Cinco grandes livros sobre rock dos quais você — provavelmente — não ouviu falar
Heineken Rock

Cinco grandes livros sobre rock dos quais você — provavelmente — não ouviu falar

Se você é de filmes ou documentários sobre música, é bem provável que também seja um apaixonado pela literatura do gênero. Os livros, diferente das produções cinematográficas, se aprofundam nas histórias, com mais detalhes e espaço para o leitor imaginar.

Além disso, por ter um custo de produção mais barato do que os filmes, que podem chegar a custar milhões, os livros são feitos em maior escala, em formatos distintos, e pelos mais diferentes autores, interessados em assuntos como o rock, que se dissemina entre suas diferentes vertentes e subgêneros.

Pensando nisso, reunimos em uma lista grandes obras sobre rock das quais você provavelmente não ouviu falar. Mas, antes de se empolgar, um aviso importante: todos os livros são em inglês e, até o momento, não têm tradução para o português. Portanto, é interessante ao menos saber o básico the book is on the table. Veja:

'1971: Never A Dull Moment', de David Hepworth

Neste livro, o autor David Hepworth explica sua tese de que o ano de 1971 foi o melhor para a história do rock. Ele baseia sua hipótese ao pontuar os lançamentos de Led Zeppelin (o disco "Led Zeppelin IV"), David Bowie (o álbum "Hunky Dory"), Rolling Stones ("Sticky Fingers") e Pink Floyd ("Meddle"). A obra ainda traz um apêndice com os 100 melhores discos lançados naquele ano.

Divulgação
Divulgação

'Waiting For The Sun', de Barney Hoskyns

A obra do grande jornalista e crítico inglês Barney Hoskyns, 60 anos, parece um romance muito bem escrito mas, na verdade, é uma visão multigeracional da cena musical de Los Angeles, especialmente se tratando de rock. Fala sobre os personagens lendários de uma época, como Jim Morrison (1943-1971), do Doors, Frank Zappa (1940-1993) e Gram Parsons (1946-1973).

Divulgação
Divulgação

'Psychotic Reactions And Carburetor Dung', de Lester Bangs

Leslie Bangs (1948-1982) foi um grande jornalista e crítico musical influente na cena de rock, conhecido por escrever para as revistas "Creem" e "Rolling Stone". Ele é o autor de "Psychotic Reactions And Carburetor Dung", um compilado de ensaios feitos durante sua carreira, que terminou aos 33 anos após uma overdose.

Leslie é tão importante para o jornalismo musical que foi retratado no filme "Quase Famosos", de 2000. O premiado ator Philip Seymour Hoffman (1967-2014) é o responsável por interpretá-lo.

Divulgação
Divulgação

'Revolution In The Head', de Ian MacDonald

Ian MacDonald é um ex-jornalista da "NME" que decidiu falar sobre os Beatles. Sim, um assunto que já foi extremamente discutido e desgastado ao longo dos anos. Só que, em seu livro "Revolution In The Head", o autor tem uma abordagem diferente. Em vez de fazer uma biografia ou algo do tipo, Ian analisa T-O-D-A-S as faixas gravadas pelo Fab Four, sempre com contextualização ampla e brilhante, para além dos detalhes de nerd/especialista.

Divulgação
Divulgação

'Everyone Loves Our Town: A History Of Grunge', de Mark Yarm

A obra de Mark Yarm é considerada a história definitiva do grunge. O livro foi publicado 20 anos após o lançamento de "Nevermind", do Nirvana, e fala sobre a cena musical de Seattle, cidade que sediou o movimento roqueiro dos anos 1990. Com a credibilidade de quem já estava lá muito antes de todos correrem para a região.

Divulgação
Divulgação

O que é rock pra você?
Para nós, rock não é um gênero musical, é atitude! Um comportamento, um jeito diferente de ver as coisas. Com um olhar rock da vida, o Reverb se uniu à Heineken para entregar o tipo de conteúdo que, só de ler, já conseguimos ouvir, cantar e dançar. Afinal, o rock não vem do palco, vem de você.


Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest