Super Bowl LIII: o Maroon 5, os comerciais e as participações musicais no maior evento esportivo dos EUA
Entretenimento

Super Bowl LIII: o Maroon 5, os comerciais e as participações musicais no maior evento esportivo dos EUA

0

Publicidade

A grande final do futebol americano, o Super Bowl LIII, deu mais um título ao New England Patriots na noite do último domingo. Embora com um resultado de poucos pontos (13 x 3), o jogo do “time do marido da Gisele Bündchen” contra os Los Angeles Rams foi bem disputado e foi marcado, para além do esporte, por momentos musicais, seja antes, durante ou depois da partida. O que aconteceu dentro e fora do Mercedes-Benz Stadium, em Atlanta, a gente conta aqui.

LEIA MAIS: Maroon 5 leiloa instrumentos históricos da banda

MAROON 5 NO SHOW DO INTERVALO

A participação do Maroon 5 no show de intervalo do Super Bowl LIII causou polêmica desde o começo. Depois de artistas terem recusado o convite para a apresentação — entre eles, estaria Rihanna — por conta do episódio entre a NFL e o jogador Colin Kaepernick, a banda de Adam Levine abraçou a oportunidade (em outros tempos tão desejada) e enfileirou hits no palco-montado-na-velocidade-da-luz do maior evento esportivo dos EUA. 

O grupo californiano ainda tentou agradar à internet ao inserir um vídeo com a participação de Bob Esponja (entenda aqui). A pílula animada abriu espaço para o rapper Travis Scott entrar no palco e cantar "Sicko Mode". 

A participação dos rappers Travis Scott e Big Boi soou como uma tentativa de apaziguar os ânimos com relação às polêmicas raciais envolvendo a liga de futebol americano. Diz-se que o rapper Jay-Z chegou a orientar Travis para que não aceitasse o convite e Cardi-B, que canta em "Girls Like You", negou a oportunidade quando esta lhe foi dada. 

Em janeiro, Travis anunciou que parte de seu acordo com a NFL obrigava a liga de futebol americano a doar US% 500 mil para a Dream Corps, uma instituição não governamental com o intuito de promover justiça social. Segundos antes de começar a cantar, Adam Levine dedicou o show a Jordan Feldstein (Jordy), seu ex-empresário que morreu no fim de 2017.  

‘GIRLS LIKE YOU’, CORAL E BATERIA BRANCA 

O Maroon 5 também recebeu críticas por ter colocado para tocar, durante a performance de "Girls Like You", uma banda de percussão formada predominantemente por músicos de cor branca. Muitos espectadores foram ao Twitter para comentar sobre a seleção. Na mesma faixa, Adam e companhia convidaram um coral gospel para acompanhá-los na música.  

Banda predominantemente branca foi criticada nas redes sociais / Foto: Getty Ima
Banda predominantemente branca foi criticada nas redes sociais / Foto: Getty Ima

Controvérsias à parte, a gente não pode esquecer que também teve Adam sem camisa, o que é sempre um bom momento — e, segundo levantamento, foi o momento do show que mais mobilizou o público no Twitter.

Super Bowl: Adam Levine aproveitou para exibir as tatuagens / Foto: Getty Images
Super Bowl: Adam Levine aproveitou para exibir as tatuagens / Foto: Getty Images

Assista à performance completa aqui.                                                                          

GLADYS KNIGHT E O HINO AMERICANO

O momento de "The Star Spangled Banner", o hino nacional dos EUA, é sempre um dos pontos altos do Super Bowl. A responsável pela performance mais aguardada da noite, atrás somente do show do intervalo, foi ninguém menos que a imperatriz do soul, Gladys Knight. Aos 74 anos, a cantora mostrou o porquê de ostentar o título, transbordando com o vozeirão e o talento pelos quais é reconhecida há tantas décadas. 

CHLOE X HALLE, AS PROTEGIDAS DE BEYONCÉ

O duo de R&B Chloe x Halle não se atemorizou diante da responsabilidade de cantar "America The Beautiful", uma espécie de "segundo hino nacional" dos EUA. As protegidas de Beyoncé (elas são amadrinhadas pela cantora e, inclusive, abriram a "On The Run II", última turnê da diva com o marido, Jay-Z).

Com harmonia impecável, as duas soltaram a voz em uma das versões mais bonitas que o Super Bowl já ouviu para a canção. Assista aqui.

CARDI B, CHANCE THE RAPPER, BSB E JOHN LEGEND NOS COMERCIAIS

Se Cardi B não apareceu para cantar ao lado do Maroon 5, ela bateu ponto durante os comerciais exibidos na TV americana. A rapper protagonizou o filme da Pepsi para o intervalo, ao lado do também rapper Lil Jon e do comediante Steve Carrell. A peça publicitária brinca com o slogan "pode ser Pepsi" ("Is Pepsi ok?", em inglês), usado também no Brasil. 

E o que falar do comercial de Doritos que uniu os Backstreet Boys e Chance The Rapper? O "novo integrante" da boyband de "I Want It That Way" ensaiou direitinho e fez até coreografia em conjunto com o grupo sucesso dos anos 2000.  

A Pampers levou os papais John Legend e o próprio Adam Levine para trocar fraldas em rede nacional. O filme fofinho ainda teve a participação de Chrissy Teigen, apresentadora e mulher de John Legend, e dos dois filhos do casal. Adam também levou Gio Grace, sua filha mais nova com a modelo Behati Prinsloo, para aparecer na peça.  

ANTES DO JOGO, O PRÉ-SHOW

Do lado de fora da Mercedes-Benz Arena, o Foo Fighters fez a alegria dos amantes do rock. A banda se apresentou em um evento promovido por uma companhia de TV a cabo transmitido ao vivo pela internet. 

A apresentação contou com surpresas incríveis, como a aparição de Roger Taylor, do Queen, para assumir a bateria durante o cover de "Under Pressure". Taylor Hawkins, o dono das baquetas dos Fighters, cantou a música.

Quem também deu o ar da graça foi Tom Morello, do Rage Against The Machine, e Zac Brown. Os dois se juntaram a Grohl para tocar "War Pigs", do Black Sabbath.

O setlist completo teve 18 músicas com o melhor do melhor do Foo Fighters.

BÔNUS FOFINHO

Kylie Jenner compartilhou um vídeo fofo de sua filha, Stormi, assistindo à performance do pai, Travis Scott, durante o show do intervalo no Super Bowl. Dá para ouvir a menina dando um gritinho de alegria ao ouvir a voz do pai. Fofíssima, vem ver.

Instagram URL not provided

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais