Em 22 de fevereiro de 1997, as Spice Girls conquistam os EUA — e o mundo!
Especial

Em 22 de fevereiro de 1997, as Spice Girls conquistam os EUA — e o mundo!

0

Publicidade

As Spice Girls já eram um fenômeno em seu país-natal, mas eram consideradas muito inglesas para atingir um público global. Principalmente numa época em que os grandes nomes do pop inglês mal chegaram a fazer cócegas na opinião pública norte-americana, crucial para conquistar o resto do planeta. Se na Inglaterra, Oasis, Blur e até o Take That eram sucessos gigantescos, nos EUA eles mal eram reconhecidos. O grupo criado por Simon Fuller teve seu primeiro disco lançado em 1996 na Inglaterra, mas só chegou aos EUA no início do ano seguinte, escalando as paradas de vendas de forma inesperada. Até que no dia 22 de fevereiro de 1997, as cinco garotas chegaram ao topo dos singles mais vendidos dos EUA com o hit grudento "Wannabe" — que permaneceu por mais quatro semanas no topo das paradas.

LEIA MAIS: O que gostaríamos de ver na turnê das Spice Girls

NOSTALGIA: Veja Emma Bunton, a Baby Spice, experimentando salgadinhos dos anos 1990

"Wannabe" foi lançada em julho de 1996 e marcou o início da conquista do Reino Unido pelas Spice Girls. O rap de brinquedo puxado por garotas que eram reconhecidas por seus apelidos, como se fossem modelos de bonecas, contagiou o rádio inglês. Até o fim do ano, elas emplacariam outros hits no topo da mesma paradas, a ótima "Say You'll Be There" e a balada "2 Become 1". Mas ninguém botava fé que elas conseguiriam fazer sucesso nos EUA.

A chegada ao topo da paradas americanas contou com uma força da MTV, que mantinha o clipe de "Wannabe" — rodado em apenas um take — tocando direto em sua programação. Depois desse período entre os mais vendidos, as Spice Girls não conseguiram mais repetir o feito nos EUA, mas ao fazê-lo apenas uma vez, elas garantiram sua entrada (e permanência) na história da música pop.

22 de fevereiro de 1992: Que loucura

Uma improvável banda de funk metal conseguiu sair do underground rumo ao estrelato e no meio deste processo contou com uma arma secreta. Tratava-se de um jovem guitarrista que havia substituído um dos fundadores da banda, morto por uma overdose. Os Red Hot Chili Peppers contaram com os timbres e o virtuosismo de John Frusciante para lapidar ainda mais sua sonoridade, conseguindo manter o peso, a esquisitice e a velocidade das canções sem que elas fossem necessariamente antipop.

A virada aconteceu em seu disco mais clássico, o duplo "Blood Sugar Sex Magik", que também marcou o período em que o vício de Frusciante em heroína começou a afetar seu trabalho — tanto em termos de criação (seus primeiros discos solo eram diametralmente opostos à sonoridade do Red Hot) quanto em termos de marketing, atrapalhando os planos do grupo. O melhor exemplo deste distanciamento entre Frusciante e a banda aconteceu no dia 22 de fevereiro de 1992, quando eles tocaram a balada "Under the Bridge", carro-chefe do disco no ano anterior, e John Frusciante decide abandonar os backing vocals para simplesmente berrar durante a música. Ele sairia da banda em maio daquele ano, sendo substituído pelo ex-Jane's Addiction Dave Navarro, que grava apenas um disco com o grupo, "One Hot Minute". Frusciante faria as pazes com os outros integrantes do grupo e voltaria para a banda em 1998.

Quem nasceu

1938 - Bobby Hendricks, vocalista da banda norte-americana The Drifters 

1973 - Scott Phillips, baterista da banda norte-americana Creed 

1974 - James Blunt, nascido James Hillier Blount, cantor e compositor inglês 

Quem morreu

1987 - Andy Warhol, artista plástico, fundador do movimento pop art e produtor do primeiro disco do grupo norte-americano The Velvet Underground (n. 1928)

2012 - Billy Strange, cantor, compositor e guitarrista que trabalhava em estúdio como parte do time famed Wrecking Crew (n. 1930)

2015 - Renato Rocha, baixista do grupo brasiliense Legião Urbana (n. 1961)

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais