Iron Maiden faz show com enredo e muitos efeitos, sem perder a capacidade de arrebatar multidões
Rock in Rio 2019

Iron Maiden faz show com enredo e muitos efeitos, sem perder a capacidade de arrebatar multidões

Nenhuma outra banda tem com o festival a relação que o Iron Maiden possui. Atração histórica da primeira edição, em 1985, em sua quarta participação no Rock in Rio, o grupo inglês não deixou que os 34 anos de relacionamento pesassem. Pelo contrário, fez questão de trazer um espetáculo marcante — espetáculo mesmo, mais superproduzido do que todas as superproduções anteriores do próprio Iron Maiden: a "Legacy of the Beast Tour", retrospectiva da trajetória da banda com um fio de enredo e toques de ópera rock e, segundo alguns críticos, musical da Broadway também. Tudo issosem deixar a peteca musical cair, com impressionantes performances, principalmente a do vocalista Bruce Dickinson, 61 anos, que superou um câncer na língua em 2015.

A banda de Steve Harris (baixista e "maestro") honrou o amor dos fãs cariocas e do resto do Brasil . E também dos diversos países vizinhos presentes: argentinos, peruanos, chilenos, equatorianos e bolivianos exibiam orgulhosos, bandeiras de seus países, algumas com o mascote Eddie. As três guitarras — de Adrian Smith, Dave Murray e Janick Gers — ergueram a parede de som, nem sempre bem amplificada, mas contando com a propulsão da bateria de Nicko McBrain na medida para aqueles coros grandiosos de quase 100 mil pessoas. Tudo grandioso como precisa ser num Rock in Rio.

Steve Harris, senhor de todas as arenas/ Foto: Marcos Hermes
Steve Harris, senhor de todas as arenas/ Foto: Marcos Hermes

A "Legacy of the Beast Tour" não promove nenhum álbum específico, o que permitiu liberdade para a montagem de um set list na medida para satisfazer os fãs com muitos hits, e espaço para algumas escolhas menos esperadas, como "For The Greater Good Of God". A costura do repertório é uma espécie de enredo que saltita por passagens históricas como a Guerra da Crimeia, o período de Guerra Fria entre EUA e União Soviética, o período medieval em que se passa o livro "O Nome da Rosa", de Umberto Eco, inspiração para "Sign Of The Cross", e volta e meia aterrissa em cenografias mais literais: uma imagem de Ícaro é incinerada com lança-chamas durante "Flight Of Icarus" e uma lanterna brilha em "Fear Of The Dark".

Essa orgia visual foi bem registrada pelo craque das lentes Marcos Hermes, fã da banda há quase quatro décadas. Confira a galeria...

 Dave Murray com a competência de sempre/ Foto: Marcos Hermes
Dave Murray com a competência de sempre/ Foto: Marcos Hermes
Dave Murray e o chefe Steve Harris/ Foto: Marcos Hermes
Dave Murray e o chefe Steve Harris/ Foto: Marcos Hermes
Bruce, senhor do palco/ Foto: Marcos Hermes
Bruce, senhor do palco/ Foto: Marcos Hermes
Nicko McBrain, sempre vigoroso/ Foto: Marcos Hermes
Nicko McBrain, sempre vigoroso/ Foto: Marcos Hermes

Canais de Marcas

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest