Em 16 de fevereiro de 1999, o Iron Maiden renasce para uma nova era de ouro
Especial

Em 16 de fevereiro de 1999, o Iron Maiden renasce para uma nova era de ouro

0

Publicidade

Os anos 1990 não foram bons para o Iron Maiden. Com a saída de dois de seus maiores trunfos — o vocalista Bruce Dickinson e o guitarristas Adrian Smith —, o grupo de heavy metal liderado pelo baixista Steve Harris até conseguiu se sair bem ao escolher um novo guitarrista, Janick Gers, mas errou feio ao chamar Blaze Bayley para substituir o vocalista anterior. Com Blaze, o grupo gravou dois discos que são considerados os piores da banda até hoje — "The X Factor", de 1995, e "Virtual XI", de 1998 — e viu sua popularidade despencar ao mesmo tempo em que os velhos fãs se frustravam. Até que eles resolveram reorganizar tudo e, no dia 16 de fevereiro de 1999, anunciaram que trariam Bruce e Adrian de volta para a banda. E, melhor, a saída de Bayley não significava a demissão de Gers, fazendo o Iron Maiden assumir que era uma banda com três guitarristas.

LEIA MAIS: Membros originais do Iron Maiden fazem show em um pub inglês

SLIPKNOT: A evolução e a história por trás das máscaras da banda

Principal expoente de um movimento criado pela imprensa inglesa no final dos anos 1970 (o NWOBHM — sigla para "nova onda de heavy metal britânico" em inglês), o Iron Maiden consagrou-se como o grupo que consolidou o gênero como linguagem, expandindo-o para novas fronteiras. Enquanto a geração que fundou o estilo — formada por Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple — ainda tinha os pés no hard rock e no blues pesado, o Iron passou a tratar o gênero de forma mais épica, muito pela formação de seu fundador, o baixista Steve Harris, que compunha músicas inspiradas em passagens históricas ou mitológicas. 

O grupo também adotava referências do rock progressivo mas sem nunca ir para o puro virtuosismo, consagrando-se quando o Bruce Dickinson foi convocado a assumir os vocais, fechando uma formação que lançou clássicos como "Piece of Mind", "The Number of the Beast", "Live After Death", "Powerslave" e "Somewhere in Time", discos que fizeram história também por suas capas. Nelas, o ilustrador Derek Riggs criava diferentes cenários com a presença do mascote da banda, Eddie, que também surgia nos shows em aparições épicas.

A volta de Dickinson e Smith fez o Iron Maiden voltar ao auge. Embora nunca tenha feito discos tão emblemáticos quanto os dos anos 1980, melhorou bastante seu nível de produção e transformou seu culto de fãs em negócio rentável, fazendo turnês constantes — já passou inúmeras vezes pelo Brasil, com a volta marcada para outubro, no Rock in Rio — e lançando discos esporádicos para mostrar que ainda têm a mão para compor músicas novas e falar de temas atuais. Up the Irons!

16 de fevereiro de 2007: Downhill

Começando seu ano terrível, Britney Spears decide raspar a própria cabeça e as fotos espalham-se pela internet, provocando reações preocupadas com seu estado de saúde mental, que continuaria deteriorando durante o ano.

Quem nasceu

1918 — Patty Andrews, uma das cantoras do grupo The Andrew Sisters (m. 2013)

1932 — Otis Blackwell, compositor e produtor norte-americano (n. 2002)

1935 — Sonny Bono, cantor norte-americano que fazia dupla com Cher nos anos 1960 (m. 1997)

1953 — John Bradbury, baterista do grupo inglês The Specials (m. 2015)

1959 — Ice-T, nascido Tracy Morrow, rapper norte-americano

1961 — Andy Taylor, guitarrista do grupo inglês Duran Duran 

1965 — Dave Lombardo, baterista da banda norte-americana Slayer 

1967 — Damon Reece, baterista da banda inglesa Spiritualized

1990 — The Weeknd, nascido Abel Makkonen Tesfaye, cantor e compositor canadense 

Quem morreu

2015 — Lesley Gore, cantora, compositora e ativista norte-americana (n. 1946)

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais