Em 16 de abril de 1969, o MC5 é expulso da gravadora Elektra
Especial

Em 16 de abril de 1969, o MC5 é expulso da gravadora Elektra

Era uma banda com sangue nos olhos, pronta para abalar o sonho hippie dos anos 1960 com doses cavalares de ativismo político, mas ao agir sem pensar — ou pelo menos sem consultar as partes devidas — acabou pagando um preço alto e, no dia 16 de abril de 1969, o grupo norte-americano MC5 foi expulso da gravadora Elektra.

O MC5 era um quinteto ligado ao grupo ativista Panteras Brancas, liderado pelo ícone da contracultura americana, John Sinclair, que logo se tornou seu empresário. Formado pelo vocalista Rob Tyner, pelos guitarristas Wayne Kramer e Fred "Sonic" Smith, pelo baixista Michael Davis e pelo baterista Dennis Thompson, o grupo de Detroit foi um dos pioneiros do rock de garagem nos Estados Unidos, que reagia à chamada Invasão Britânica, em que bandas inglesas — lideradas pelos Beatles tomavam de assalto paradas de sucesso e lojas de discos nos Estados Unidos.

Como a maioria das bandas de garagem americanas do meio dos anos 1960, seu diferencial era o som sujo e distorcido, proveniente a princípio de amplificadores vagabundos e depois de shows em que o público, já enlouquecido pela gritaria da beatlemania, pegava fogo quando começava a ouvir as guitarras elétricas. O MC5 tinha este nome por ser de Detroit, cidade-sede da indústria automobilística dos EUA, por isso conhecida como "Motor City" — e como eram um quinteto, seu nome oficial era "Motor City 5". Ao nascer em uma cidade conhecida pelos fortes sindicatos trabalhistas, o grupo naturalmente se envolvia em causas políticas e foi um dos primeiros nomes do rock a se posicionar contra a guerra do Vietnã.

Mas o problema eram os palavrões. Os shows do MC5 abriam sempre com o vocalista Rob Tyner berrando o título de sua música mais conhecida: "Kick Out the Jams, Motherfuckers!" (traduzido como "quebrem tudo, seus filhos da puta!"). Na sociedade conservadora dos EUA dos anos 1960, a simples menção daquele palavrão em público causava constrangimento e confusão, que dirá mencioná-lo por escrito, como o grupo exigia que viesse na contracapa do álbum — afinal, era o título da música.

MC5: Fred 'Sonic' Smith, Dennis 'Machine Gun' Thompson, Rob Tyner, Wayne Kramer e Michael Davis, em 1967 / Foto: Getty Images
MC5: Fred 'Sonic' Smith, Dennis 'Machine Gun' Thompson, Rob Tyner, Wayne Kramer e Michael Davis, em 1967 / Foto: Getty Images

Mas a gravadora Elektra — que já havia assinado com outro promissor grupo barulhento de Detroit, os Stooges, liderados por um certo Iggy Pop — conseguiu convencer o grupo a tirar o palavrão do título, batizando a música apenas de "Kick Out the Jams".O problema é que o palavrão ainda estava no disco, e logo nos primeiros segundos da primeira faixa. Inescapável. O que fez a rede de lojas de discos Hudson, cuja sede ficava em Detroit, a tirar o disco de seu catálogo, pois sentia-se ofendida pelo termo.

O MC5 não deixou barato. Pagou um anúncio de página inteira no pequeno jornal "Fifth Estate" anunciando seu novo disco — e aproveitando para dar na cara da rede de lojas. "Quebrem tudo, filhos da puta! E chutem a porta da loja se eles não te venderem nosso álbum que saiu pela Elektra! Foda-se a Hudson!". No lugar do nome da gravadora, o grupo usou o próprio logo do selo. Só esqueceu de avisá-los que estariam fazendo aquele anúncio.

A Hudson nem pestanejou: tirou todos os discos da Elektra de suas lojas, o que incluía discos dos MC5 e dos Stooges e também dos Doors, Paul Butterfield Band, Love, Tim Buckley e Bread, entre outros. O desenrolar dos fatos aconteceu tão rápido que o presidente da Elektra, o visionário Jac Holzman, não pensou duas vezes e rescindiu o contrato com o MC5, que foi encontrar casa na Atlantic no ano seguinte, gravou dois álbuns que não fizeram sucesso e encerrou as atividades em 1973.

Quem nasceu

1924 - Henry Mancini, compositor, arranjador e maestro norte-americano (m. 1994)

1930 - Herbie Mann, flautista norte-americano (m. 2003)

1939 - Dusty Springfield, cantora inglesa (m. 1999)

1953 - Peter Garrett, vocalista e compositor do grupo australiano Midnight Oil

1959 - Stephen Singleton, saxofonista da banda inglesa ABC

1962 - Ian MacKaye, líder dos grupos norte-americanos Minor Threat e Fugazi

1962 - Jason Scheff, baixista, cantor e compositor do grupo norte-americano Chicago

1964 - Dave Pirner, cantor e compositor do grupo norte-americano Soul Asylum

1969 - Sean Cook, baixista da banda inglesa Spiritualized

1971 - Selena, nascida Selena Quintanilla-Pérez, cantora mexicana (m. 1995)

1973 - Akon, nascido Aliaune Thiam, cantor norte-americano

1993 - Chance the Rapper, nascido Chancelor Jonathan Bennett, rapper norte-americano

Quem morreu

1999 - Alexander "Skip" Spence, guitarrista, cantor e compositor dos grupos norte-americanos Jefferson Airplane e Moby Grape (n. 1946)

2018 - Dona Ivone Lara, nascida Yvonne Lara da Costa, cantora carioca (n. 1922)

Canais de Marcas

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest