'Crazy Ex-Girlfriend': As 13 melhores músicas da série
Entretenimento

'Crazy Ex-Girlfriend': As 13 melhores músicas da série

Depois de quatro temporadas, muitos números musicais e histórias que nos levaram da vergonha alheia à compaixão, “Crazy Ex-Girlfriend” chega ao fim nos Estados Unidos. Criada e estrelada por Rachel Bloom, a série exibida no Brasil pela Netflix, conta a história de Rebecca Bunch que, insatisfeita com sua vida, se muda para West Covina, uma cidadezinha na Califórnia, para mudar de ares - na verdade, para tentar reconquistar seu ex-namorado, mas ela está em negação.

Ao longo dos mais de 60 episódios, que chegam ao fim com um especial de duas horas seguido de um show com o elenco cantando canções da produção, pudemos acompanhar a jornada cômica da protagonista indo até pontos muito sombrios e drásticos. Temas como saúde mental, feminismo, relações abusivas e bissexualidade tiveram sua vez, quase sempre acompanhados de uma música.

Então, para se despedir dessa série musical tão inusitada, listamos, cronologicamente, as 13 melhores músicas de “Crazy Ex-Girlfriend”.

'West Covina'

Logo no primeiro episódio, uma canção dava o tom do compromisso com o absurdo que “Crazy Ex-Girlfriend” teria. Mostrando West Covina, cidade que é cenário principal da série, a mudança de Rebecca para lá, além de deixar bem claro para todos nós que ela, sim, ainda ama seu ex-namorado, mas ainda não admite isso nem para si mesma.

'Feeling Kinda Naughty'

Em um clima de “I Kissed a Girl”, de Katy Perry, Rebecca conta sobre sua repentina obsessão por Valencia, atual namorada de Josh. De um jeito muito fofo, ela conta sobre como quer trancá-la em um porão, roubar sua identidade e usar a pele dela como um vestido.

'Settle For Me'

Indicada ao Emmy de Melhor Canção Original, esta valsa mostra Greg tentando conquistar Rebecca usando um argumento inusitado: “Já que você gosta do Josh e ele não gosta de você, mas eu gosto, por que não se contentar comigo?”. O adorável ritmo e coreografia, acompanhado com um visual de filme antigo faz com que a baixa autoestima do personagem quase passe como fofa.

'Getting Bi'

Em determinado momento, Darryl descobre que é bissexual. Para celebrar sua descoberta, ele faz um número musical com ares de anos 1980 na sala de reuniões de sua empresa para sair do armário para todos os seus funcionários, com direito a um solo de saxofone.

'I’m the Villain'

Quando finalmente percebe que suas ações não são exatamente as mais éticas ou morais, Rebecca canta sua descoberta. Por mais que se veja como a protagonista, ela é a vilã de sua própria história. Durante o número, ela faz referência a vários arquétipos de vilões de filmes, séries e contos, inclusive aparecendo caracterizada como uma bruxa.

'It Was a Sh*t Show'

No início da segunda temporada, Santino Fontana deixa o elenco de “Crazy Ex-Girlfriend”, fazendo com que seu personagem Greg se mude de West Covina. Ao se despedir de uma Rebecca que implora para ele ficar, o ex-barman alcoólatra bota para fora todos os sentimentos. A relação dos dois, no fim das contas, não tinha sido apenas ruim, “foi uma m*rda”.

'Let’s Have Intercourse'

Com a saída de Greg, um novo personagem surge para disputar com Josh o título de par romântico de Rebecca. Scott Michael Foster interpreta Nathaniel. Num primeiro momento, ele e Rebecca se odeiam, depois, eles continuam se odiando, mas com desejos um pelo outro. Para expressar esse novo e confuso sentimento, ele canta sobre isso enquanto os dois dançam no melhor estilo “Thinking Out Loud” de Ed Sheeran.

'Let’s Generalize About Men'

Sabe aquele momento em que um grupo de amigas se junta e só quer falar mal de todos os homens do mundo? Isso aconteceu em “Crazy Ex-Girlfriend”. A canção literalmente se chama “Vamos generalizar sobre homens”. Com influências do fim dos anos 1980, as quatro principais mulheres do elenco cantam essa canção divertidíssima.

'Fit Hot Guys Have Problems Too'

Depois de serem largados por Rebecca e Darryl, os bonitões Nathaniel e White Josh vão a uma boate cantar sobre suas dores. Em um ritmo eletrônico e perdendo todas as suas peças de roupa (porque é muito difícil processar emoções quando se está vestido), eles mandam a mensagem para o mundo: Caras muito sarados também tem problemas e sofrem. Força, guerreiros!

'This Session is Going to be Different'

Se há uma personagem nessa série que sofre, é a terapeuta de Rebecca. Sempre com esperanças de ver sua paciente crescendo, ela faz uma referência a “Maybe This Time”, do musical "Cabaret", cantando sobre como ela espera que a próxima sessão com a advogada seja diferente e ela finalmente comece a encarar seus problemas.

'A Diagnosis'

Depois de uma tentativa de suicídio, Rebecca descobre que seu diagnóstico de depressão estava errado e, na verdade, ela teria um outro transtorno que precisaria de um novo tipo de tratamento. Isso enche a personagem de esperança, a ponto de fazê-la cantar sobre como esse novo diagnóstico faria tudo ficar bem finalmente.

'What’s Your Story'

No início da quarta e última temporada, “Crazy Ex-Girlfriend” finalmente faz uma homenagem a “Cell Block Tango”, do musical “Chicago”. Rebecca, na prisão, quer saber a história de suas novas colegas e acaba descobrindo que as detentas não têm contos tão interessantes quanto ela espera.

'Anti-Depressants Are So Not a Big Deal'

Quando finalmente começa a tratar sua saúde mental, Rebecca tem algumas questões sobre antidepressivos. Com ajuda de sua psicóloga e de vários habitantes de West Covina, ela entende que esses medicamentos não são algo de outro mundo e podem realmente ajudar quem precisa.

Canais de Marcas

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest