Em 3 de março de 1989, Madonna choca o mundo com 'Like a Prayer'
Especial

Em 3 de março de 1989, Madonna choca o mundo com 'Like a Prayer'

0

Publicidade

Se havia alguma dúvida que Madonna era um gênio do pop, esta foi posta de lado quando, no dia 3 de março de 1989, ela lançou o clipe oficial de “Like a Prayer”. No dia anterior, ela apresentou a canção num comercial da Pepsi que nem sequer chegava perto da ousadia do clipe final, lançado na MTV, causando rebuliço entre religiosos fundamentalistas e racistas e fazendo a cantora ir para além da área que parecia ser designada a ela, a música pop. A partir deste clipe, ela se tornou uma figura maior do que uma simples cantora pop.

LEIA MAIS: Madonna, uma heroína nas luta pela libertação da sexualidade feminina

ANTES DA FAMA: Fotos mostram uma Madonna estilosa e autêntica em 1978

A marca de refrigerantes pagou US$ 5 milhões para que a cantora lançasse seu próximo single dentro de um comercial da empresa, algo que nunca havia sido feito. E o clipe que ela apresentou para a companhia de refrigerantes era exatamente o que a marca queria: uma Madonna autoconfiante que assiste a um vídeo dela mesma ainda criança, imaginando quem ela poderia ser no futuro. No clipe, ela dança com alunos numa escola e com músicos e dançarinos na rua, no clima mais seguro e asséptico que pede uma campanha publicitária.

No dia seguinte, ela mostrou o verdadeiro clipe de “Like a Prayer”, em que cantava dentro de uma igreja, era testemunha do assassinato de uma mulher e via um homem negro sendo culpado pela morte — o mesmo que surge mais tarde, na mesma igreja, como um Jesus Cristo, beijando a cantora. A própria Madonna surge dançando na frente de cruzes pegando fogo, em uma clara referência à organização racista norte-americana Ku Klux Klan. 

O clipe causa furor, principalmente entre pessoas que mal sabiam quem era Madonna e que nunca a ouviriam em outras circunstâncias. Racistas e fundamentalistas religiosos vestiram a carapuça e passaram a chamá-la de herege e tumultuadora, fazendo todos quererem saber o que havia naquele novo clipe. Madonna já era uma popstar global, mas seu alcance ainda era limitado. Depois de “Like a Prayer”, ela se tornou a entidade que todos conhecemos hoje.

A rainha do pop teve problemas com a Pepsi, que não gostou de ver seu comercial como um mero teaser de uma polêmica muito maior. Após um imbróglio judicial, a companhia chegou a um consenso com a cantora, que deixou de ser patrocinada pela marca, mas pôde ficar com o cachê pago peça ação. A MTV deitou e rolou com o interesse do público, o que naturalmente levou a música às rádios e o single, que foi lançado no mesmo dia do clipe, para o topo da parada de vendas, ficando lá por outras seis semanas. Um marco que mostrava como Madonna dominava um assunto que tinha ficado fora de moda nos anos 1980: a polêmica.

Quem nasceu

1927 - Junior Parker, cantor e compositor norte-americano (m. 1971)

1927 - Teixeirinha, cantor e compositor gaúcho (m. 1985).

1941 - Mike Pender, vocalista do grupo inglês The Searchers

1943 - Jards Macalé, cantor e compositor carioca

1948 - Terence 'Snowy' White, guitarrista inglês

1966 - Tone-Loc, nascido Antony Smith, rapper norte-americano

1983 - Kelly Key, cantora carioca

Quem morreu

2008 - Norman Smith, engenheiro de som inglês (n. 1923)

2013 - Bobby Rogers, vocalista do grupo norte-americano The Miracles (n. 1940)

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais