Sobrevivente do glam metal lembra turnês com um Mötley Crüe sóbrio, empresária 'mãe' e dispensa no 'caricato' Slash
Entretenimento

Sobrevivente do glam metal lembra turnês com um Mötley Crüe sóbrio, empresária 'mãe' e dispensa no 'caricato' Slash

Publicidade

Taime Downe, vocalista da banda Faster Pussycat, criada em 1986, pode se gabar de ser um dos precursores do movimento que ficou conhecido como glam metal, um subgênero do heavy metal que usou e abusou de cabelos espalhafatosos, delineadores pretos embaixo das pálpebras e roupas diferentes. Em recente entrevista, ele, que atualmente está com 54 anos, revelou como foi viver o auge do estilo em meados dos anos 1980. E as histórias são ótimas. 

LEIA MAIS: Duff McKagan, do Guns N' Roses, conta como mudou da homofobia de 'One in a Million' até 'Tenderness'

VEJA TAMBÉM: Músicas do Guns N' Roses e do Def Leppard batizam linha de queijos

Ao site “Alabama.com”, ele falou sobre a experiência com o grupo, ainda na ativa, trinta anos depois de seu maior sucesso. Taime também foi sócio de um legendário clube de Hollywood, onde a cena glam metal do final dos anos 1980 fervia, The Cathouse. “Tínhamos o melhor DJ do mundo, Joseph Brooks. Toneladas de gente cool circulando, David Bowie, Steven Tyler, uma noite era o Axl Rose brigando... E todas as strippers que moraram em Los Angeles, ou dentro de um ario de 100 milhas da cidade. Era um lugar maluco", lembra.

Ele também relembrou o período que sua banda assinou com a Elektra, gravadora de outras bandas famosas, como o Mötley Crüe. Ambos os grupos, inclusive, já saíram em turnê juntos. “Era uma doideira, principalmente numa época que eles estavam sóbrios e a gente não. A gente tocava o terror e eles ficavam na deles. Agora é minha vez de sentir isso na pele, uma vez que estou limpo há dois anos. É uma droga, sabe?”, completou.

Além de compartilhar gravadora com o Mötley Crüe, o Faster Pussycat dividiu a mesma empresária com eles, uma mulher chamada Vicky Hamilton, que era “como uma mãe” para os caras. Ela ficou conhecida por cuidar da carreira de outras estrelas do rock, como o Guns N’ Roses, que também participou de algumas apresentações com o Faster Pussycat. Vicky tem lembranças selvagens de Taime. “A banda fez um show para gravadoras, e foi horrível. Para salvar a noite e garantir que rolasse um contrato, tive que virar a noite convencendo os caras da Elektra e da PolyGram. No dia seguinte, Taime me ligou exigindo que eu fosse buscá-lo, expliquei a situação e falei: “Toma aí o endereço, se vira”. Ele ficou louco da vida comigo, apareceu no meu quarto e ameaçou me jogar na lareira. Brent (Muscat, guitarrista da banda) tentou me defender e ele disse que iria fazer a mesma coisa com ele!” 

Look espalhafatoso? Sim! Isso é o glam metal e a marca registrada do Faster Pussycat/Getty Imges
Look espalhafatoso? Sim! Isso é o glam metal e a marca registrada do Faster Pussycat/Getty Imges

“Éramos amigos na época. Eles nos ajudaram muito, principalmente o baterista do Guns, o Steven Adler, e o guitarrista do L.A. Guns (banda que derivou o Guns N’ Roses), o Tracii”, afirmou ele, explicando que foi o cara responsável por vender a primeira cartola para Slash. “Estive no primeiro show do Guns N’ Roses, e quase que o Slash foi nosso guitarrista. Mas Mick (um dos integrantes do Faster Pussycat) achou que ele era caricato.”

Com tantas memórias incríveis assim, Taime tem planos de escrever um livro. “Talvez depois que o Faster Pussycat voltar da turnê pela Austrália. Também preciso encontrar a pessoa certa para me ajudar a fazer isso”, finalizou. 

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest