Estrela do Super Bowl LIV, Shakira se destaca como cantora pop que ‘não tem’ haters
Entretenimento

Estrela do Super Bowl LIV, Shakira se destaca como cantora pop que ‘não tem’ haters

Por Guilherme Assumpção

Dentre os fãs de música pop, principalmente aqueles que “moram” na internet, existe uma prática tóxica, mas muito comum: a disseminação do hate, ou, em bom português, ódio. Ódio gratuito. Talvez como um reflexo da sociedade, que adora incitar rivalidade entre mulheres, alvos comuns desse tipo de comportamento são elas, as divas pop. Beyoncé, Lady Gaga, Katy Perry… A lista é extensa. Porém, uma artista em especial parece passar ilesa às pedras jogadas pelos “trolls” da web: Shakira, aniversariante do dia — a cantora completa 43 anos neste domingo (02/02) — e, ao lado de Jennifer Lopez, é uma das estrelas do show de intervalo do Super Bowl LIV.

Prestes a completar trinta anos de carreira, a colombiana ocupa um espaço significativo na indústria do pop. Nascida em Barranquilla, Shakira é a única estrela latina (nascida em país hispânico) a ocupar lugar relevante na indústria do pop americano por tanto tempo (J-Lo é americana, filha de pais porto riquenhos). Ela não apenas construiu uma identidade artística inconfundível, como ainda foi validada pela crítica ao fazer isso, sendo reconhecida com mais de 250 prêmios ao longo destas quase três décadas. No entanto, se números e recordes mundiais fossem suficientes para blindar alguém dos comentários negativos nas redes sociais, artistas como Beyoncé ou Ariana Grande teriam muito menos dor de cabeça diariamente.

Shakira e Jennifer Lopez são as estrelas do Super Bowl LIV / Foto: Getty Images
Shakira e Jennifer Lopez são as estrelas do Super Bowl LIV / Foto: Getty Images

O que livra Shakira dos haters barulhentos não são números ou vendas. Seu segredo está no carisma incontestável, que agrega à sua imagem um senso de prestígio incondicional por parte do público. Por trás desse furacão de 43 anos, há um encanto e magnetismo evidentes — atrativos que fazem de Shakira uma figura não idolatrada, mas respeitada por uma quase unanimidade.

Shakira já enfrentou diversos obstáculos em sua trajetória — nenhum deles por conta do ódio gratuito nas redes sociais. Seu primeiro “não” veio ainda criança, quando um coral de igreja a recusou por ter uma voz muito diferente das de outras integrantes do conjunto. Já assinada com uma gravadora, não vendeu sequer três mil cópias de seus dois primeiros discos, “Magia” (1991) e “Peligro” (1993), combinados (o sucesso só viria com o clássico “Pies Descalzos” (1995)) Mais recentemente, em 2017, a cantora perdeu a voz devido a uma hemorragia nas cordas vocais e chegou a duvidar que voltaria a cantar. Shakira não só voltou como colocou na rua, no ano seguinte, a turnê mundial do álbum “El Dorado” (2017)

Apesar de não despertar tanta devoção, Shak, como é conhecida, não tem uma história imaculada. Em 1996, três fãs da cantora morreram pisoteados durante um show em Barranquilla devido à má administração e superlotação do local. Na esfera pessoal, ela namorou Antonio de la Rúa, filho de Fernando de la Rúa, ex-presidente da Argentina que teve atuação catastrófica e arruinou a economia do país. Já em 2019, um promotor público acusou a estrela de sonegar uma quantia milionária de impostos na Espanha, onde vive com o marido, o jogador de futebol Gerard Piqué, e os dois filhos do casal, Milan (7) e Sasha (5). Entre agora em um fórum online e você verá outras artistas sendo vítimas de muito barulho por muito menos.

A família Piqué Mebarak: Milan, Shakira, Sasha e Piqué em jogo da NBA no Madison Square Garden, em 2017 / Foto: Getty Images
A família Piqué Mebarak: Milan, Shakira, Sasha e Piqué em jogo da NBA no Madison Square Garden, em 2017 / Foto: Getty Images

Não é que Shakira tenha trilhado um caminho livre de controvérsias. A questão é que sua história não chama atenção pelas polêmicas. Ao invés disso, Shakira permanece no imaginário coletivo por ser a voz por trás de hits engenhosos, como “Whenever, Wherever” e “Hips Don’t Lie”. Pensamos em “Waka Waka” e “La La La”, músicas que fizeram Shak ser para Copas do Mundo de futebol o que Mariah Carey e “All I Want For Christmas Is You” são para o Natal. Lembramos ainda de sua originalidade, sempre presente nas transições bem calculadas de sua carreira.

Neste domingo (02/02), ao lado de Jennifer Lopez, Shakira comanda o show de intervalo do Super Bowl — responsabilidade que, no passado, já foi assumida por nomes como Madonna, Katy Perry e Lady Gaga. Independentemente de como será a performance da colombiana, não espere esbarrar em muitos comentários raivosos ou alfinetadas nas redes sociais. Com Shakira, a resposta geral é sempre outra.

Shakira: a unanimidade do pop / Foto: Getty Images
Shakira: a unanimidade do pop / Foto: Getty Images

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest