No dia 7 de fevereiro de 1966, era publicada a primeira revista séria sobre música pop
Especial

No dia 7 de fevereiro de 1966, era publicada a primeira revista séria sobre música pop

0

Publicidade

"Você está vendo a primeira edição de uma revista de crítica de rock and roll. A Crawdaddy não trará nem beldades nem notícias curtas, a especialidade desta revista são textos inteligentes sobre a música pop". Assim apresentava-se a primeira edição da revista "Crawdaddy", lançada no dia 7 de fevereiro de 1966, a primeira publicação que cogitava falar a sério sobre música pop, especialmente sobre o principal gênero do período, o rock.

LEIA MAIS: Em 1978, o Joy Division fazia seu primeiro show

PINK FLOYD: David Gilmour vai leiloar 120 guitarras e algumas delas são lendárias

A revista norte-americana começou como um fanzine guiado pelo jornalista Paul Williams. Ele começou a publicação de forma quase amadora, a partir de uma experiência que teve ainda adolescente, com uma publicação semelhante de ficção científica chamada "Within". A revista era mimeografada — um tipo de impressão em massa que antecedeu a fotocópia — e vendida em bancas de jornal, com tiragem mensal. O título fazia referência à casa de shows em que os Rolling Stones eram a banda residente e trazia textos de nomes que ficariam consagrados futuramente como a primeira geração de críticos de rock dos EUA, como Jon Landau, Sandy Pearlman, Richard Meltzer e Peter Knobler. Este último tornaria-se o principal editor da revista após a saída de Williams, em 1969.

Antes da "Crawdaddy", a música pop não tinha uma crítica especializada. Esta dividia-se entre os críticos de música erudita e de jazz, que se colocavam à distância das músicas que tocavam no rádio e frequentavam as paradas de sucesso. As publicações de música pop eram voltadas ou para o mercado — anunciando lançamentos, contratações e agenda de shows — ou com a vida particular dos artistas, como revistas de fofoca. A chegada da "Crawdaddy" em 1966 mudou radicalmente este cenário. Ela inspirou revistas que se tornaram as principais publicações musicais da década seguinte (a "Rolling Stone" e a "Creem"), os tabloides semanais ingleses e os jornais norte-americanos, que passaram a dar espaço para críticas mais aprofundadas sobre discos e concertos de bandas de rock.

A saída de Williams suspendeu a publicação por um ano, quando foi retomada por Knobler num formato mais comercial, atingindo um público maior e estabelecendo tiragem e periodicidade constantes. Um dos principais feitos da revista foi descobrir Bruce Springsteen — foi a primeira publicação a dar atenção ao futuro astro, num longo perfil feito em 1972, além de se aprofundar na morte do pioneiro do country rock Gram Parsons.

A revista funcionou até 1979, quando mudou seu enfoque editorial para abranger temas como política, esportes, cinema e comportamento com um novo título, "Feature". O novo formato só resistiu a cinco edições. A revista foi retomada de forma artesanal por Williams em 1993, publicando esporadicamente versões impressas até 2003. Em 2006, ele vendeu todo o conteúdo para a editora Wolfgang's Vault, que relançou a publicação como um fanzine diário online, com espaço para ouvir música e assistir a vídeos no meio das matérias, um marco na época. A partir de 2011 a revista tornou-se um blog dentro da revista online Paste, que hoje é dona do conteúdo e da marca.

Eric Clapton ilustra uma das edições da Crawdaddy / Foto: Reprodução
Eric Clapton ilustra uma das edições da Crawdaddy / Foto: Reprodução

7 de fevereiro de 1964: A Beatlemania invade os EUA

O voo 101 da Pan Am chegou no aeroporto JFK trazendo John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr pela primeira vez para o outro lado do Atlântico. Os Beatles já eram um fenômeno popular no Reino Unido e na Europa e a partir de 1964 dariam seu maior salto de popularidade ao começar uma série de apresentações, ao vivo e em programas de TV, nos Estados Unidos. A chegada do grupo naquela data era um bom termômetro do que eles esperavam: cinco mil fãs foram ao aeroporto para recebê-los, algo que nunca havia acontecido nem com personalidades políticas, celebridades ou astros do esporte.

Quem nasceu

1901 — Clementina de Jesus, cantora fluminense (m. 1987)

1932 — Rogério Duprat, maestro carioca (m. 2006)

1949 — Alan Lancaster, baixista do grupo inglês Status Quo

1952 — Pepeu Gomes, cantor e músico baiano

1962 — David Bryan, tecladista do grupo norte-americano Bon Jovi 

1962— Garth Brooks, cantor norte-americano de música country 

1972 — Amon Tobin, DJ e produtor musical carioca

1974 — Danny Goffey, baterista da banda inglesa Supergrass 

1974 — J Dilla, nascido James Dewitt Yancey, produtor e MC norte-americano de hip hop (m. 2006)

1975 — Wes Borland, guitarrista da banda norte-americana Limp Bizkit

Quem morreu

1959 — Guitar Slim, nascido Eddie Jones, guitarrista norte-americano de blues (n. 1926)

2000 — Big Punisher, nascido Christopher Lee Carlos Rios, MC norte-americano (n. 1971)

2014 — Nico Nicolaiewsky, músico, compositor e humorista gaúcho do grupo Tangos e Tragédias (n. 1957)

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais