggae americano, como ex-gerentes da lendária banda SoCal Sublime, entre outros artistas seminais nessa cena. Uma versão deluxe do álbum foi lançado no final de janeiro e inclui duas faixas bônus "Argentina Dub" e "Dub Must Get Better" do The Congos, como uma prévia da "The Dub Battle" prevista para agosto de 2020, com vídeos de todas as músicas, vinil e CDs.

Enfatizando o significado histórico do álbum, Hernan diz que produzir "The Final Battle" foi o cumprimento de uma missão. "Aqui você tem duas das bandas mais fortes do reggae e cantores lendários da época de ouro do gênero, como soldados voltando da guerra. Demorou mais de um ano para terminar, e todos os envolvidos estão muito felizes com o resultado final", disse.

Tags relacionadas:
EntretenimentoReggaeÁlbum

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest