Cliff Richard, 79 anos, repete crítica de Madonna sobre o ageísmo no show biz: 'Estamos morrendo, os velhos fãs podem não estar mais entre nós'
Inspiração

Cliff Richard, 79 anos, repete crítica de Madonna sobre o ageísmo no show biz: 'Estamos morrendo, os velhos fãs podem não estar mais entre nós'

Cliff Richard, insatisfeito com rádios e serviços de streaming, levantou uma questão importante sobre ageísmo na indústria da música, ecoando uma crítica feita à BBC One por Madonna em 2015. Em entrevista ao podcast “Greatest Music of All Time”, a lenda do pop britânico, que completa 80 anos este ano, lamentou o fato das plataformas darem preferência para tocar músicas de artistas mais jovens, como Dua Lipa, por exemplo. “Por que as pessoas vão baixar uma música minha se elas não sabem que eu lancei música nova?”, questionou.

Sir Cliff ainda argumentou que seus antigos fãs "podem não estar mais entre nós". Isso porque a carreira do cantor começou em 1958, com o lançamento de seu primeiro single, “Move It”, em agosto daquele ano. O último álbum de Cliff, “Rise Up”, chegou ao quarto lugar nas paradas do Reino Unido em dezembro de 2018, mas teve pouco ou nenhum espaço nas rádios. E ele veio após 14 anos sem lançar discos com inéditas e um período de dois anos em luta contra a depressão.

Cliff Richard posa sentado em um poltrona em foto de 2018 / Foto: Getty Images
Cliff Richard posa sentado em um poltrona em foto de 2018 / Foto: Getty Images

“Aqueles de nós que provaram seu valor repetidas vezes deveriam ter prioridade (no rádio), mesmo que seja para dizer: ‘Vamos tocar essa música uma vez por dia durante duas semanas’”, argumentou Cliff, que, no Reino Unido, só perde para os Beatles e Elvis Presley em vendagens de singles. "Sem o rádio, não há nada mais que a gente possa fazer a não ser sair em turnê, o que não só é cansativo; se torna menos eficiente com o passar do tempo, o público vai diminuindo. Estamos todos morrendo. Os velhos fãs podem não estar mais entre nós", lamenta.

Ao longo de sua carreira, que já soma 62 anos, Cliff teve 19 músicas no “Hot 100” da “Billboard” americana. “Devil Woman” foi a que chegou mais perto do topo, ficando em 6º lugar em 1976. Para comemorar seu aniversário de 80 anos, ele pretende sair em turnê pelo Reino Unido em setembro. Ele mantém vivas as esperanças de que a pandemia do coronavírus vá se resolver até lá. "Só queria desejar tudo de melhor durante esse período ruim. Juntos nós vamos superar isso", escreveu no Twitter.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest