'The Dirt': verdades, mentiras e fatos não incluídos no filme sobre o Mötley Crüe, que tem exibição com comentários da banda ao vivo
Entretenimento

'The Dirt': verdades, mentiras e fatos não incluídos no filme sobre o Mötley Crüe, que tem exibição com comentários da banda ao vivo

Sexo, drogas, sexo, rock'n'roll, sexo... O filme "The Dirt: Confissões do Mötley Crüe" reúne momentos da carreira do Mötley Crüe que beiram o criminoso e, ainda assim, não inclui muita coisa incluída no livro "The Dirt: Confessions of the World's Most Notorious Rock Band", lançado em 2001, que traz muito mais histórias escabrosas. Sim, o primeiro show da banda californiana terminou em pancadaria envolvendo músicos e público. Sim, Ozzy Osbourne realmente cheirou uma "carreira" de formigas na frente dos então "meninos". Sim, o baixista Nikki Sixx realmente transou com a namorada de Tom Zutaut, funcionário da gravadora que "cuidava" da banda (seu "descobridor" para a indústria), em breve escapada do camarim. Sim, volta e meia o empresário Doc McGhee trocava socos com seus artistas. Mas ele não foi demitido após tentar reaproximar o baixista e sua mãe. Quase tudo é verdade. E sobram fatos bizarros omitidos.

Em "The Dirt", os músicos são interpretados por atores, mas eles participam como narradores e até se dirigem diretamente ao espectador para comentar algum acontecimento. Nikki Sixx é interpretado por Douglas Booth; Vince Neil, por Daniel Webber; Tommy Lee, pelo rapper Machine Gun Kelly; e Mick Mars, por Iwan Rheon. Os atores também vão participar do bate-papo pelas redes sociais, contando detalhes sobre a produção do filme.

O filme está disponível direto no catálogo da Netflix, mas nesta sexta-feira (15/5), os integrantes do grupo californiano estão convocando os fãs para usar a hashtag #StayHomeSweetHome e assistir juntos partir das 20h (horário de Brasília), quando eles vão fazer comentários ao vivo no Twitter e no Instagram.

O Mötley Crüe nos bastidores de um show em Nova York em 1985. Foto: Getty Images
O Mötley Crüe nos bastidores de um show em Nova York em 1985. Foto: Getty Images

Nem todas as loucuras da carreira couberam no filme: 12 esposas, por exemplo, não aparecem. A mais famosa entre elas é a atriz Pamela Anderson, que em 1995, casou com o baterista Tommy Lee 96 horas depois do primeiro encontro. O sex tape da lua de mel dos dois, roubado por um eletricista, é o mais famoso de todos os tempos. Mas a união acabou em agressões, que renderam ao músico quatro meses na cadeia.

Em 2001, a banda trabalhou com o escritor Neil Strauss para lançar sua biografia que virou best-seller do "New York Times". O filme não chega perto dos detalhes sórdidos do livro, muito por conta da duração, é claro, mas é um ótimo retrato da loucura que foi a carreira da banda que tocou no Rock in Rio em 2015. Os integrantes não têm nenhum receio em dizer que, sim, eles cometeram todas aquelas barbaridades. Vince resume: "A única razão pela qual os caras entram na música é porque adoram garotas e cerveja grátis. Não é pelq fama nem nada. Você quer transar e quer ficar bêbado".

 Nikki Sixx, Vince Neil, Ozzy Osbourne, Mick Mars e Tommy Lee em janeiro de 1984 em Nova York. Foto: Getty Images
Nikki Sixx, Vince Neil, Ozzy Osbourne, Mick Mars e Tommy Lee em janeiro de 1984 em Nova York. Foto: Getty Images

Entre as loucuras mostradas no filme, a de Ozzy talvez seja a mais famosa. O Mötley Crüe abriu os shows da turnê "Bark at the Moon", em 1984, auge da fama e piração do cantor do Black Sabbath, então em em carreira solo. Uma das cenas mostra a banda com Ozzy, interpretado por Tony Cavalero, no hotel, quando ele se abaixa, na beira da piscina, e aspira formigas com um canudo. Nikki, que por dois minutos em 1987 foi declarado clinicamente morto por overdose, jura que é verdade. Em uma entrevista à "Page Six", ele disse que, embora o Mötley Crüe fosse uma “banda jovem selvagem”, não podia competir com Ozzy.

O filme aborda também os dramas dos integrantes, particular de Mick e Vince. O primeiro foi diagnosticado com espondilite anquilosante, uma forma de artrite que afeta principalmente a coluna e dificulta a movimentação, quando ele tinha apenas 19 anos, o que o levou à dependência química em busca de um alívio para as dores. “Eu tenho uma forma rara da doença que não para, então ela percorre todo o meu tronco”, disse ao "MusicRadar" em 2008.

Outro momento triste do filme é a morte da filha de Vince. A menina, de apenas 4 anos, tinha um câncer de rim e foi submetida a seis operações, mas morreu quatro meses após o diagnóstico. "Essa provação é algo que nenhum pai ou mãe deve passar. Mais do que isso, eu gostaria que nenhuma criança tivesse que passar por isso", disse Vince à "People".

Sobre o fim da banda, a produção mostra que, em 2014, os integrantes assinaram publicamente um contrato que proibia performances futuras não autorizadas, impedindo que qualquer um dos quatro membros fizesse turnês usando o nome da banda.

A banda durante o anúncio da turne conjunta com outras bandas dos anos 1980 em dezembro do ano passado. Foto: getty Images
A banda durante o anúncio da turne conjunta com outras bandas dos anos 1980 em dezembro do ano passado. Foto: getty Images

Porém, mantendo a tradição das loucuras, o Mötley Crüe se reuniu para gravar quatro novas faixas para o filme e, desde então, circularam rumores de que sairia em turnê depois da estreia do filme, em março do ano passado. Os shows não aconteceram e a banda deixou para anunciar seu retorno aos palcos em novembro, além da participação da turnê conjunta ao lado do Def Leppard, Poison, Joan Jett And The Blackhearts e Tuk Smith & The Restless Hearts. Em março, a banda compartilhou um novo vídeo de sua clássica balada "Home Sweet Home" para incentivar os fãs a ficar em casa por causa da pandemia de coronavírus.

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest