Guarani-kaiowá nas quebradas: conheça os Brô MCs, pioneiros do rap indígena do Brasil
Inspiração

Guarani-kaiowá nas quebradas: conheça os Brô MCs, pioneiros do rap indígena do Brasil

Em sua descrição no Facebook, o coletivo Brô MCs se autoproclama o "primeiro grupo de rap indígena do Brasil". Se essa afirmação é 100% precisa ou não, é difícil atestar. Mas, de fato, podemos apontar os quatro rapazes — naturais de Dourados, no Mato Grosso do Sul — como precursores de um movimento que levou um gênero tão urbano até as aldeias e tribos espalhadas pelo país. Sem deixar para trás seus traços culturais, o respeito pelos ancestrais e pela língua nativa, que muitas vezes é misturada com o português.

Para uma série de reportagens da "Rádio Globo", batizada de "519 anos de resistência: um retrato do Brasil indígena", o fundador do grupo, Bruno Veron, falou sobre os estereótipos relacionados a seu povo e declarou que quebrá-los é um dos motivos de querer fazer música.

"A principal mensagem que a gente pretende levar é que o indígena de hoje em dia é modernizado. Não é mais aquele indígena que vive só de tanguinha e de flechinha", observou ele."É a mesma coisa o brasileiro, que vai para a Europa e para os Estados Unidos e nunca deixa de ser brasileiro. O rap é só uma ferramenta para a gente se comunicar. É a mesma coisa que você ter um celular. O celular não é do brasileiro, ele vem de fora. E você tem o celular, mas nunca deixa de ser brasileiro. É uma ferramenta que você usa."

De Dourados, no Mato Grosso do Sul, o Brô MCs existe há 10 anos/Reprodução/Facebook
De Dourados, no Mato Grosso do Sul, o Brô MCs existe há 10 anos/Reprodução/Facebook

Além dele, fazem parte dessa história que já dura dez anos os integrantes Kelvin Peixoto, Clemersom Batista e Charlie Piexoto. Todos eles vivem na aldeia Jaguapirú Bororó e são de origem guarani-kaiowá. Começaram o coletivo por conta de um programa de rádio do colégio e, após a participação, decidiram se arriscar de vez em versos e rimas, cantadas majoritariamente em guarani — como é o caso de "Koangagua", palavra que significa "nos dias de hoje".

"Minha fala é forte e está comigo/ Falo a verdade, não quero ser que nem você/ Canto vários temas e isso que venho mostrando/ Voz indígena é a voz de agora", rimam os meninos, em sua língua nativa (todos os clipes têm traduções para o português).

Em entrevista ao "Nexo" em 2017, Bruno revelou que, no começo, o grupo fazia rap "escondido", com medo da reprovação das lideranças de sua aldeia.

"Depois que lançamos o CD, quebramos essa barreira. Meu irmão levou um CD para apresentar para as lideranças e explicar que nossa música falava da nossa realidade. Hoje eles apoiam nosso trabalho e ajudam com as histórias, com o que querem falar", contou ele. Entre os feitos históricos do grupo está ter música incluída em um filme exibido no Festival de Berlim ("Terra Vermelha", tocada no curta-metragem "Em Busca da Terra Sem Males", de Anna Azevedo).

Canais de Marcas

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest