Principais salas de concerto da Europa reabrem com restrições
Entretenimento

Principais salas de concerto da Europa reabrem com restrições

Nos Estados Unidos, um fiapo de esperança surgiu mês passado com a realização do primeiro show de rock sob as restrições da pandemia. Agora, na Europa e em outros pontos do mundo, salas importantes começam a anunciar concertos para os próximos meses, numa tentativa de retorno, pelo menos parcial, à rotina de apresentações das orquestras.

A Orquestra Sinfônica Nacional de Taiwan foi a primeira a voltar à atividade. O concerto feito em 24 de maio deu sinal para uma possível retomada das atividades na música clássica. "A situação está muito boa aqui agora em Taiwan. O governo deseja que todos voltem à vida normalmente. É um momento de orgulho poder compartilhar uma apresentação ao vivo novamente com pessoas de todo o mundo, graças ao nosso streaming", disse Lydia Wen-Chen Kuo, diretora executiva da Orquestra, em uma entrevista ao "Financial Times“.

Riccardo Muti vai reger o concerto de abertura do Festival de Ravenna. Foto: Getty Images
Riccardo Muti vai reger o concerto de abertura do Festival de Ravenna. Foto: Getty Images

Esse primeiro concerto teve 30 músicos e uma plateia de 500 pessoas em um salão com capacidade para 2 mil. Já há outra apresentação marcada para o dia 12 de junho com planos para uma formação de 70 ou 80 músicos diante de mil pessoas.

Na Europa, várias orquestras começam a anunciar seu retorno. A Filarmônica de Viena volta ao Musikverein sob regência de Daniel Barenboim no dia 5 de junho. O programa vai apresentar o "Concerto para Piano nº 27" de Mozart e a "Quinta Sinfonia" de Beethoven. O público de, no máximo, 100 convidados, será formado por familiares e apoiadores da orquestra — os concertos de assinatura serão retomados apenas em outubro.

Na Itália, o conceituado Festival de Ravenna será reiniciado em 21 de junho, com um concerto de abertura liderado por Riccardo Muti ao ar livre em Rocca Brancaleone, uma fortaleza do século XV. Já a Orquestra Nacional Basca foi a primeira a voltar na Espanha. Os pequenos concertos realizados por 50 músicos, todos sob as diretrizes de distanciamento social — distância de 2 metros e seções de sopros e percussão cercadas por telas — não tiveram público. Tudo foi gravado e está sendo transmitido aos sábados pelo canal de TV ETB2.

AOrquestra Sinfônica da Rádio Sueca até fez uma apresentação durante a quarentena, mas sem a presença de seu diretor musical Daniel Harding. Na sexta-feira (5/6), ela fará seu primeiro concerto com 50 músicos sob regência dele. Também sem audiência, a apresentação será filmada e transmitida ao vivo pela Berwaldhallen Play e pela rádio sueca P2.

Daniel Harding à frente da Orquestra Sinfônica da Rádio Sueca. Foto: Getty Images
Daniel Harding à frente da Orquestra Sinfônica da Rádio Sueca. Foto: Getty Images

Na Noruega, a Orquestra Filarmônica de Bergen volta a se reunir na quinta-feira (4/6) no primeiro de quatro concertos que serão transmitidos pelo site da orquestra. A apresentação do dia 15 será especial, pois marca o aniversário do compositor Edvard Grieg e coincide com a data de afrouxamento do lockdown no país.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest