The Warning: a banda de irmãs que foi formada jogando 'Rock Band'
Inspiração

The Warning: a banda de irmãs que foi formada jogando 'Rock Band'

Publicidade

Dizem que talento vem de berço. No caso das irmãs Daniela, Paulina e Alejandra Villarreal, ele veio em uma caixa de videogame. Juntas, as três formam o trio de rock The Warning. Dany, a mais velha, de 18 anos, é a guitarrista e vocalista principal do grupo. Paulina, 16, é a enérgica baterista, e Alejandra, 13, é quem fica com o baixo. Histórias de bandas formadas em família nós já vimos aos montes por aí. O que torna o enredo dessas três mexicanas de Monterrey diferente é que elas começaram a desenvolver seus dons de uma forma inusitada: graças ao jogo “Rock Band”. 

Desenvolvido pela Harmonix Music Systems, o game foi um presente dos pais para que os Villarreal aproveitassem os momentos em família juntos. Assim que o jogo foi comprado, Dany, então com oito anos, escolheu a guitarra para brincar. Paulina, com seis, também foi direto para as baquetas. Alejandra foi a única que não escolheu logo de cara o que queria porque ainda era muito nova. 

“Eu lembro que a primeira música que eu toquei foi ‘Eye The Tiger’”, relembra Dany, sobre o tema da série de filmes “Rocky”, cantado pelo Survivor. As irmãs haviam acabado de chegar a Cuernavacca, no México, quando conversaram com o Reverb. Empolgadas, iriam começar a gravar seu segundo álbum no dia seguinte. As três já trabalhavam nele há um ano mas só agora haviam conseguido o dinheiro para entrar no estúdio novamente. Uma campanha online arrecadou os fundos necessários para a produção. Em menos de 24 horas, elas conseguiram juntar os quase US$ 23 mil que colocaram como meta.  

LEIA MAIS: 'Mario Bros': a evolução da música tema mais famosa dos games

“A gente cresceu em um ambiente familiar muito musical. Nossos pais sempre ouviram música clássica e rock. A gente sabia tocar piano desde muito novas, mas aquela foi a primeira vez que nós ‘tocamos’ rock e nos apaixonamos instantaneamente”, explica Paulina. As três contam que as preferências pelos instrumentos não foram pensadas com o intuito de formar uma banda, mas vieram como decisões naturais de cada uma. 

“Primeiro a gente nem pensou em formar uma banda, nós tocávamos separadas. Até que um dia uma de nós sugeriu de tocarmos juntas e funcionou. Foi quando decidimos gravar algo para colocar no YouTube”, conta Paulina, a mais falante das três. Elas nem pensavam em viralizar. O trio já tinha alguns poucos seguidores quando gravaram um cover de “Enter Sandman”, do Metallica, na rede. Hoje o vídeo já tem mais de 17 milhões de visualizações. 

O sucesso do vídeo e a história das três chegou até a Harmonix, desenvolvedora do “Rock Band”. O trio foi então convidado para conhecer o escritório da empresa e, quando chegaram lá, foram surpreendidas com um presente e tanto. 

“A gente achava que ia só visitar e ver como tudo era feito. Quando chegamos lá, um dos executivos perguntou se a gente queria dar uma espiada e jogar um pouco do novo Rock Band que seria lançado. É claro que a gente quis. Foi quando eles falaram que iam escolher uma música que achavam que a gente ia gostar e de repente era a nossa música”, relembra Dany. A faixa em questão era “Free Falling”, do EP “Escape the Mind”, de 2015.  

Instagram URL not provided

 “O pior é que tiramos as as piores notas possíveis, o que foi muito engraçado”, diz Dany. Agora, o trio tem mais uma música no jogo, “Survive”, do primeiro álbum, “XXI Century Blood”, lançado em 2017. 

“É muito engraçado pensar que chegamos onde estamos por conta de um videogame. Não imaginávamos que por causa disso iríamos passar a tocar de verdade. Ver onde a gente está agora por causa disso é muito incrível. A gente começou a tocar por causa de ‘Rock Band’ e, de repente, nós estávamos fazendo parte do jogo”, diz Paulina. A baterista conta que o momento em que ficou mais nervosa na curta carreira da banda foi quando, no ano passado, elas abriram três shows do Def Leppard, no México. As irmãs também tocaram no mesmo palco que The Killers, durante a passagem da banda pelo país. 

“A gente ama o que a gente faz e o melhor de tudo é que nós estamos juntas. Não seria tão bom se não estivéssemos juntas. Nossos pais viajam com a gente e toda nossa equipe é como se fosse uma grande família. Parece que o que nós fazemos é realmente o que a gente nasceu para fazer”, reflete a baterista.

Publicidade

Relacionados

Canais Especiais

Ícone do FacebookÍcone do TwitterÍcone do InstagramÍcone do YoutubeÍcone do DeezerÍcone do SpotifyÍcone do Pinterest