Em 3 de junho de 1970, o Deep Purple lança o disco que o pôs no panteão, 'Deep Purple in Rock'
Especial

Em 3 de junho de 1970, o Deep Purple lança o disco que o pôs no panteão, 'Deep Purple in Rock'

Publicidade

O grupo inglês Deep Purple era uma das principais bandas em ascensão no final dos anos 1960. Mas foi a partir do lançamento de seu quarto disco, "Deep Purple In Rock", lançado no dia 3 de junho de 1970, que consolidou-se como um dos principais nomes de um novo gênero de rock pesado que viria a ser chamado heavy metal. Era o disco que marcava sua primeira formação clássica, com Ian Gillan nos vocais, Ritchie Blackmore da guitarra, Jon Lord nos teclados, Roger Glover no baixo e Ian Paice na bateria.

LEIA MAIS: Em 1988, o Public Enemy lança 'It Takes a Nation of Millions to Hold Us Back'

VEJA TAMBÉM: David Coverdale, do Whitesnake, é o tiozão que todo mundo ama no Twitter

O grupo tinha um problema crucial em sua formação: com dois músicos brilhantes puxando as rédeas autorais (Ritchie Blackmore e Jon Lord), o Deep Purple não sabia compor canções — e a maioria das músicas evoluía de riffs de guitarras ou abria para floreios e improvisos nos teclados. Por mais que conseguissem chamar atenção na cena inglesa do final dos anos 1960, não engatavam. 

'Deep Purple In Rock' transformou a então banda de David Coverdale e um fenômeno do heavy metal / Foto: Getty Images
'Deep Purple In Rock' transformou a então banda de David Coverdale e um fenômeno do heavy metal / Foto: Getty Images

Parte disso estava ligado aos rumos pesados que a banda estava tomando que não agradavam seu vocalista original, Rod Evans. Ele havia se juntado ao Deep Purple no início da era psicodélica e não estava satisfeito com os pendores hard rock. Até que Blackmore foi assistir a um show do grupo Episode Six e animou-se com o vocalista Ian Gillan. O guitarrista levou os colegas de Purple para assisti-lo, e já o abordaram sobre a possibilidade de ele se tornar o novo vocalista da banda, que havia acabado de lançar seu terceiro disco.

A troca de Evans por Gillan foi planejada sem que o primeiro soubesse — e com ele, também foi sacrificado o baixista Nick Simper, pois Gillan queria trazer Roger Glover, com quem tocava no Episode Six e contava para escrever canções. A facilidade da dupla em compor juntos foi o ponto de partida para uma nova fase do Deep Purple, que começaria já no segundo semestre de 1969. Já havia um projeto de um disco ao vivo em andamento, "Concerto for Group and Orchestra", mais uma prova da falta de rumo do grupo, que resolveu gravar com uma orquestra por puro capricho erudito de seu tecladista. E foi ali que a nova formação, que ficaria reconhecida entre os fãs do grupo como a formação "Mark II", foi testada pela primeira vez.

Da esquerda para a direita: Jon Lord, Glenn Hughes, Ian Paice e Ritchie Blackmore / Foto: Getty Images
Da esquerda para a direita: Jon Lord, Glenn Hughes, Ian Paice e Ritchie Blackmore / Foto: Getty Images

Com esta nova formação transformaria o Deep Purple em um dos principais nomes do início do rock pesado. Inspirado diretamente pelo primeiro disco do Led Zeppelin, o grupo resolveu fazer um álbum inteiramente intenso. A fagulha de canções que Ian e Roger compunham dava espaço para improvisos de todos os integrantes,  esticando as músicas até dezenas de minutos quando tocavam ao vivo. A força do novo quinteto era tamanha que resolveram assinar conjuntamente todas as faixas do novo álbum, gravado entre outubro de 1969 e abril de 1970.

"Deep Purple In Rock" trazia músicas que se tornariam eternas na história da banda, como "Speed King", "Into the Fire", "Flight of the Rat" e especialmente "Child in Time". Esta última, uma balada blues pesada, se tornaria a assinatura musical da banda e do novo vocalista - até, pelo menos, dois anos depois, quando o teatro do festival de Montreux pegou fogo e inspirou o grupo a fazer uma canção chamada "Smoke on the Water". Mas isso é outra história...

Quem nasceu

1926 - Allen Ginsberg, poeta americano, fundador do movimento literário beat e um dos principais influenciadores do movimento contracultura nos anos 1960 (m. 1997)

1936 - Eddie Willis, guitarrista americano da banda de estúdio da gravadora Motown, The Funk Brothers (m. 2018)

1939 - Ian Hunter, vocalista e guitarrista do grupo inglês Mott The Hoople 

1943 - Michael Clarke, baterista dos grupos americanos The Flying Burrito Brothers e The Byrds (m. 1993)

1947 - Mickey Finn, percussionista do grupo inglês T. Rex (m. 2002)

1947 - Dave Alexander, baixista do grupo americano The Stooges (m. 1975)

1950 - Suzi Quatro, cantora e compositora inglesa 

1951 - Deniece Williams, cantora e compositora norte-americana

1952 - Billy Powell, tecladista do grupo americano Lynyrd Skynyrd (m. 2009)

1962 - David Cole, do grupo de produtores americanos C+C Music Factory (m. 1995)

1964 - Kerry King, guitarrista da banda americana Slayer 

1965 - Mike Gordon, baixista, pianista e percussionista da banda norte-americana Phish 

1965 - Saffron, nascida Samantha Marie Sprackling, vocalista nigeriana do grupo inglês Republica

1974 - Kelly Jones, vocalista da banda galesa Stereophonics

1976 - Martin Mendonça, guitarrista baiano que acompanha a cantora e compositora Pitty

Quem morreu

1990 - Richard Sohl, pianista e compositor que trabalhou com Patti Smith (n. 1953)

2011 - Benny Spellman, cantor americano (n. 1931)

2011 - Andrew Gold, cantor e compositor americano (n. 1951)

2016 - Dave Swarbrick, cantor e compositor do grupo inglês Fairport Convention (n. 1941)

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest