Rock in Rio 35 anos: 35 vídeos incríveis para lembrar a primeira e histórica edição, em 1985
Rock in Rio

Rock in Rio 35 anos: 35 vídeos incríveis para lembrar a primeira e histórica edição, em 1985

Que o primeiro Rock in Rio escancarou o potencial do mercado de música do Brasil para o mundo, os fãs do festival já sabem. Mas além do encanto e das inovações apresentados pela edição de 1985, o legado de sucesso do evento segue forte e em constante reinvenção até hoje, após 35 anos de história. Com o maior palco do mundo para a época (e o primeiro a iluminar a plateia!), duração de dez dias e 31 atrações nacionais e internacionais, o Rock in Rio I completa, neste sábado (11), três décadas e meia de existência com uma coleção de momentos inesquecíveis — e bastante cinematográficos.

Responsável por um line-up que reuniu, no total, mais de 1,3 milhão de pessoas em Jacarépaguá, no Rio de Janeiro, o maior festival de música do planeta gerou material audiovisual capaz de causar fortes palpitações nostálgicas até em quem nem era nascido (ou adulto o suficiente) em meados dos anos 1980.

Em janeiro de 1985, o Rock in Rio I reuniu mais de 1,3 milhão de pessoas durante os dez dias de festival / Foto: Acervo Artplan
Em janeiro de 1985, o Rock in Rio I reuniu mais de 1,3 milhão de pessoas durante os dez dias de festival / Foto: Acervo Artplan

Queen, Ney Matogrosso, Iron Maiden, Kid Abelha, Os Paralamas do Sucesso, AC/DC, Rod Stewart, Ozzy Osbourne, Rita Lee, Whitesnake, Scorpions e Lulu Santos foram apenas alguns dos nomes presentes na edição pioneira do Rock in Rio. Pela grandeza, o aniversário de 35 anos do acontecimento que colocou o Brasil — e a própria América do Sul — na rota dos shows internacionais (e de grandes eventos de música) merece nada menos que um compilado de (também) 35 vídeos para rememorar os nada poucos momentos de tirar o fôlego.

1) A abertura a cargo de Ney Matogrosso

Seminu e saradíssimo aos 43 anos, Ney Matogrosso abre o Rock in Rio I com “América do Sul”, canção de Paulo Machado que conclamava: “Desperta, América do Sul”. Na testa, costurada uma pena do gavião real, que definiu a potência da representativa, política e simbólica apresentação do cantor.

2) Ney Matogrosso e a versão carnavalizada de 'Pro Dia Nascer Feliz'

Música que projetou nacionalmente um grande compositor (e ex-namorado e eterno amigo de Ney), Cazuza, "Pro Dia Nascer Feliz" foi um dos pontos altos do show de Ney Matogrosso. A energia unida ao figurino do intérprete sul-mato-grossense tornaram o momento ainda mais especial.

3) Erasmo Carlos no mesmo dia de Iron Maiden

“O grande rei do rock no Brasil”, segundo o seu “irmãozinho” Roberto Carlos, Erasmo doma a ira dos metaleiros com um medley de rock’n’roll, dedicado a Big Boy, Janis Joplin, Jimi Hendrix, John Lennon e Elvis Presley. Começando com “Minha Fama de Mau”, ele esquentou ainda mais a noite dos headliners Whitesnake, Iron Maiden e Queen.

4) Baby Consuelo gravidíssima e brilhante

Grávida do sexto filho (Kriptus-Rá) e apresentada por Rita Lee e Alceu Valença, Baby Consuelo se apresenta no primeiro dia de Rock in Rio. Subvertendo tudo com “Sebastiana”, um coco eternizado por Jackson do Pandeiro (e composto por Rosil Cavalcanti) num arranjo arretado, ela e Pepeu Gomes foram a terceira atração da história do festival.

5) Roberto Carlos contando que foi ver Erasmo

Grande amigo de Jovem Guarda, Roberto Carlos não poderia deixar de ver (e de se emocionar) com a apresentação de Erasmo em um evento tão importante. Em entrevista ao lado da ex-mulher e atriz Myrian Rios, o "rei" também demonstra interesse em assistir às performances de Queen, Baby e Pepeu, Rod Stewart e, sim (!), da punk Nina Hagen.

6) Entrevista de Leda Nagle com Ney Matogrosso, bem sincero

"Eu não acho que isso aqui é o auge, o esplendor, e que agora eu tenho que me deitar nos louros, não; ainda quero fazer muita coisa a mais", diz Ney após se apresentar no palco de 80 metros de boca de cena durante conversa com a jornalista Leda Nagle. "Mas valeu, foi muito bom", completa.

7) Pepeu Gomes abordando questões de gênero nos anos 1980

Com guitarradas frenéticas e letra totalmente antimasculinidade frágil, Pepeu Gomes incendeia a plateia do Rock in Rio I, que vibrou junto durante a potência do som de "Masculino E Feminino". Antecipação de temas muito debatidos atualmente, ele canta: "Ser um homem feminino / Não fere o meu lado masculino / Se Deus é menina e menino / Sou masculino e feminino".

8) Baby Consuelo e o clímax em 'Brasileirinho'

O show (com cheiro e raiz de Novos Baianos), levou o público, Baby, Pepeu, a bateria e os telespectadores ao êxtase. O choro desembestado aumentava de velocidade junto à animação e à presença de palco da cantora e dos instrumentistas. Um belo grito de brasilidade.

9) Banho de chafariz de fãs de Iron Maiden

Vamos combinar que não é tarefa das mais fáceis aguentar um dia inteiro de calor (em especial, no verão do Rio de Janeiro) enquanto se espera a banda que mais se quer ver tocar no Rock in Rio. Por sorte, alguns fãs de Iron Maiden perceberam que o chafariz da Cidade do Rock poderia amenizar a alta sensação térmica e, claro, não pensaram duas vezes. "Melhor do que isso? Só o Iron Maiden mesmo", diz um deles, admirado.

10) John Sykes 'não quer conversa' e Bruce Dickinson 'tem medo do sol do Rio'

Na beira da piscina do Copacabana Palace, o ex-guitarrista do Whitesnake, John Sykes não aceita ser entrevistado por Sandra Passarinho, enquanto o também ex-parceiro de banda, Neil Murray, se entusiasma e diz "querer voltar para casa com a cor carioca". Já o vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson, acorda tarde e fica perto da piscina, na sombra. Brian May, do Queen, dá autógrafos e conversa com fãs. Aparentemente, é o mais à vontade com a proximidade e recepção do público brasileiro.

11) Rod Stewart é recebido com 'feliz aniversário' e fãs de toda parte chegam sem lugar para se hospedar

A loucura e o fervor fazem parte das primeiras vezes, principalmente quando o assunto são festivais de música — e não seria diferente com o primeiro Rock in Rio. Rod Stewart é aclamado no aeroporto durante o aniversário de 40 anos, enquanto, na rodoviária, chegam fãs de todas as partes do Brasil e do exterior para aclamar os músicos (dentro e fora do evento).

12) Sangue: acidentes com as guitarras de Bruce Dickinson e Rudolf Schenker, do Scorpions

"Sangue ou um pequeno truque para dar mais clima ao show?" pergunta o narrador da reportagem sobre o corte na testa de Bruce Dickinson, incapaz de diminuir a energia do músico durante a apresentação do Iron Maiden. O mesmo acontece com o guitarrista Rudolf Schenker, quem sofre um ferimento no supercílio e acaba no hospital após o show. Mas, não, nada grave.

13) A teatral performance do Iron Maiden em 'The Number Of The Beast'

Um dos maiores sucessos da carreira da banda de heavy metal inglesa, a faixa "The Number Of The Beast" teve direito até ao guitarrista Dave Murray nas costas de Bruce Dickinson. Aquela foi apenas a primeira das atuais quatro participações da banda no festival.

14) Glória Maria entrevista Freddie Mercury

"I Want To Break Free" não é uma música feita para a comunidade LGBT e, não, Freddie Mercury não se considerava o líder do Queen. "Não sou 'o general da banda', somos quatro pessoas iguais, quatro membros" explica à Glória Maria, então repórter do "Fantástico".

15) 'Love Of My Life”: o momento mais lembrado da história do Rock in Rio

“Vocês estão felizes? Wanna sing with us? This is very special for you” pergunta Brian May à plateia (a partir do minuto 23:32 do vídeo), no dia 11 de janeiro de 1985. Por conta do belíssimo coro brasileiro e pela emoção trazida tanto pela faixa, quanto pela voz de Freddie junto ao violão, o momento se tornou símbolo das experiências mágicas proporcionadas pelo Rock in Rio — e, sem dúvida, marco principal da primeira edição.

16) ' Bohemian Rhapsody' com Freddie no piano

A força e entrega do Queen ao vivo no Rock in Rio I foi de todo eletrizante. Em verdadeiro espetáculo, "Bohemian Rhapsody" uniu luzes, vozes e instrumentos de maneira a arrepiar quem a assiste da mesma forma, mesmo 35 anos depois. No vídeo, a canção começa aos 36 minutos e 33 segundos.

17) David Coverdale e John Sykes no Video Clip

"Na música, não é necessário visto nem passaporte para se divertir" responde o vocalista do Whitesnake, David Coverdale, sobre a experiência junto ao público brasileiro. Em entrevista ao extinto programa de TV "BB Video Clip", o cantor e o guitarrista John Sykes foram só elogios ao país após o primeiro de dois show no Rock in Rio, que aconteceram nos dias 11 e 19 de janeiro de 1985.

18) Whitesnake toca seu maior sucesso no Brasil

"Love Ain't No Stranger" (a partir de 16:20 do vídeo) começou a animar a plateia já nos segundos iniciais. Carro-chefe da banda em solo brasileiro, a faixa se completou ao glamour de David Coverdale e não precisou de uma performance superproduzida para ser entoada pelos fãs do início ao fim.

19) John Sykes se converte em muso instantâneo do Rock in Rio

Alguém, por favor, ligue para o Kid Abelha e avise que solos de guitarra conquistam, sim. Foi durante o desempenho de John Sykes durante "Crying In The Rain" (com início em 21:30, no vídeo) que o público brasileiro “descobriu” o guitarrista do Whitesnake em seu momento de brilho. Talvez tenha sido o cabelo ou os dedilhados ou as expressões faciais ou, até mesmo, a blusa aberta. E pronto: fez-se o galã do festival.

20) Os momentos de brilho de Ivan Lins

Escalação inicialmente criticada, o músico carioca Ivan Lins soube dar a resposta no palco. Com grande musicalidade e, sim, todo o punch exigido por um festival de rock, ele abriu o segundo dia de Rock in Rio para as atrações internacionais Al Jarreau, James Taylor e George Benson.

21) A noite romântica de James Taylor, George Benson e Al Jarreau no 'Jornal Nacional'

Não teve jeito: o dia 12 de janeiro de 1985 foi feito para os que estavam amando. "O som suave de James Taylor fez mais apaixonados os casais de namorados" é como narra o âncora do "Jornal Nacional" à época, Sérgio Chapelin. Segundo a reportagem, ninguém conseguiu ficar parado com os maiores sucessos de George Benson nem foi capaz de impedir os arrepios causados pelo talento vocal de Al Jarreau.

22) O grande momento da vida de James Taylor, 'You’ve Got A Friend'

Escrita pela cantora e compositora americana Carole King, a faixa lançada em 1971 estourou nas paradas internacionais como número um do top 100 da "Billboard" na voz de James Taylor, que a interpretou de maneira sensível e caprichada no Rock in Rio I. Sucesso de toda uma geração, a faixa proporcionou carinhos e abraços espalhados pelos casais e amigos da plateia.

23) Elba Ramalho agradecido por ter sido 'iluminada pelos deuses do canto'

Após show sob (muita) chuva, Elba Ramalho foi entrevistada por Leda Nagle e se mostrou muitíssimo grata ao clima e ao público. "Uma performance perfeita! Eu acho que eu estava, assim, iluminada pelos deuses do canto; estava com uma rosa dos ventos na garganta", diz.

24) Gilberto Gil em figurino 'new wave', arrasa com 'Vamos Fugir'

No que poderia ser considerado um visual afrofuturista, Gilberto Gil conquista a animação e o coro do público com seu reggae à moda brasileira. Uma das canções mais incansavelmente entoadas de todo o repertório do tropicalista, "Vamos Fugir" havia sido lançada em 1984, no anterior à apresentação do músico no primeiro palco do Rock in Rio.

25) Herbert Vianna dá bronca no público que jogou pedra no palco

Ainda recentes no cenário musical dos anos 1980, bandas e artistas representantes do rock nacional da época como Kid Abelha e Eduardo Dusek foram rechaçados por parte do público que ainda não valorizava atrações do gênero no Brasil. Por isso, durante o show dos Paralamas do Sucesso no dia 16 de janeiro de 1985, Herbert Vianna dá uma baita bronca na plateia: "Em vez de vir jogar pedra, fica em casa aprendendo a tocar guitarra. Quem sabe no próximo você está aqui no palco", diz.

26) Rod Stewart canta 'Sailing', um dos momentos mais emocionantes do Rock in Rio I

Apesar de não ser tão lembrada, a performance de Rod Stewart cantando "Sailing" emocionou e deu ritmo aos milhares de braços que se movimentavam no ritmo de um dos maiores hits do cantor de "Do Ya Think I'm Sexy".

27) Nina Hagen diverte mídia brasileira com jeito 'punk comédia'

A cantora alemã Nina Hagen veio ao Rio de Janeiro acompanhada da filha, Cosma Shiva, e já chegou fazendo suas populares caras e bocas. Em entrevista, a repórter Leilane Neubarth pergunta se ela se considera "uma pessoa meio louquinha, meio maluca" e Nina responde que sim, enquanto faz mais caretas.

28) Moraes Moreira sacode Rock in Rio com frevo baiano eletrificado

Apresentado por Nelson Motta “jovem” (40 anos na época), Moraes Moreira entra em palco como a segunda atração nacional do dia 16 de janeiro de 1985. Com seu vocal acelerado junto ao frevo eletrificado que o consagrou, o baiano foi um dos brasileiros a diversificar os ritmos do festival (e a botar a plateia para pular).

29) Ozzy Osbourne, o 'Príncipe das Trevas, incendeia com 'Crazy Train'

Acompanhado de um coro ensurdecedor, Ozzy Osbourne (ainda com cabelo curto e claro) se apresenta com calça e suspensórios em um show digno de fazer parte do "Guitar Hero". Não à toa, a faixa "Crazy Train" está inclusa na versão "World Tour" do jogo de videogame, e também foi grande destaque da apresentação do músico no Rock in Rio I.

30) Crítica de Ana Maria Bahiana sobre o Yes, e seu show 'goiabada com queijo'

"Apesar de não trazer nenhuma novidade, foi o espetáculo musicalmente mais rico", comenta a jornalista sobre o show da banda Yes, realizado no dia 17 de janeiro de 1985. O grupo de rock progressivo apresentou um show clássico, sem ousadias, mas, ainda assim, muito querido pelo público.

31) Yes e seu grande hit dos anos 1980, 'Owner Of A Lonely Heart'

Os ingleses do Yes souberam jogar bem com as armas de sempre, mas ficar na zona de conforto não tornou o show da banda menos competente. Com o sucesso "Owner Of A Lonely Heart", o grupo conseguiu vozes simultâneas e engajadas em cantar o hit o mais alto possível.

32) AC/DC: apoteose de 'Back In Black' após solo de guitarra de Angus Young (com direito a calça arriada)

O rock clássico foi representado com louvor na primeira edição do Rock in Rio. Solos de guitarra como o de Angus Young em "Back In Black" foram um dos aspectos responsáveis pelo sucesso do gênero no festival, e também empolgaram alguns dos músicos. Angus, por exemplo, se sentiu à vontade para abaixar as calças e mostrar o bumbum para a plateia.

33) Scorpions e o grande momento baladão do Rock in Rio

Não por acaso uma das músicas mais tocadas no Brasil em 1985, "Still Loving You" é conhecida como uma balada importante do repertório dos Scorpions, banda que retornou recentemente ao país para o Rock in Rio 2019. Com solos de guitarra consistentes e o vocal marcante de Klaus Meine, a canção embalou a noite do dia 15 janeiro de 1985 e nunca mais saiu do coração dos fãs brasileiros.

34) B-52's coloca todos para pular ao som de 'Private Idaho'

O grupo de new wave americano The B-52's cumpriu o propósito de proporcionar boas chances para o público do Rock in Rio I dançar. Atração dos dias dias 18 e 20 de janeiro de 1985, a banda apostou em "Private Idaho" para levantar a plateia — e conseguiu.

35) Cazuza em entrevista à Leila Cordeiro, fala da democracia que iria raiar no dia seguinte

Após mais de vinte anos de Ditadura Militar, a eleição indireta de Tancredo Neves trouxe um horizonte de esperança para a democracia brasileira. Para Cazuza, então vocalista do Barão Vermelho, foi simbólico o coro da plateia em "Pro Dia Nascer Feliz". Em entrevista à Leila Cordeiro, ele fala sobre a esperança no "dia novo", logo depois de receber um leve banho de água do amigo e baterista Guto Goffi.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest