Tipo Importação: Conheça o langspil, instrumento musical símbolo da Islândia
Especial

Tipo Importação: Conheça o langspil, instrumento musical símbolo da Islândia

0

Publicidade

Assim como o Brasil tem o chocalho e a Escócia, a gaita de fole, a Islândia possui como instrumento musical típico o langspil. Feito de madeira, ele pode ser reto ou curvado e tem comprimento entre 73 cm e 104 cm, sempre com uma corda principal e de uma a cinco cordas auxiliares, que podem ser tocadas com as mãos, com um arco ou com batidinhas. É muito mais simples de dominar do que outros instrumentos de corda, como o violão ou o violino.

'VALDIMAR': A próxima banda islandesa que você precisa descobrir

UM POUCO DE TUDO: Festivais de música da Islândia percorrem o rock, a eletrônica e o hip hop

As imagens e o som podem ajudar muito a entender o espírito do langspil:

Popularidade graças ao indie rock

As primeiras referências à criação do langspil datam do século XVIII, mas ele foi trazido de volta ao cotidiano na década de 1960 e reconquistou uma grande popularidade nos últimos anos por causa de seu uso na base do indie rock islandês que faça questão de uma pegada folk, como o do Of Monsters and Men. Graças a isso, cada vez mais pessoas querem aprender a tocá-lo, o que vem trabalhando um movimento espontâneo de resgate da tradição musical do país.

Nos primórdios do instrumento, ele só existia na versão reta. O design curvado na ponta surgiu no século XIX, como meio de melhorar o som. Isso não significou, porém, o fim do modelo inicial, já que até hoje ele é a escolha de muitas das pessoas na hora de aprendê-lo.

Durante mais de um século, um dos livros de música mais importantes da Islândia foi justamente um manual de instruções sobre o uso do langspil, com o título “Leiðarvísir til að spila á langspil” (em português, “Um guia para tocar langspil”), lançado em 1855.

Toda a música islandesa tinha obrigatoriamente um sonzinho de langspil no fundo ou na frente mesmo. Só que, como tudo na vida, chegou uma hora em que o instrumento começou a cair em desuso – isso foi ali pelo meio da década de 1950.

Ao perceber o abandono do som mais tradicional de seu país, a cantora Anna Þórhallsdóttir decidiu encabeçar um revival do langspil, para tentar evitar que ele fosse jogado no esquecimento.

Deu certo — tanto que aí está ele, participando até de festivais de música, como o Iceland Airwaves, no palco de bandas de indie rock. Atualmente, é impossível curtir a música popular islandesa e não reconhecer imediatamente o som de um langspil ali no fundo. E, como a criançada se empenha em fazer bonito com ele, podemos contar com pelo menos mais três gerações colocando langspil em suas músicas. Sorte a do mundo, que ainda poderá aproveitar essa sonoridade única por muitas décadas.

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais