Executivo do selo apontado como 'o futuro da música' dá dicas para artistas novos: 'Seja legal'
Criatividade

Executivo do selo apontado como 'o futuro da música' dá dicas para artistas novos: 'Seja legal'

0

Publicidade

O streaming  já não é mais pedra no sapato das grandes gravadoras, e antagonismos entre visões na indústria da música estão menos acirrados. Mas alternativas criativas aos selos tradicionais não param de surgir. É o caso do +1 Records, citado pela revista  “Forbes” como “o futuro do business musical” e um “caminho no meio” entre as gravadoras e os selos independentes. Eles se gabam por seguir independentes, mesmo enquanto negociam com marcas expressivas do mercado fonográfico como a 300 Entertainment — que publica discos do Migos, Young Thug e outros músicos. 

LEIA MAIS: Gravadora do Reino Unido contrata artistas que passaram pelo sistema carcerário

VEJA TAMBÉM: 'Long Ambients 2': Moby lança disco em aplicativo de meditação

Todos os artistas lançados pela +1 Records são independentes. Para conferir o catálogo da gravadora, basta clicar aqui. Eles se consideram um ponto fora da curva por alçar músicos que não têm grandes números nas redes sociais ou nos serviços de streaming

“Existem poucos selos lançando artistas que têm pouca visibilidade na internet. É isso que nos torna diferentes, e se existe algo que quero ser é diferente. Gosto de encontrar novos artistas e botar para tocar algo que seja único”, explica Jonny Kaps, executivo da +1 Records. 

 

Sobre colaborar com a gravadora 300 Entertainment, que fornece à +1 Records recursos e equipamentos tecnológicos, Kaps disse que é importante se manter em contato com uma empresa maior, mas sem perder a “estética” original da +1. “É uma oportunidade de fechar com artistas maiores também. Nossa parceria é bem orgânica. Eles também estavam procurando por ‘pessoas desarrumadas’ como nós, que pudessem encontrar novos talentos por aí. E temos independência para dar opiniões nas reuniões. Isso faz com que permaneçamos originais”, descreveu. 

Encontrar novos talentos, como analisa Kaps, é outro ponto importante em sua gravadora. Para ele, não é necessário ver artistas tocando ao vivo para perceber se são talentosos ou não. “Temos Spotify ou SoundCloud, e muitos novos artistas nunca se apresentaram em um show. E tudo bem. Nesse mercado, o artista não precisa tocar ao vivo nos primeiros dois anos. Mas é óbvio que os shows ajudam a conectar as pessoas. Existem muitos artistas que têm milhares de streams, mas não têm fãs. A grande parada é transformar esses números de reproduções em fãs de verdade. 

Na entrevista à “Forbes”, Kaps dá um conselho para novos músicos que estão procurando por gravadoras interessadas em lançar seus trabalhos. O executivo fala em não se preocupar tanto em “bombar” nas redes sociais, como muitos artistas fazem. “Não deixe de se pensar como uma marca. Se você quer ser identificado como alguma coisa, precisa se manter correto. Na parte artística, fotos e clipes precisam ser atraentes. E faça colaboração com um outro artista. Sobretudo, apenas seja legal. No fim do dia, apenas a música importa”, afirmou.

Publicidade

Tags relacionadas:
CriatividadeStreaming
Background

Relacionados

Canais Especiais