Por onde anda: Nina Hagen, a garota de Berlim que largou o punk, cantou gospel, virou musa de um time operário e voltou ao cabaré
Entretenimento

Por onde anda: Nina Hagen, a garota de Berlim que largou o punk, cantou gospel, virou musa de um time operário e voltou ao cabaré

Se quase ninguém conhecia nem tinha ouvido uma música sequer de Nina Hagen naquele distante 1985, o Rock In Rio deu um jeito nisso. A cantora alemã levou o público à loucura em suas duas apresentações. A potência vocal de mezzo-soprano, aliada à sonoridade eclética de sua banda e a um visual excêntrico — cabelão rosa, maquiagem colorida e um figurino que incluía um maiô de couro preto — marcou definitivamente aquela primeira edição do festival. Nas entrevistas à televisão brasileira, se deixou "explorar" e abusou do lado histriônico/maluquete (confira aqui).

Além do sucesso no palco do Rock In Rio, onde um dos pontos altos foi uma versão apimentada de "My Way", de Frank Sinatra, Nina participou de uma gravação com a Banda Tokyo, de Supla — com quem teve um rápido namoro. "Garota de Berlim", do disco "Humanos", foi uma das músicas mais tocadas nas rádios brasileiras nos dois anos seguintes.

Catharina "Nina" Hagen nasceu em Berlim Oriental no dia 11 de março de 1955. Sua mãe, Eva Maria Hagen, era atriz e seu padrasto era o poeta, compositor e dissidente Wolf Biermann. Com 17 anos, Nina começava a ser conhecida por sua voz marcante nas bandas Automobil e Fritzens Dampferband. Em 1974, foi escolhida como a melhor cantora jovem da RDA e dois anos depois atravessou o muro de Berlim devido a problemas políticos de seu padrasto, que também era músico.

Em 1978 lançou seu primeiro álbum, "Nina Hagen Band", com 10 das 11 faixas de sua autoria. O jeito punk, seus textos diretos e agressivos, bem como a sua voz marcante - é uma das pioneiras na adição de elementos líricos ao rock, sendo que aos 13 anos já era considerada uma revelação da ópera - são as marcas mais fortes de sua carreira de mais de 40 anos.

Nina Hagen na época do lançamento de seu primeiro disco, no final dos anos 1970. Foto: Getty Images
Nina Hagen na época do lançamento de seu primeiro disco, no final dos anos 1970. Foto: Getty Images

Salmos, cover de Depeche e feat. com Apocalyptica

Com mais de 15 álbuns, Nina é considerada a "mãe do punk" na Europa, mas já explorou vários estilos musicais, com elementos de rock clássico, punk rock, blues, música eletrônica, música erudita e até mesmo reggae. Paralelamente, trilhou na Alemanha uma importante carreira de atriz e dupladora na TV e cinema.

Em 2003, colaborou com o grupo finlandês Apocalyptica em faixa de boa repercussão, "Seeman" (assista ao clipe).

Em 2009 ela se converteu ao protestantismo e, no ano seguinte, surpreendeu com um novo estilo: gospel. No álbum "Personal Jesus", ela cantava salmos e preces em canções como "Take Jesus With you", "Just A little Talk With Jesus" e a versão do clássico de Depeche Mode que dá nome ao disco. Seu último disco, "Volksbeat", de 2011, seguiu a mesma linha, mas também com mensagens fortes condenando guerras, forças nucleares e defendendo os direitos civis.

Torcedora-símbolo de time de operários

A artista é vegetariana e uma das figuras mais representativas da organização de defesa dos animais PETA. Seu engajamento social é tão forte que chegou até aos campos de futebol. Ela foi uma das pessoas que contribuíram nas campanhas para ajudar o Union Berlin, inclusive gravando o hino do time. O clube fundado em 1906 tem uma história ligada à classe trabalhadora e ao combate ao autoritarismo. Em 2019 finalmente chegou à primeira divisão do futebol alemão.

Madrinha do punk em tema de exposição

Em outubro do ano passado, uma grande exposição foi inaugurada no Museu do Teatro de Hannover em homenagem a Nina Hagen, que completa 65 anos em março. São cerca de 460 objetos organizados pelo fã Arne Buhrdorf, podem ser vistos até domingo. Apaixonado pela artista, o alemão tem uma coleção que inclui mais de 3 mil objetos: fotos, pôsteres, recortes de jornais, roupas, capas de revistas, artigos de fãs como lenços, travesseiros e até um jogo de cartas. A exposição tem muitos vídeos e áudios, como trechos do filme "Nina Hagen — Madrinha do Punk", de 2011.

Nina Hagen no espetáculo com músicas e textos de Bertold Brech no Berliner Ensemble Theatre. Foto: Getty Images
Nina Hagen no espetáculo com músicas e textos de Bertold Brech no Berliner Ensemble Theatre. Foto: Getty Images

Em Berlim, tudo acaba em cabaré

Se no Brasil ela não deu mais as caras, na Europa, Nina não para de trabalhar. Ano passado participou do badalado festival Jazz Days Dresden e atualmente está em turnê com um espetáculo com textos e canções do dramaturgo e poeta alemão Bertold Brecht (1898-1956). O programa também inclui composições próprias de Nina para poemas de Goethe (1749-1832) e da dramaturga e poeta Else Lasker-Schüler (1869-1945), além de músicas de Bob Dylan, Leonard Cohen (1934-2016) e Wolf Biermann. "Este é um apelo apaixonado pela atualidade, a verdade, a urgência e a singularidade das mensagens de paz em muitas das músicas e letras retiradas de várias peças de Bertolt Brecht ", define Nina, que na adolescência, na Alemanha Oriental, foi integrante de um grupo clandestino de cabaré chamado Die Knoblauchraspel (Os Espremedores de Alho). Como boa "garota de Berlim", ela rodou, rodou e acabou de volta ao cabaré, tradição da antiga capital alemã.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest