Maybelle Carter: conheça a mãe de todos os violonistas country e folk, heroína da música americana
Inspiração

Maybelle Carter: conheça a mãe de todos os violonistas country e folk, heroína da música americana

Publicidade

Se alguém se referir à família Carter ou aos Carters no século XXI, é provável que se faça uma relação automática a Beyoncé, Jay-Z e aos três filhos do casal. Na maioria das décadas do século XX, no entanto, não era assim.  Sim, existe a família de Jimmy Carter , que foi presidente dos EUA entre 1977 e 1981. Mas quem comentasse sobre a Carter Family com certeza estava falando sobre um grupo de música country formado em 1927 em Maces Spring, no estado da Virgínia. Nesse grupo estava a violonista Maybelle Carter (1909-1978), influência monumental tocando seu Gibson L-5.  Ela tocou no trio original até 1944, depois rodou seu país ao lado das filhas, como Mother Maybelle and the Carter Sisters, e depois voltou a se apresentar com sob o nome Carter Family.

LEIA MAIS: Série da NPR celebra Billie Holiday, Ella Fitzgerald, Bessie Smith e outras cinco mulheres que 'inventaram a música americana'

VEJA TAMBÉM: Mary Wilson, das Supremes, revê em livro o glamour do grupo mais bem vestido dos anos 1960

Apesar da imensa influência e do reconhecimento na esfera country e folk, Maybelle sequer é citada em algumas das listas mais respeitadas de "melhores guitarristas ou violonistas de todos os tempos". Em uma reportagem da "NPR", a rádio estatal americana, que trabalha para corrigir falhas desse cânone a partir de uma série de podcasts, a cantora e compositora americana Tift Merritt escreveu a respeito do constante apagamento de mulheres fundamentais para a história da música. 

"No ranking de 100 melhores guitarristas da 'Rolling Stone', lançada em 2015, apenas duas mulheres estão listadas: Bonnie Raitt, na 89ª posição, e Joni Mitchell, na 75ª. Na da revista 'Spin', de 2012, o número é ligeiramente maior, com nove mulheres citadas — entre elas, Carrie Brownstein, na 39ª colocação, e PJ Harvey, na 27ª. O ranking da 'Guitarworld', por sua vez, não destaca uma mulher sequer. Nem Sister Rosetta Tharpe, Elizabeth Cotten, Bobbie Gentry ou Maybelle Carter", disse Tift.

É inaceitável, como lembrou Tift, que artistas da importância de Maybelle sejam "esquecidas" pelas gerações futuras. Principalmente porque ela basicamente formatou, junto de seus companheiros de banda, o gênero country como um dos pilares da música feita nos EUA. 

 Maybelle Carter tocando uma auto-harpa enquanto sua filha, Helen, dedilha o violão em uma performance em Virginia, nos EUA, em agosto de 1977/Getty Images
Maybelle Carter tocando uma auto-harpa enquanto sua filha, Helen, dedilha o violão em uma performance em Virginia, nos EUA, em agosto de 1977/Getty Images

"É impressionante. Se nem Maybelle, que é a mãe da música country, está citada nesses tipos de lista, imagine as outras mulheres. Elas não têm nenhuma esperança de figurar nesses locais", lembrou Tift, que descreveu a artista como "uma revolucionária quieta". "De fato, Maybelle não iria se importar de não estar nesses rankings. Ela não ligava para esse tipo de coisa de celebridade. Era maior do que isso, era mais do que uma guitarrista: ela era uma parceira de banda perfeita", completou. 

Ainda é preciso destacar que a violonista também era mãe, tendo criado suas três filhas, Helen, Anita e June (1929-2003), na estrada, enquanto viajava para fazer shows. Nessas andanças pelos EUA, Maybelle salvou a vida de Johnny Cash de si mesmo (entre outros fatos, a partir do casamento dele com June) e ensinou ao mundo um jeito especial de tocar guitarra acústica — seu estilo, baseado em indicador e polegar, ficou conhecido como "Carter Scratch". Entre seus "discípulos" estão outros  grandes nomes do country como Merle  Travis (1917-1983), Chet Atkins (1924-2001) e Joan Baez.  Na verdade, quando surgiu, a Carter Family tocava algo que nem se definia com o rótulo country, era algo como "gospel das montanhas".

"É importante destacar que ela fez tudo isso numa era que não tinha internet, aplicativos de delivery ou até mesmo o feminismo. Então Maybelle é basicamente uma mulher osso duro de roer. Uma verdadeira heroína", declarou Tift, enquanto, na sequência, agradecia à artista por seu uma pioneira à frente de seu tempo.

Se você chegou até aqui sem admirar Maybelle Carter, basta conferir sua performance tocando "Wildwood Flower" — ou concentrar a atenção no trecho entre 1:07 e 1:30 no vídeo abaixo.

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest