O superfã, cover e amigo brasileiro de Eddie Vedder, do Pearl Jam
Especial

O superfã, cover e amigo brasileiro de Eddie Vedder, do Pearl Jam

Publicidade

Sergio Henrique Barreiro de Almeida, de 33 anos, mais conhecido como Sergio Vedder, realizou o sonho de todo fã que também é músico: dividir o palco com o ídolo. E não foram uma, nem duas, mas sim três vezes, só no Brasil. O vocalista da Blaymorphed, banda tributo ao Pearl Jam, e luthier cantou ao lado do frontman Eddie Vedder e entregou uma guitarra fabricada com suas próprias mãos ao cantor. Depois disso, o paulista se tornou uma referência admirada e querida pelo astro em terras brasileiras.

SORTE: Fã do Foo Fighters perde show ao salvar vida de desconhecida, mas conhece Dave Grohl por acaso no dia seguinte

LEIA TAMBÉM: Você sabia que rifas podem te ajudar a conhecer o seu ídolo?

Mas para contar essa história, o ideal é voltar ao passado. Foi durante as famigeradas rodinhas de violão dos intervalos do colégio que Sergio e os amigos, adolescentes nos anos 1990, pegaram gosto pelo grunge. Como ainda não sabia tocar nenhum instrumento, Sergio decidiu soltar a voz e chamou atenção pela similaridade vocal com Eddie Vedder. Pronto. Dali nasceu a semente da Blaymorphed, oficialmente criada em 2000.

Após 14 anos de banda tributo e alguns shows do Pearl Jam vistos da grade, Sergio fez questão de prestigiar Eddie Vedder durante sua primeira turnê solo na América do Sul, em 2014. Dos três shows do vocalista do Pearl Jam em São Paulo, foi o segundo que marcou o início do contato entre fã e ídolo. Por conta da camisa da banda punk Fear — gosto em comum dos dois — que Sergio vestia, o “Vedder brasileiro” foi chamado para subir ao palco e cantar “Should I Stay Or Should I Go”, da banda inglesa The Clash, junto ao dono da voz de “Even Flow”. “Ver o Eddie me chamando pelo nome me impressionou”, conta Sergio, que ainda conversou e ganhou elogios do ídolo após o show.

Eddie Vedder e Sergio no Citibank Hall, em 2014 / Divulgação
Eddie Vedder e Sergio no Citibank Hall, em 2014 / Divulgação

Sergio voltou a dividir o palco com Eddie no Rio de Janeiro, durante a mesma turnê, e foi presenteado com o microfone e o pedestal que acompanham o frontman americano desde seu primeiro show solo, realizado em 2008. “Eu nunca conheci ninguém como você”, disse Eddie, que tornou-se grande admirador do trabalho de luthier — profissional que restaura, conserta e fabrica instrumentos musicais — também desenvolvido pelo cantor paulista. 

Sim, porque foi assim que Sergio construiu a "Brazilcaster": uma guitarra feita a partir de madeiras e peças 100% nacionais, pintada com as cores da nossa bandeira e dada de presente a Eddie Vedder durante a passagem do Pearl Jam pelo país em 2015. O instrumento foi usado por Eddie durante o restante dos shows daquela turnê e voltou a aparecer na apresentação da banda no Lollapalooza Brasil 2018, em março.

Nesta mais recente vinda do Pearl Jam ao Brasil, Sergio foi convidado pela banda a assistir, do palco, ao show do Maracanã, no Rio, ao lado de amigos e familiares dos integrantes. “A gente troca muito respeito, muito carinho, muita gratidão”, conta Sergio, chamado de “grande estudante” pelo próprio Eddie. “Algo que nos aproxima bastante é esse respeito que eu tenho por ele como ser humano”, diz o cantor brasileiro. “Ele é meu professor”.

Neste ano, Sergio voltou a dividir o palco no show solo de Vedder para cantar “Black”, em São Paulo, e acompanhou a turnê europeia do Pearl Jam junto com a namorada, Gisele. “Se gratidão fosse uma moeda, eu seria o cara mais rico do mundo”, diz o músico, que também leva os valores transmitidos pela banda adiante. “Tento passar a mesma mensagem de amor, de respeito ao próximo e de igualdade que eles passam”.

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais