Fã do Foo Fighters perde show ao salvar vida de desconhecida, mas conhece Dave Grohl por acaso no dia seguinte
Especial

Fã do Foo Fighters perde show ao salvar vida de desconhecida, mas conhece Dave Grohl por acaso no dia seguinte

0Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do Pinterest

Publicidade

“Toda a minha vida eu passei procurando por algo”. O primeiro verso de “All My Life”, do Foo Fighters, ilustra bem a história de Ignácio Santágata, de 25 anos, gerente de marketing de uma distribuidora digital de música. Fã da banda de Dave Grohl desde a adolescência, o argentino esperou a vida toda para assistir a uma apresentação do grupo ao vivo. Era 2012 quando o dia finalmente chegou, mas aquele 1º de abril ficou parecendo até pegadinha. Quando deveria estar se preparando para ver os ídolos, Ignácio se viu em uma situação de vida ou morte: na primeira fila do show, realizado em Santiago, no Chile, um garoto desconhecido caiu, apagado, no chão. Sem perceber ninguém ao redor que pudesse ajudá-lo, Nacho -  apelido de Ignacio - resgatou o jovem e o carregou no meio da multidão até um médico. Logo depois, ele mesmo desmaiou, tamanho esforço que havia feito. Quando acordou, completamente abalado, foi considerado herói por ter salvado a vida do menino, que teve um problema sério de pressão. Mas aí já havia perdido o show que tanto queria ver.

Quando se deu conta do que havia acontecido, Ignácio chorou copiosamente. Mas como o mundo dá voltas e o karma - às vezes - é bom, no aeroporto, já de volta à Argentina, ele encontrou com ele mesmo, Dave Grohl, na fila da imigração - e ainda foi convidado para tomar uma cerveja com o ídolo. 

“Havia a sensação de que o Foo Fighters nunca faria um show na Argentina porque, quando o Nirvana veio, em 1992, alguns fãs jogaram objetos na banda de abertura. Parece que Dave e o resto do grupo ficaram muito irritados com isso”, conta Nacho, que na época do tal show do Foo Fighters tinha 20 anos e nunca havia viajado de avião até então. Quando ele soube que o grupo se apresentaria no Chile, não hesitou: comprou ingressos e reservou as passagens. A princípio, iria sozinho. Porém, descobriu que, sem querer, viajaria nos mesmos voos que Lola, uma amiga (ok, um pouco mais que isso) também admiradora do grupo. 

Nacho com os amigos durante a viagem ao Chile / Arquivo pessoal
Nacho com os amigos durante a viagem ao Chile / Arquivo pessoal

Naquele fatídico 1º de abril, Nacho se preparou para ficar na primeira fila. Deixou a mochila com Lola e os amigos que fez no albergue onde estava hospedado e seguiu para o gargarejo. Nada poderia dar errado em uma viagem que, até ali, tinha sido perfeita. “Eu não costumo fazer isso (ficar lá na frente), trabalho com música e prefiro ficar mais afastado do palco. Fui lá para frente como fã. E por ser fã eu sabia que o Foo Fighters costuma subir ao palco com um barulho de guitarra que dura uns 30 segundos, e então eles começam o show, normalmente com  ‘All My Life’”, explica detalhadamente o fã. “Quando eles entraram fazendo esse som de guitarra, um menino apagou e caiu no chão bem na minha frente. Eu surtei. Aqueles segundos duraram uma eternidade”, relembra. 

O argentino conta que olhou em volta e torceu para que alguém viesse ajudar o garoto, que estava desmaiado. Ao perceber que ninguém havia dado atenção para o que estava acontecendo, Nacho não pensou duas vezes e colocou o garoto nos ombros para tirá-lo dali. “Eu fui um completo idiota porque não pensei em levá-lo para a frente, para a área de segurança, entre a grade e o palco. Eu o levei para trás. Não sou um cara forte e ele estava completamente apagado, parecia morto. Quando consegui parar, me disseram que não havia médico ali, então eu segui com ele pelo meio daquela multidão”.

Quando saiu da aglomeração, Nacho colocou o jovem desacordado no chão e, ali mesmo, também desmaiou. “Foi de tanto esforço que eu fiz”, explica. Quando acordou, entrou em completo desespero diante daquela situação. Naquele momento, o Foo Fighters, curiosamente, tocava um de seus maiores sucessos, que casava perfeitamente com a situação que ele estava vivendo: “My Hero”. O jovem argentino caiu aos prantos. 

“Eu estava desolado e sem forças no posto de atendimento, quando um segurança veio até mim e falou: ‘Por que você está reclamando? Você salvou a vida desse garoto!’. E disse que eu deveria sair e curtir porque eu merecia mais do que qualquer pessoa. Eu voltei e vi o resto do show tremendo e chorando muito. As pessoas me olhavam e me perguntavam se eu estava bem, porque eu parecia 100% transtornado”, relembra o publicitário argentino, que hoje ri da situação. Ele e o jovem nunca mais se viram: a confusão foi tanta que Nacho não lembra nem o nome de seu protegido. 

 Ele (Dave Grohl) falou ‘cara, obrigado pelo que você fez. Você salvou a vida de uma pessoa e você salvou o show, porque teria sido horrível se ele morresse ali’ 

Ao fim do show, triste e sem forças, Nacho reencontrou os amigos e contou o que tinha acontecido. Ninguém acreditou que a saga para ver o Foo Fighters tinha terminado daquela forma. No dia seguinte, ao retornar para a Argentina com sua amiga Lola, viveu o que parecia ser mais um capítulo improvável da viagem. Na época, os dois, que viviam um romance, levaram horas no freeshop do desembarque, para passar mais um tempo juntos. Os pais dos dois, que os esperavam na saída, já ameaçavam ir embora sem levá-los. Pressionados, Nacho e Lola decidiram, finalmente, deixar o aeroporto.

“Quando fomos para a fila da alfândega, já não havia mais ninguém ali. Só algumas pessoas de um voo vindo da Austrália. De repente, vi o rosto da Lola mudar completamente. Ela começou a gaguejar e me mandou virar para trás”. Quando Nacho percebeu, deu de cara com Dave Grohl, Chris Shiflett e Pat Smear. Sim, os integrantes do Foo Fighters. O grupo havia voado para a Argentina para enfim se apresentar por lá.

“Eu não acreditei! Ele estava a literalmente 15 centímetros de mim. Eu trabalho com músicos famosos o tempo inteiro, mas ele e Paul McCartney são como deuses para mim. Eu já estive com o David Guetta, The Kooks, com Peter Gabriel, mas todos eles que se f****, meu deus é Dave Grohl!”, brinca. 

Quando tudo parecia ter dado errado, Nacho deu de cara com Dave Grohl no aeroporto / Arquivo pessoal
Quando tudo parecia ter dado errado, Nacho deu de cara com Dave Grohl no aeroporto / Arquivo pessoal

Por insistência de Lola, Nacho resolveu falar com o ídolo. “Eu virei para ele e falei ‘Dave, me desculpe, mas eu preciso te contar o que aconteceu comigo ontem à noite’ e contei tudo para ele”, relembra. No início, o líder da banda pareceu se incomodar com a interferência do fã, mas, ao ouvir o relato do que havia acontecido, foi solidário: “Ele falou ‘cara, obrigado pelo que você fez. Você salvou a vida de uma pessoa e você salvou o show, porque teria sido horrível se ele morresse ali’”.

Nacho contou ainda que trabalharia com o Arctic Monkeys no mesmo festival que o Foo Fighters tocaria e acabou convidado para tomar uma cerveja com a banda: “Ele disse: ‘se eu te vir amanhã, você virá para o backstage comigo’. Eu estava trabalhando, mas ficava olhando ao redor o tempo todo para ver se encontrava com ele, mas não rolou”, lamenta. 

A história de Nacho é um carrossel de emoções. Do desespero de ver a viagem quase fracassada por não conseguir curtir, pela primeira vez, o show de sua banda favorita, o jovem terminou encontrando o maior ídolo de sua vida e viu e as duas noites na Argentina. O que ele acha disso? “Eu acho que foi um bom karma pelo que eu fiz”.

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest