Nick Mason lembra Syd Barrett e diz que canções antigas do Pink Floyd são novas para público dos EUA
Entretenimento

Nick Mason lembra Syd Barrett e diz que canções antigas do Pink Floyd são novas para público dos EUA

Há dois anos, Nick Mason, o ex-baterista do Pink Floyd, reuniu amigos músicos e criou a Saucerful of Secrets. A ideia era gravar um material que remetesse aos primeiros anos do Pink Floyd, aproveitando uma demanda de novos fãs. "O público americano começou com o 'Dark Side Of The Moon'. Éramos muito menos conhecidos nos primeiros dias", afirma Nick em entrevista ao "Herald Scotland".

Nick, um dos membros fundadores do Pink Floyd, que também incluía o falecido Syd Barrett (1946-2006) e Richard Wright (1943-2008), diz que cansou de esperar por uma nova reunião. Já que Roger Waters e David Gilmour não se manifestaram, o baterista tratou de procurar um outro caminho: formar uma nova banda. "Sim, acho que é cada vez menos uma nova reunião provável, o que leva à desistência e a dizer: 'vamos fazer algo por conta própria'. Eu até poderia esperar até os 100 anos, tudo é possível", diz o músico.

Lee Harris, Guy Pratt, Nick Mason e Gary Kemp tocam com Nick Mason's no Roundhouse, em Londres. Foto: Getty Images
Lee Harris, Guy Pratt, Nick Mason e Gary Kemp tocam com Nick Mason's no Roundhouse, em Londres. Foto: Getty Images

Criada em 2018 por Nick, o guitarrista e vocalista Gary Kemp, do Spandau Ballet; o baixista Guy Pratt, músico de apoio do Floyd nas turnês "A Momentary Lapse Of Reason" e "Division Bell"; o guitarrista Lee Harris, ex-Blockheads; e o tecladista Dom Beken, do The Orb, a Saucerful of Secrets captura a energia psicodélica do período que antecede o "Dark Side Of The Moon". O nome da banda é o mesmo do segundo disco do Floyd, lançado em 1968.

A banda fez uma série de shows em maio de 2019 e registrou, ao vivo, a apresentação no Roundhouse, em Londres. Por conta da pandemia, o lançamento do CD, vinil e DVD foi adiado para setembro e a turnê, para outubro.

O "Live At The Roundhouse" registra Nick, que continua sendo o único músico a ter tocado em todos os álbuns do Pink Floyd, voltando ao cenário de uma apresentação precoce da banda. "A Roundhouse é um edifício muito estranho. Originalmente era um pátio ferroviário de manobras e depois virou um depósito de gim. Quando o Pink Floyd tocou lá pela primeira vez em 1966, o chão era de terra e eles tinham acabado de tirar o estoque de bebidas. Foi uma noite bastante selvagem", lembra Nick.

O álbum tem 22 músicas, incluindo músicas compostas por Syd, como "Astronomy Dominé", "Lucifer Sam", "Arnold Layne" e "See Emily Play", e também "Fearless" e "Set the Controls for the Heart of the Sun", os dois primeiros singles. Faixas que agora estão sendo "apresentadas" a um novo público. Isso porque o baterista diz que os americanos não conhecem bem o material antigo do Floyd. "Eles começaram com o 'Dark Side Of The Moon', éramos muito menos conhecidos do que no Reino Unido e na Europa", afirma.

Sobre Syd (1946-2006), que saiu da banda em 1968 por problemas com as drogas, Nick fala que ele era capaz de transitar facilmente entre dois ou três gêneros musicais com o mesmo talento. "Ele conseguia escrever algo folk bastante engenhoso como 'The Scarecrow', e também apresentar algo como 'Astronomy Dominé' (talvez a mais psicodélica da banda)", compara.

Syd é uma das figuras mais enigmáticas do rock. Ele lançou "Barrett", seu segundo álbum solo, em 1970 e daria sua última entrevista no ano seguinte. "Estou desaparecendo", disse à "Rolling Stone". "É um pouco como o James Dean. Acho que o mistério de Syd é que ainda não sabemos e provavelmente nunca saberemos o que deu errado para ele", diz Nick.

Roger Waters, Nick Mason, Syd Barrett e Rick Wright em 1967. Foto: Getty Images
Roger Waters, Nick Mason, Syd Barrett e Rick Wright em 1967. Foto: Getty Images

O baterista lembra das diferentes teorias para os surtos de Syd — esquizofrenia, por exemplo, que nunca foi confirmado pela família. "Existem algumas teorias diferentes sobre uma overdose de LSD ou algum elemento na saúde mental dele mesmo, que já estava mostrando alguns sinais de colapso. Também deve ser lembrado que ele realmente não queria estar em uma banda e, sim, pintar. Acho que éramos muito antipáticos em relação a isso, porque não podíamos imaginar alguém que não quisesse fazer parte de uma banda de rock”, lembra.

Um quadro que foi se agravando com o consumo cada vez maior de drogas, chegando ao ponto de não reconhecer mais os amigos e não saber onde estava. “Ele ficou extremamente retraído e deixou de ser uma pessoa alegre. Ele não queria mais tocar. Sua música tinha se tornado totalmente desestruturada, ele desafinava a guitarra durante as músicas", conta.

Antes de se apresentar com a Saucerful of Secrets, o show anterior de Nick tinha sido a performance "Live 8" do Floyd em 2005. “Esse foi um momento muito emocionante, o que foi ótimo, fomos capazes de nos unir e superar diferenças para o bem comum e não por dinheiro”, define, lembrando o reencontro da banda no Hyde Park, em Londres, com a formação clássica pela primeira vez desde 1981.

Tags relacionadas:
EntretenimentoPink FloydRock

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest