Djuena Tikuna: Cantora indígena usa música em prol da preservação e resistência de seu povo
Inspiração

Djuena Tikuna: Cantora indígena usa música em prol da preservação e resistência de seu povo

Publicidade

A cantora Djuena Tikuna é dona de um feito inédito. Ela foi a primeira indígena a protagonizar um espetáculo musical no Teatro Amazonas, em mais de 120 anos de existência do local, no lançamento do seu álbum “Tchautchiane”, em 2017. A cantora nasceu na Aldeia Umariaçu II, da etnia Tikuna — de onde vem seu sobrenome —, no município de Tabatinga (AM). A região faz fronteira com a Colômbia e o Peru, no Alto Solimões, onde o rio “banzeira as fronteiras”. Daí também a inspiração para o nome Djuena, “a onça que pula no rio”. 

MÚSICA INDÍGENA: Katú Mirim, rapper paulista, é sinônimo de resistência indígena na cidade

VEJA TAMBÉM: Museu Nacional abrigava elementos raros da música índigena brasileira

Ainda criança, Djuena se mudou para Manaus, capital do estado, onde cresceu, estudou e se formou em jornalismo, tornando-se também a primeira jornalista indígena formada no estado. Mas foi na aldeia que seu interesse pela música surgiu.

Parte fundamental da cultura de qualquer povo indígena, a música tem suas especificidades em cada nação. O povo Tikuna, em especial, canta “para fazer o mundo girar e para o sol, no alto do céu, não cair”. Djuena conta que para eles a música é formadora de caráter e que é através dela que são instruídos comportamentos a serem seguidos dentro da aldeia: “A cantoria é nossa identidade. E de certa forma une todos os povos indígenas em uma só canção”.

Djuena Tikuna foi a primeira jornalista indígena formada no Amazonas / Foto: Reprodução YouTube
Djuena Tikuna foi a primeira jornalista indígena formada no Amazonas / Foto: Reprodução YouTube
A cantoria é nossa identidade. E de certa forma une todos os povos indígenas em uma só canção

É na cultura indígena que Djuena encontra sua influência musical, seja ela parte do povo Tikuna ou não, a exemplo de Cintia Guajajara, cantora indígena da nação Guajajara, do Maranhão. Além dela, Djuena também cita a própria mãe como referência,  Totchimaüna Tikuna, cantora do tradicional grupo Wotchimaücü: “Na minha opinião ela desenvolveu, ao longo de sua carreira, uma contribuição muito grande para a música indígena, pois foi formadora de um público sensível a nossa arte”.

Djuena ainda destaca a importância do canto para questões que atingem diretamente a sobrevivência de povos indígenas. “Toda arte indígena é uma forma de resistência. Não tem outro sentido que não seja esse. Pois, há 519 anos, nós resistimos e vamos continuar resistindo. A música que fazemos por si só já traz essa mensagem, e precisa ser assim mesmo. Todas as conquistas que tivemos foi porque aprendemos a resistir. Assim tem sido ao longo de minha carreira”.

Djuena encontra identidade na cantoria indígena / Foto: Reprodução YouTube
Djuena encontra identidade na cantoria indígena / Foto: Reprodução YouTube

Ela lembra, inclusive, de sua apresentação no Teatro Amazonas como um exemplo de momento histórico nesse sentido: “o Teatro Amazonas, construído no apogeu da Borracha, período de maior destruição física e cultural do povo Tikuna, teve que receber, pela primeira vez, em mais de 120 anos de história, um show de uma artista indígena. Lotamos o Teatro com a participação de artistas indígenas representando várias regiões do Amazonas, com direito a fala de lideranças do movimento indígena, quebrando o protocolo da casa”.

O sucesso da ocasião abriu espaço para a realização do WIYAE — Primeira Mostra de Música Indígena do Amazonas, em 2018, que contou com a participação de mais de 20 grupos indígenas, novamente no teatro amazonense.

Além desse feito, a carreira musical já levou Djuena a festivais e shows dentro e fora do país, possibilitando que ela conhecesse outros “parentes”, como ela se refere. Ano passado, a cantora foi indicada ao Indigenous Music Awards, maior premiação mundial da Música Indígena, que acontece no Canadá. Lá, ela teve a oportunidade de conhecer os Cree e Anishinaabe, primeiros povos canadenses.

Agora, Djuena está em fase de produção do segundo trabalho e pretende lançá-lo ainda este ano. Enquanto concilia a agenda de shows e eventos, também pretende lançar este ano um Portal de Notícias Indígenas para divulgar o próprio trabalho e, principalmente, contribuir com a luta do movimento indígena e dar voz a outros artistas. “Eu espero que minha música continue fazendo parte da trilha sonora dos que lutam”. 

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest