Rock in Rio 1985: Leoni lembra ‘remoção' de baterista do Kid Abelha que não queria sair do palco, público eufórico e momento pessoal 'me deixa'
Rock in Rio 35 anos

Rock in Rio 1985: Leoni lembra ‘remoção' de baterista do Kid Abelha que não queria sair do palco, público eufórico e momento pessoal 'me deixa'

Julio Gamarra acreditava que o Rock in Rio de 1985 era a grande chance de se consagrar como músico. Baterista do Kid Abelha e os Abóboras Selvagens no festival, o artista peruano esperava que os shows fizessem dele uma estrela. É o que conta Leoni, baixista do grupo naquela época. “No segundo dia, que tudo foi bem, quando acabou o show, ele começou um solo de bateria. A gente saiu e quando viu ele estava lá, sozinho, fazendo um solo”, lembra.. Coube a ele e a Paula Toller fazerem o resgate de Julio. “A Paula tinha uma capa no figurino, nós entramos com ela, colocamos nele, e levantamos ele no banquinho mesmo para fora do palco. Parecia que era encenação, mas era tipo: ‘caralho, o que que aconteceu?’”, se diverte Leoni (assista ao momento no vídeo abaixo, a partir da 35:10)

LEIA MAIS:
VEJA TAMBÉM:
Guto Goffi e Maurício Barros, do Barão Vermelho, relembram shows de 1985

O Kid Abelha se apresentou no festival no dia 15 e no dia 18 de janeiro, dois shows que, assim como aconteceu com o Barão Vermelho, foram bastante diferentes um do outro. No primeiro dia, a lama que marcou aquela edição deixou um gosto um pouco amargo na memória do grupo. “O pessoal enchia copo descartável de terra e lama e jogava no palco. A gente foi muito hostilizado pelas pessoas que estavam na frente, mas a gente via o pessoal que estava atrás dançando e se divertindo”, conta o músico.

O show ficou marcado na história como o primeiro da redemocratização. Tancredo Neves havia sido eleito presidente da República via colégio eleitoral naquele mesmo dia e, para celebrar, a banda entrou no palco atrás de uma grande bandeira nacional. A ovação por parte do público foi imediata: “Brasil, Brasil!”, gritava a plateia. “As pessoas estavam muito felizes. Era um momento importante, apesar de não ter sido um presidente eleito pelo voto direto, mas pelo menos Tancredo tinha ganhado do Maluf, que era o candidato dos militares. Não havia polarização naquele momento, era todo mundo favorável à democracia — e a gente sentiu que tinha essa euforia do público”, diz.

Para Leoni, o Rock in Rio de 1985 foi importante para consolidar o Kid Abelha como uma das maiores bandas do país. No ano anterior, o disco “Seu Espião” já havia estourado com faixas como “Como Eu Quero”, “Por Que Não Eu?”, “Alice (Não Me Escreva Aquela Carta De Amor)” e “Fixação”. “A gente estava muito nervoso com a estrutura de tudo e a possibilidade de algo não funcionar. A gente teve que se adaptar a aquele palco, era algo que não era normal por aqui. Chamamos figurinista, gente para fazer cenário. Só depois do Rock in Rio foi que a gente passou a ter cenário sempre e passou a se preocupar mais com essas coisas”, pondera.

Leoni sentado na escada no palco do Rock in Rio 1985 / Foto: Reprodução
Leoni sentado na escada no palco do Rock in Rio 1985 / Foto: Reprodução

A preparação para o repertório do show foi, de certa forma, uma tarefa fácil. A única dúvida da banda era se tocariam músicas do álbum que seria lançado naquele ano, “Educação Sentimental”. “A gente ficou na dúvida se botava música nova ou não e eu acho que a gente acabou colocando uma, ‘Lágrimas E Chuva’. Mas o primeiro disco estava muito tranquilo para a gente, estávamos direto fazendo muitos shows.”

Se no primeiro dia houve parte dos metaleiros que não recebeu bem a banda, no segundo, tudo correu bem. Para Leoni, um dos melhores momentos da apresentação foi quando percebeu que o público estava cantando junto. O encantamento fez Leoni parar de tocar, quase sendo chamado atenção pelos companheiros de banda. “A gente tinha feito uma escadaria que tinha o nosso logo e quatro metros de altura. Eu mandei fazer um cabo de 15 metros para poder circular por aquele palco grande e eu subi nessa escadaria. Na hora de ‘Como Eu Quero’, quando eu vi a galera toda cantando, eu parei de tocar e fiquei só assistindo o público. Quando eu vejo, está todo mundo (da banda) me olhando tipo ‘toca!’. Eu fiquei maravilhado ali.”

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest