Playing For Change Day reúne João Donato, Zé Renato, MPB4, Hyldon e mais de 100 artistas em edição especial 'Brasil At Home'
Inspiração

Playing For Change Day reúne João Donato, Zé Renato, MPB4, Hyldon e mais de 100 artistas em edição especial 'Brasil At Home'

O Playing For Change Day é um movimento que mobiliza artistas e produtores voluntários em todo o mundo. Com apoio do Playing For Change e de sua fundação, acontece sempre em setembro mas, com a pandemia e a necessidade de ajudar as comunidades, os organizadores do Rio resolveram antecipar e fazer uma edição virtual, ampliando o leque de participantes. Serão mais de 100 apresentações de sábado (30/5) a domingo (31/5), entre elas, de João Donato, Zé Renato, Hyldon, MPB4, Detonautas, Cris Delanno, Chico César e de muitos artistas independentes.

Com o objetivo de arrecadar doações para a Playing For Change Fundation — que tem escolas de músicas para crianças carentes em 11 países — e a Fundação São Martinho/Centro de Música Jim Capaldi, o "Playing For Change Day Brasil At Home" vai apresentar uma sequência ininterrupta de shows e clipes das 12h de sábado (30/5) até às 19h de domingo (31/5) na plataforma Gargarejo Live e no Youtube.

Cris Delanno é uma das cantoras que se apresentam no Playing For Change Day. Foto: Reprodução faceboo
Cris Delanno é uma das cantoras que se apresentam no Playing For Change Day. Foto: Reprodução faceboo

O evento, que tem como característica shows em espaços públicos, dessa vez será virtual, com cada participante em sua casa ou estúdio. "Nós decidimos antecipar porque vimos que agora era hora de conseguir recursos para ajudar essas instituições, que sofrem com a pandemia. O formato virtual permitiu que tivéssemos não só artistas locais, mas também de outros estados e países", conta o jornalista e curador Affonso Nunes em entrevista ao Reverb.

Com uma média de cinco artistas a cada hora, o Playing For Change Day terá a participação de nomes consagrados, como Leila Maria, Da Ghama, Pedro Miranda, George Israel e Victor Biglione. A lista de artistas independentes é variadíssima e há ainda os estrangeiros e brasileiros radicados fora, como a cantora Érika Machado e o violonista Felipe Barão, que estão em Portugal, e o cantor Baia, que mora nos Estados Unidos. "São mais de 100 artistas que farão apresentações de 10 minutos na média. A maioria participa com material pré-gravado para evitar problemas técnicos, mas teremos algumas lives também. Alguns vêm com material inédito, como Carlos Coelho, o guitarrista do Biquini Cavadão, que vai mostrar o clipe de 'We'll Roll On', seu novo single", exemplifica Affonso.

Jana Linhares apresenta uma música inédita no domingo. Foto: Serginho Bittencourt
Jana Linhares apresenta uma música inédita no domingo. Foto: Serginho Bittencourt

A cantora e compositora Jana Linhares vai participar do projeto no domingo, por volta das 14h. Ela diz que o PFCDay é muito importante, pois a educação musical em comunidades carentes tem o poder de fazer a diferença entre uma possibilidade de futuro. "Vou dar uma pequena mostra de meu trabalho, cantando 'Encantamento Do Sonho', parceria com Penna Firme, e 'Casa De Rainha', que fiz com Ilya, faixa inédita do disco que estou fazendo. Farei também uma homenagem a Nelson do Cavaquinho com 'A Flor E O Espinho'", conta Jana.

A manhã de domingo será reservada para o PFCDay Kids e Teen, com apresentação de artistas infantis e os adultos que têm trabalhos voltados para as crianças. Um deles é Zé Renato, que se apresenta por volta das 19h do sábado e retorna no domingo às 10h dando uma palhinha de um novo projeto.

Zé Renato faz apresentações no sábado e no domingo, quando canta duas músicas de seu novo projeto infantil. Foto: Beatriz Giacomini
Zé Renato faz apresentações no sábado e no domingo, quando canta duas músicas de seu novo projeto infantil. Foto: Beatriz Giacomini

Na parte "adulta", ele vai cantar "Ânima" (parceria com Milton Nascimento), "Papo de Passarim (com Xico Chaves) e a linda "Toada" (com Claudio Nucci e Juca Filho). Sobre o repertório infantil, ele diz: "Além de 'A Casa' (Vinicius de Moraes), vou apresentar 'Água Pra Quê?', que fiz com Ivan Santos, e 'Pra Chover Mais Peixe', parceria com Pedro Luís, que são do projeto ainda inédito chamado 'Água pras Crianças'". Dentro desse universo, ele lançou, anteriormente, "Samba Pras Crianças" (2003) e "Forró pras Crianças" (2006).

O músico, que vai fazer uma live na terça (2/6), às 19h, pelo projeto Sesc Ao Vivo, transmitida também por seu Instagram e Youtube, diz que está aproveitando a quarentena para estudar e aprender mais músicas. "Não sei bem o que pode vir daí, estou até me arriscando como solista no violão, algo que não faço normalmente", revela. Zé ressalta que ter a música como profissão ajuda bastante a aliviar o sofrimento causado pela pandemia. "Aliás, não só a pandemia, mas o pandemônio político que cerca a gente, esse desprezo pela vida humana que as pessoas que deveriam estar cuidado da população demonstram todos os dias. É impossível ficar imune, mas a música nos salva", afirma Zé.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest