Tipo Importação: Valdimar, a próxima banda islandesa que você precisa descobrir
Especial

Tipo Importação: Valdimar, a próxima banda islandesa que você precisa descobrir

0

Publicidade

Nome: Valdimar

Membros: Valdimar Guðmundsson, Ásgeir Aðalsteinsson, Guðlaugur Már Guðmundsson, Þorvaldur Halldórsson, Kristinn Evertsson e Högni Þorsteinsson

Gênero: indie pop-rock

Desde quando: 2009

Discografia: “Undraland” (2010), “Um stund” (2012), “Batnar útsýnið” (2014) e “Sitt sýnist hverjum” (2018)

Tamanho nas redes sociais: YouTube – 888 inscritos; Deezer – 536 fãs; Facebook – 12.829; Instagram – 1.811 seguidores; Twitter – 387 mil seguidores.

Reza a lenda que na Islândia todo mundo sabe tocar pelo menos dois instrumentos, tamanha a importância da música na ilha. Por isso, não é de se espantar que dois amigos tenham conseguido, em poucos meses e com um estúdio caseiro, gravar 12 músicas complexas e lançá-las em um álbum. Assim Valdimar Guðmundsson e Ásgeir Aðalsteinsson criaram a Valdimar, banda considerada hoje um dos principais nomes em ascensão na cena local. 

LEIA MAIS: Festivais da islândia percorrem o rock, a eletrônica e o hip-hop

CENA: Sonoridade globalizada sem perder o charme local marca o pop-rock islandês 

Só que o formato de power duo de indie pop-rock não se sustentou por muito tempo. “No estúdio demos um jeito de resolver em dupla, mas logo percebemos que precisaríamos de mais gente para tocar as músicas ao vivo”, contou Ásgeir em entrevista ao site oficial do festival Iceland Airwaves

Para resolver esse pequeno problema, os dois foram à luta na noite de Keflavik, cidade no sudoeste da Islândia onde eles moravam. Não foi tão difícil recrutar os músicos necessários: 

“Quando você está na cena, todo mundo conhece todo mundo, até por isso tem gente que está em dez bandas ao mesmo tempo. Há quem toque em uma banda de death metal em um dia e em uma orquestra no outro”, explica Valdimar sobre esse aspecto da cultura local. Inclusive, ele revelou que era considerado “estranho” por estar em apenas uma banda – e uma banda com o nome dele próprio, ainda por cima.

Hoje, a Valdimar tem seis músicos fixos e uma seção de sopro que muda de acordo com a disponibilidade dos colaboradores. 

Em islandês, mas o público não se importa

O som da Valdimar é um indie pop-rock que soa muito familiar aos ouvidos, mesmo sendo quase todo cantado em islandês. As músicas começam suaves e vão sendo construídas trecho a trecho, até chegarem a algo próximo do épico. 

“Em vez de se preocupar com cada palavra, as pessoas sentem a música (em islandês). É mágico, é maravilhoso”

“Em vez de se preocupar com cada palavra, as pessoas sentem a música. É mágico, é maravilhoso”, contou Valdimar. “Às vezes tocamos algumas versões em inglês e depois um pessoal estrangeiro da plateia vem dizer que gosta mais das originais em islandês, mesmo sem entender nada. Acho que o islandês é um idioma cool”.

Pode ser cool, mas eles já trataram de traduzir tudo para o inglês para um eventual plano de dominação mundial. “Só não regravamos porque o custo seria alto, daria muito trabalho e queremos continuar produzindo material novo. Então, se  uma gravadora se interessar em bancar esses lançamentos, temos tudo à mão”, disse Valdimar, mandando aquela indireta para gravadoras interessadas em bandas com potencial fora do eixo Reino Unido - EUA.

Melhor álbum islandês de 2012...

“Um stund”, o segundo álbum da Valdimar, foi lançado em 2012 e considerado o melhor disco islandês daquele ano no Icelandic Music Awards. A faixa que mais fez sucesso foi “Yfir Borgina”, que significa “sobre a cidade”. 

... E um mundo para ser conquistado

De 2012 para cá, a banda cresce devagarinho, focando bastante na Islândia e em países do norte da Europa. Depois do lançamento de “Batnar útsýnið”, em 2014, vieram convites para participações em festivais alemães, como o Marienplatzfest, em Stuttgart, e suíços, como o Nordklang, em St. Gallen. Nos principais festivais islandeses de 2018, o Secret Solstice e o Iceland Airwaves, os músicos estão focados em apresentar o trabalho novo de “Sitt sýnist hverjum”, lançado neste ano.

Se alguma gravadora resolver assumir aquele lançamento das versões em inglês que estão prontinhas, quem sabe logo mais eles vêm ao Brasil para podermos curtir tudo isso ao vivo?

Publicidade

Background

Relacionados

Canais Especiais