Charlie Watts, dos Rolling Stones, adota cadela e coleciona boas ações
Entretenimento

Charlie Watts, dos Rolling Stones, adota cadela e coleciona boas ações

Bem perto de completar 79 anos na próxima terça-feira (2/06), Charlie Watts, baterista dos Rolling Stones, e a mulher, Shirley, adotaram a cadela Suzie como nova integrante da família. Resgatada pela organização de caridade britânica Forever Hounds Trust, voltada para a assistência de cachorros das raças english greyhound (galgo inglês, em tradução livre) e lurcher — comumente utilizados como cães de corridas na Inglaterra —, Suzie tem cinco anos e foi escolhida de acordo com os hábitos de vida do casal Watts.

Membro mais velho da banda liderada por Mick Jagger, Charlie costuma realizar boas ações com frequência. Paciente recuperado de um câncer na garganta diagnosticado em 2004, o músico inglês doou uma bateria autografada para a fundação Oracle Cancer Trust, em 2018. O instrumento foi leiloado e o lucro foi destinado à instituição, que é líder em pesquisas no Reino Unido sobre câncer na região da cabeça e pescoço.

Charlie Watts ao lado da mulher, Shirley, e junto de Suzie, a cadela galga inglesa resgatada e adotada pelo casal / Foto: John Bett / Reprodução
Charlie Watts ao lado da mulher, Shirley, e junto de Suzie, a cadela galga inglesa resgatada e adotada pelo casal / Foto: John Bett / Reprodução

Já em 2019, Charlie autografou e doou o par de sapatos que usou na edição de 2013 do festival de Glastonbury para o projeto britânico Small Steps. Organizada para leiloar calçados de grandes artistas, a iniciativa anual ajuda a levar atendimento médico, roupas e alimentos para crianças e comunidades próximas a lixões municipais em todo o mundo.

A adoção da cadela Suzie foi a mais recente boa ação da família Watts, que já é uma antiga aliada da Forever Hounds Trust. "É um período realmente difícil para todos, e isso inclui organizações de caridade voltadas para animais", diz a presidente da instituição Jan Lake, em entrevista ao jornal inglês "Oxford Mail", ao se referir à pandemia de coronavírus. "Nós continuamos capazes de encontrar novos lares para os cães resgatados, mas só podemos fazer isso sob algumas circunstâncias. Por sorte, Shirley e Charlie são bem próximos da nossa entidade e conseguimos encontrar a cadela ideal para a família".

Cães da raça greyhound são vítimas frequentes de maus-tratos pela indústria de corridas / Foto: Unsplash
Cães da raça greyhound são vítimas frequentes de maus-tratos pela indústria de corridas / Foto: Unsplash

Há 20 anos dedicada ao resgaste de cachorros das raças greyhound e lurcher na Inglaterra e no País de Gales, a Forever Hounds Trust cuida de animais vítimas de maus-tratos pela indústria de corridas de cães. Segundo a instituição, greyhounds resgatados, como Suzie, geralmente precisam de tratamento dentário, cirurgias de quadril e, às vezes, de amputação. "É muito importante que continuemos trabalhando para resgatar cães durante este período, pois não há diminuição no número de animais que precisam da nossa ajuda", explica Jan. "Assim que encontramos um lar para um, há outro precisando do espaço em nossos canis e lares adotivos".

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest