Keith Richards homenageia seu herói Merle Haggard, ídolo do country fora da lei
Entretenimento

Keith Richards homenageia seu herói Merle Haggard, ídolo do country fora da lei

Keith Richards compartilhou no Instagram uma foto de um show que fez com um de seus ídolos, Merle Haggard. O guitarrista dos Rolling Stones lembrou que o dia 6 de abril seria aniversário do cantor country, que morreu em 2016, também em um 6 de abril, aos 79 anos. Na época, Keith comentou: "Um cara assim ninguém derruba. Ele teve um passado problemático, mas sempre falou abertamente sobre tudo. Sua mensagem era: 'as coisas acontecem, mas você tem que ser você mesmo e ter algo a dizer'.

Na publicação recente, Keith escreveu: "Hoje é o aniversário de Merle Haggard! Isto é de um concerto que fizemos no Wiltern Theatre em 2004! Foram Merle, Willie Nelson e Jerry Lee Lewis! Que noite!".

Instagram URL not provided

A lembrança é do show "Willie Nelson And Friends — Outlaws And Angels", que aconteceu no espaço de Los Angeles e foi lançado em DVD — uma das faixas, "Trouble In Mind", registra o encontro de Keith com Merle e Jerry.

Merle, que por mais de seis décadas compôs e cantou um dos maiores repertórios da música country — ele teve 38 canções no primeiro lugar da parada country —soube, como pouquíssimos compositores, captar a sociedade americana através de histórias da classe trabalhadora, pessoas sem rumo e de corações partidos.

Nascido em 6 de abril de 1937 numa oficina de carros transformada em casa na Califórnia, Merle ficou órfão de pai ainda criança e passou a adolescência em um reformatório. Por suas próprias contas, foi preso uma dúzia de vezes, sob acusações de roubo, evasão escolar, furto, falsificação de cheques e roubo de carros.

Aos 14 anos, ele assistiu a um show de Lefty Frizzell (1928-1975) em Bakersfield e acabou cantando no palco com o cantor, um astro do estilo honky tonk. A carreira que poderia ter começado ali foi interrompida por mais uma prisão em 1957. Um ano depois, ao assistir o show que Johnny Cash (1932-2013) fez no presídio de San Quentin, Merle teve certeza que o que ele queria era seguir na carreira musical. "Eu vi a luz. Percebi a bagunça que eu fiz da minha vida, saí de lá e nunca mais voltei", contou ele em uma entrevista anos depois.

Merle e Johnny Cash em 1969.Foto: Getty Images
Merle e Johnny Cash em 1969.Foto: Getty Images

Merle só revelou publicamente seu passado de crimes em 1969, incentivado pelo próprio Johnny. Em 1972, Ronald Reagan (1911-2004), que era governador da Califórnia, perdoou os crimes de Merle. Dez anos, depois, ele se apresentaria na Casa Branca para o já presidente Reagan, que disse que sua música era "o coração e a alma da América".

Depois de sair da prisão no início de 1960, Merle começou a fazer shows em clubes de Bakersfield e, ao lado de Buck Owens, tornou-se um dos principais representantes do som local. Seu primeiro sucesso nacional foi "Sing a Sad Song", que rendeu um contrato com a Capitol Records e o primeiro lugar nas paradas em 1966, “I Am a Lonesome Fugitive”. Daí seguiram-se “Branded Man” (1967), “The Legend of Bonnie and Clyde” e “Sing Me Back Home” (1968).

Para ninguém menos que Bob Dylan, Merle também era O CARA.

“Merle sempre foi tão profundo, ele transcendeu definitivamente o gênero country. Se ele estivesse nos Sun Studios em Memphis nos anos 50, Sam Phillips o teria transformado em uma estrela do rock"

A carreira de Merle continuou crescendo. Sua "Okie From Muskogee", em 1969, ficou no número um por mês. Naquele ano, ganhou o primeiro dos prêmios de Melhor Vocalista Masculino da Academia de Música Country — foram mais três — e foi nomeado Artista do Ano em 1970.

Mesmo quando os hits diminuíram, Merle nunca parou de fazer turnês nem de compor. Nos anos 90, ele resumiu sua carreira como "uma viagem de ônibus por 35 anos". Ele e os Strangers tocaram em teatros e cassinos, às vezes com participações de amigos como Bob Dylan e Willie Nelson. "Você pode ver alguns caras velhos, e eu não vou citar nenhum, que vão lá e tocam duas ou três músicas e trazem alguém para tocar o resto. Eu não quero fazer isso. Eu quero poder dar ao público o que ele pagou pelo show. Se eu não puder fazer isso, desisto. Trabalho duro requer trabalho duro", disse, em entrevista à Rolling Stone em 2012.

E ele foi até onde pôde. Em fevereiro de 2016, no Mandalay Bay Ballroom, em Las Vegas, Merle já estava com a saúde bem fragilizada. Foi uma de suas últimas apresentações, e Toby Keith, que estava na plateia, percebeu sua dificuldade e pulou no palco para ajudá-lo a tocar. Ele morreu dois meses depois, em sua casa, de pneumonia. No mesmo dia em que nasceu: 6 de abril.

Merle lançou 60 álbuns de estúdio, três natalinos, três gospel, cinco instrumentais com os Strangers, além de várias coletâneas e discos ao vivo. Com um estilo áspero, ele influenciou artistas do country e do rock, de Waylon Jennings e Gram Parsons (1946-1973) a Jamey Johnson e Eric Church. Willie Nelson costumava dizer que ele era um dos melhores compositores de sua geração.

Keith Richards fala dele com os olhinhos brilhando, como um garoto fala de um grande ídolo, como no depoimento abaixo.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest