Filha de Bob Marley, Cedella, ajuda seleção feminina de futebol da Jamaica a estrear no primeiro Mundial
Inspiração

Filha de Bob Marley, Cedella, ajuda seleção feminina de futebol da Jamaica a estrear no primeiro Mundial

Cedella Marley pode até ser reconhecida por seu sobrenome estrelado, afinal, ela é filha do pai do reggae, o grande Bob Marley. Mas este é apenas um dos incontáveis atributos da mulher de 51 anos. Assim como o pai, ela canta, mas também dança, é designer de moda — tendo desenhado o uniforme do velocista Usain Bolt para as Olimpíadas de Londres, em 2012 — e, por fim, é embaixadora global do futebol feminino na Jamaica. Com o título, ela ajudou a levar as meninas do esporte para a sua primeira competição mundial. Quer mais, ou está pouco?

Em entrevista ao "Globo Esporte", Cedella explica como uma mulher metida no mundo das artes acabou se envolvendo com atletas de alto nível. Tudo aconteceu graças a seu filho mais novo, que voltando de um treino trazia consigo um folheto sobre as "Reggae Girlz" (como as jogadoras da seleção são conhecidas no país). Ela acabou se interessando pelo assunto e ficou encantada com o talento das meninas com a bola. "Elas têm paixão pelo futebol. E eu acredito que todos têm o direito de lutar por seus sonhos", contou ela.

Assim que assumiu o cargo na Federação de Futebol da Jamaica, Cedella percebeu que o talento e a força de vontade das garotas não combinava com a atual situação da equipe. Elas estavam sem jogar havia três anos por conta da falta de verbas. Para resolver o problema, a embaixadora colocou a Fundação Bob Marley como principal patrocinadora do time. E, desde então, a seleção feminina não para de crescer: ganhou mais apoiadores, estrutura e, com isso, autoestima e uma base para conseguir disputar uma vaga (que já é delas!) na Copa do Mundo da França, sediada neste ano.

Jogadoras da Jamaica comemoram um gol feito durante o Campeonato Feminino da CONCACAF, em 2018/Getty Images
Jogadoras da Jamaica comemoram um gol feito durante o Campeonato Feminino da CONCACAF, em 2018/Getty Images

"As meninas saíram de praticamente uma situação de extinção para alcançar marcas históricas. A história é definitivamente feita daquilo que se fazem os sonhos, e é por isso que eu sinto como se fosse um filme da Disney, que, antes, esperava para acontecer. E, agora, está acontecendo", disse Cedella, elegendo a canção "Get Up, Stand Up", de seu pai, como a música tema das garotas. "A escolha é autoexplicativa, porque ao invés de dizer 'Preacher man, don’t tell me: Heaven is under the hell" (homem pregador, não me diga que o céu está sob o inferno), nós devemos, num geral, dizer que ninguém pode nos falar, como mulheres, que deveríamos nos barrar e não ser vistas, ouvidas ou não jogar futebol".

Filha de um apreciador do esporte, Cedella crê que Bob estaria orgulhoso e muito feliz com sua missão. "Ele amava futebol e sempre me dizia que se não fosse músico, teria sido jogador. Acredito que ele esteja ansioso para ver as Reggae Girlz fazendo história", finalizou.

A estreia das meninas da Jamaica acontece contra o Brasil no dia 9 de junho, às 11h30. Os jogos serão transmitidos pela TV aberta.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest