Locutor de trailers de Hollywood e de games foi descoberto quando era maquinista

Inspiração

Locutor de trailers de Hollywood e de games foi descoberto quando era maquinista

“Era uma vez…” é uma frase que Redd Pepper repete com frequência. Apesar de não ser príncipe, sua história de vida pode ser comparada com a de um conto de fadas. Ele era maquinista nos trens de Londres. Com um registro grave impressionante, Redd chamou a atenção de um passageiro que trabalhava em um canal de televisão. Entre uma parada e outra, o executivo bateu na cabine e pediu seu contato. Ali começaria a vida profissional de um dos maiores dubladores e narradores do cinema ocidental. No currículo, Redd tem trailers de filmes como “Armageddon”, “Space Jam” e “MIB - Homens de Preto”. No universo dos games, ele já dublou personagens e usou sua voz para fazer efeitos sonoros.

LEIA MAIS: As 14 músicas de filmes da Disney que levaram o Oscar

CINEMA: História de fã que ganhou encontro com Prince vai virar filme

Quando Redd atendeu a ligação para conversar com o Reverb, a sensação era de que tínhamos entrado em algum filme hollywoodiano. A voz profunda conhecida das salas de cinema não é forçada, é daquele jeito mesmo que Redd fala. 

“Todo mundo me pergunta se eu realmente falo com essa voz, mas, sim, eu falo desse jeito. É parte de quem eu sou. Se eu tiver que mudar minha entonação para interpretar um certo personagem, eu vou adaptar, mas essa é minha voz”, conta o britânico de 57 anos. 

A história de Redd no mundo dos filmes e games mudou do dia para a noite depois daquele encontro no trem. Ele foi chamado para realizar um teste em um estúdio e, antes que tivesse acabado de ler o texto que havia recebido (“Em um mundo em que um homem…”, ele lembra das primeiras palavras do script), viu que todas as pessoas que estavam do lado de fora do estúdio estavam extasiadas diante do talento nato dele. 

 A voz é o instrumento que temos para poder falar. Eu posso me adaptar a sotaques, posso fazer voz de uma garotinha, de um cara malvado ou de um pai. Nós conseguimos adaptar porque ela é um instrumento, como na música.  

“Eu perguntei se estava tudo bem e se eles estavam satisfeitos. O chefe respondeu empolgado que sim e disse que me ligariam. No dia seguinte me chamaram para o estúdio de novo e me fizeram uma proposta absurda. Era muito dinheiro para gravar por apenas uma hora por semana. Eu fiquei esperando alguém aparecer e me dizer que aquilo era algum tipo de pegadinha”, relembra. Deste dia até hoje, já se vão quase 25 anos no mercado. “Eu nunca imaginei que chegaria aonde eu cheguei. Na época, pensei que talvez fosse desfrutar disso por dois ou três trabalhos, mas não. Do dia para a noite eu estava trabalhando e as pessoas perguntavam quem eu era”, se orgulha o narrador. 

A carreira no mundo dos games veio em diferentes frentes. Redd dá voz a personagens de jogos de consoles variados e conta que o processo no universo dos jogos é muito mais cansativo do que no do cinema. 

“Para gravar um trailer eu levo dois minutos e está pronto. Para trabalhar com videogames é diferente, você leva longos dias até que tudo esteja pronto. Às vezes tenho que dublar cinco, seis, sete personagens por jogo. É muito diferente e é muito desgastante. Você tem que cuidar da sua garganta ou não consegue terminar”, diz

Redd Pepper foi descoberto enquanto era maquinista no metrô de Londres / Reprodução
Redd Pepper foi descoberto enquanto era maquinista no metrô de Londres / Reprodução

O jogo que Redd relembra com mais afeto de ter participado é “Shadow Man”, da Nintendo, lançado nos anos 1990. Outra de suas aventuras profissionais veio através de um convite de ninguém menos que Tim Burton, cineasta de “Edward Mãos de Tesoura” e “A Noiva Cadáver”. 

“O Tim me ligou e disse que tinha ouvido falar que eu tinha uma voz muito boa e que eu sabia fazer uns barulhos esquisitos. Eu perguntei a ele por que ele não usava os sintetizadores e ele disse que queria a minha voz natural. Ele disse ‘faça uns sons que pareçam que você está morrendo, mas continua vivo’. Eu fiquei sem saber o que fazer. Estava rodeado por 20 microfones e fiz uns barulhos estranhos. Eu não sei de onde aquilo veio mas, para mim, era como música”, reflete, “A voz é o instrumento que temos para poder falar. Eu posso me adaptar a sotaques, posso fazer voz de uma garotinha, de um cara malvado ou de um pai. Nós conseguimos adaptar porque ela é um instrumento, como na música. É lindo, mas você tem que saber ouvir os outros, ter empatia, ter paixão, ter calor humano, mas também um pouco de raiva para se expressar”, afirma. 

Redd conta que não costuma jogar os games dos quais participa. Ele diz que a cabeça e os olhos já não dão conta de tantos estímulos visuais (‘Eu estou ficando velho. Já sou um avô”). Em alguns momentos, ele chega até mesmo a esquecer que participou de um ou outro jogo. 

“Às vezes eu nem percebo que estou em um jogo até que meu filho me grite do quarto dele (‘Pai, você está no jogo!’). Eu nem lembro. De repente vejo que sou realmente eu”, conta Redd, que é pai de seis filhos. Apesar da voz incrível, ele diz não saber cantar. Até tentou, mas não deu certo. No mundo da música, só se atreve a imitar Barry White.

“Eu sei fazer um bom Barry White falando, mas se eu tiver que cantar, não sou um bom cantor. Música vem da sua alma, todo tipo de música é uma forma de se expressar e assim também é a sua voz: expressão”, filosofa ele, que também toca violão.  

Se engana quem acha que Redd só trabalha com filmes e jogos. O locutor britânico também já narrou sorteios na Itália, à convite da loteria local, e já passou oito horas fingindo ser a voz automática dentro de uma máquina de refrigerante em Piccadilly Circus, na região central de Londres. 

“A NFL iria jogar um jogo em Wembley, Dolphins x Jaguars, e a Pepsi pediu para eu ficar o dia inteiro fingindo ser a voz de uma máquina de refrigerante. Foi cansativo, mas muito divertido. As pessoas achavam que era algo gravado, mas não, era eu ali por oito horas. Eu não mudaria minha vida por nada no mundo. Eu amo esse trabalho. É divertido, é engraçado, me faz rir e me faz perceber que trabalho incrível que eu tenho”, afirma.

Background

Relacionados

Canais Especiais