Gerente de produção de Gorillaz, Rihanna e Kanye West conta como é a rotina numa turnê
Entretenimento

Gerente de produção de Gorillaz, Rihanna e Kanye West conta como é a rotina numa turnê

Publicidade

À frente de uma cortina preta e cercado por equipamentos de som, Joel Stanley aparece para a entrevista ao Reverb já preparado para a apresentação que coordenaria à noite. Poucas horas após a nossa conversa, o Gorillaz, projeto de Damon Albarn, se apresentaria no palco principal do Rock Werchter, festival belga a cerca de 45 minutos da capital, Bruxelas. Há dez anos Joel atua como gerente de produção em shows e esse foi mais um em seu currículo. Além disso, já trabalhou com artistas de peso como Kanye West, Bastille, Taylor Swift, Rihanna e o DJ norueguês Kygo

LEIA MAIS: Andy Manson, o luthier britânico que constrói guitarras para lendas do rock

'GIMME SHELTER': A história de Merry Clayton, a voz por trás de clássico dos Stones

Apesar de hoje atuar por trás das cortinas, o londrino de 32 anos começou como músico. Baterista, Joel era contratado para bandas de apoio ou sessões de gravação. Até que foi percebendo que o verdadeiro talento estava em organizar o que acontecia longe dos olhos do público. A tarefa soa quase como a profissão dos sonhos para quem curte música - e Joel concorda -, mas não é das mais fáceis. “É preciso ter muita paciência, dedicação e saber lidar com gente. As pessoas pensam que é só ficar nos bastidores e se divertir, mas é muito trabalho. Conciliar agendas, verificar voos, coordenar aviões…”, alerta o produtor, que diz já ter vindo ao Brasil “umas seis ou sete” vezes a trabalho. “Todas elas incríveis”, garante.

Joel Stanley viaja pelo mundo para garantir que shows dêem certo / Foto: Arquivo pessoal
Joel Stanley viaja pelo mundo para garantir que shows dêem certo / Foto: Arquivo pessoal

“Eu costumava estar em bandas e em turnês, e eu era sempre o cara que coordenava os bastidores. Aos poucos a minha carreira de baterista foi ficando para um lado e a de produtor, indo para outro. Eu não havia me estabilizado em um emprego na indústria até que descobri o que eu realmente queria fazer e qual era o meu talento”, conta. 

Depois de se encarregar de outros papéis técnicos nos bastidores, foi durante a turnê da britânica Duffy que ele finalmente assumiu o cargo de production manager. “Você lembra dela?”, pergunta ao contar sobre o primeiro emprego. A cantora britânica de hits como “Well, Well, Well” e “Warwick Avenue” lançou dois álbuns - o último em 2010 - e desapareceu dos holofotes da música. 

“Eu trabalhei com um amigo. Ele cuidava da produção e eu, da parte artística. Em pouco tempo nós trocamos os papéis porque percebemos que eu era mais do tipo de chegar mais cedo e sair mais tarde e ele gostava de sair assim que o show acabava”, diz o produtor. Ele conta que mesmo após uma década na estrada, ainda se sente como um menino empolgado na escola antes de sair em turnê. 

A vida na estrada dificulta os encontros de Joel com a família e os amigos. “A gente vai dando um jeito”, diz, em meio a risos. Na semana seguinte à da entrevista, ele iria encontrar a irmã, que mora na Espanha. Dias de folga? Não, a turnê do Gorillaz passaria por lá. “Faremos um show lá e vamos acabar nos encontrando. Já fiquei 300 dias viajando e, nesse tempo todo, só retornei para casa por pouco mais de dois meses em períodos intercalados”.

OS IMPREVISTOS E O TRABALHO COM KANYE

Para Joel, paciência é um requisito para quem trabalha gerenciando uma turnê. “Quanto mais eu trabalho, mais eu entendo que é menos sobre produção e mais sobre pessoas”, explica. Ele lida diretamente com a organização dos equipamentos e o transporte de todo material e montagem dos shows. É função do gerente de produção conciliar o trabalho de juntar reservas em hotéis e transporte, além de botar para funcionar toda a estrutura dos show. 

As funções se acumulam, mas se engana quem pensa que o lado de fã fica escondido por conta do trabalho. Joel não esconde que estar à frente de um projeto com Kanye West foi uma de suas maiores alegrias. “Eu era muito fã e trabalhar com o Kanye foi uma montanha-russa incrível. Ele fez um show em Glastonbury e no final, o próprio Kanye foi DJ em uma festa no camarim tocando as músicas dele mesmo. Aquilo foi um tanto divertido para mim, me ver desmontando um show do Kanye ao mesmo tempo em que ele estava lá sendo DJ em uma festa com Kim Kardashian, Cara Delevingne e outras celebridades”.

A vida na estrada não é feita só de viagens e passes VIP para o backstage. Joel conta que os imprevistos são muito maiores do que o que se imagina e é preciso ter paciência para lidar com eles. A exemplo disso, está a última passagem do Gorillaz por Buenos Aires. O produtor estava encarregado das apresentações da banda de Damon Albarn e do Major Lazer, trio de dance music comandado pelo produtor Diplo, no Festival BUE.

“A previsão do tempo era muito ruim. Ao que tudo indicava, teríamos uma verdadeira tempestade. O Gorillaz estava como headliner, mas eles decidiram trocar os horários entre a apresentação do Gorillaz e do Major Lazer. Quando o show do Gorillaz acabou, a chuva caiu com força total e o show do Major foi cancelado. Foi complicado lidar com isso e fiquei com medo de que algo muito ruim acontecesse. Estava preocupado com a segurança das pessoas”, relata. 

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest