Por que as pessoas odeiam Yoko Ono?
Especial

Por que as pessoas odeiam Yoko Ono?

Todo beatlemaníaco incorrigível sabe que essa categoria de fanáticos pode ser dividida em dois grupos através da opinião a respeito de Yoko Ono. Quem ainda afirma que Yoko acabou com os Beatles, que sua música é ruim por não ser convencional e principalmente quem acredita se tratar de uma oportunista precisa rever seus conceitos. Assim, possa talvez parar de reproduzir um vocabulário simplista, pobre e um tanto machista a respeito de uma grande artista.

A verdade é que a trajetória e principalmente o trabalho de Yoko Ono poderiam jamais ter cruzado com os Beatles que continuariam relevantes e merecedores de um lugar de destaque na história da arte do século XX. Antes de se apaixonar e se casar com John Lennon, no fim da década de 1960, Yoko já era uma performer, artista plástica e poeta importante, com um caminho profissional verdadeiramente pungente, que havia trabalhado com nomes como John Cage, Morton Feldman, La Monte Young, o grupo Fluxus, além de uma série de artistas experimentais japoneses.

Muito é dito a respeito de como John e Yoko se conheceram, mas a verdade é que os fatos ao redor de tal encontro efetivamente pouco importam. Duas pessoas se apaixonaram, como diariamente acontece em cada bairro de cada cidade. Ocorre que uma dessas pessoas era o artista mais famoso do mundo na época, e a outra era uma mulher japonesa que estava, com o perdão do clichê, à frente de seu tempo. E o mundo jamais os perdoou essa combinação.

A maneira com que Yoko é tratada pelos historiadores de música ao escreverem sobre os Beatles pode ser vista como um termômetro do próprio machismo, sexismo e da desigualdade de gênero do mundo. Os bons livros, porém, apontam o óbvio: quem acabou com a banda foi a própria banda, e mais precisamente, John Lennon e Paul McCartney e as brigas financeiras e empresariais. A pressão era demais, o tempo havia passado, todos estavam cansados, e era hora de seguir em frente.

Yoko Ono é uma artista que, em verdade, recebeu contra ela por toda sua vida um ódio proporcional ao seu brilhantismo e sua coragem

Supor, afinal, que os dois mais importantes compositores da história da música pop permitiriam que outras pessoas que não eles dois – excluindo, inclusive, George Harrison e Ringo Starr de tal conta – acabassem com a banda é, para dizer o mínimo, ingênuo. A verdade é que Yoko ajudou Lennon a se tornar um artista mais complexo, desafiador, não-convencional e, acima de tudo, vivo, minimamente são e produzindo, em um momento que as drogas e a própria loucura da época, de seu sucesso e de sua cabeça possivelmente o levariam ao ocaso ou à morte.

A forte influência de Yoko sobre John é algo que o mundo deveria celebrar, admirar e perceber nas interessantes performances, peças musicais, provocações artístico-políticas, trabalhos plásticos e nos discos de ambos, a partir de 1968 até o assassinato do ex-beatle, em dezembro de 1980. Para além disso, trata-se somente de uma confusa, complexa, um tanto louca, intensa e interessante história de um casal – que calhou de acontecer sob os holofotes e olhares do mundo.

O não-conformismo, a rebeldia, a provocação ao status quo político, social, sexual e comportamental colocam em verdade Yoko Ono não só como uma corajosa feminista vinda de uma família tradicional japonesa, como uma importante e influente cantora e compositora – mesmo tendo o mundo contra ela. Sem pedir licença a ninguém, Yoko foi punk antes do punk, foi new wave quando o punk ainda engatinhava. Os gritos, as guitarras barulhentas em noise, a rejeição ao establishment, está tudo lá – e com a impulsividade e a autonomia que viriam a definir o slogan punk do “faça você mesmo”.

Yoko fez a música pop se aproximar das vanguardas musicais e artísticas com naturalidade, sabendo se tratar também de um gesto ético, social, político. Sua influência sobre Lennon só pode ser rejeitada por alguém que não o admirava como realmente era: indomável, inconformado, revolucionário e provocador como ele sempre quis de fato ser – e incomodar aos ouvidos e espectadores conservadores ou acomodados é parte essencial de tal influência. Pattie Smith, Blondie, Sonic Youth, Gang of Four, e mesmo Madonna, Joan Jett, St. Vincent e Lorde transitaram ou transitam por caminhos pavimentados por Yoko Ono – uma artista que, em verdade, recebeu contra ela por toda sua vida um ódio proporcional ao seu brilhantismo e sua coragem.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest